Intencionamente ou não, há algo da obra de Alejandro Jodorowsky em Toren. Embora não chegue a perturbar ou provocar, como faz com frequência o artista chileno, a primeira grande criação dos gaúchos da Swordtales também é esotérica, repleta de simbolismos e misticismo, que prioriza o belo e o subjetivo à concretude e concordância da linguagem, da lógica e da razão. É possivelmente um jogo incompreensível como um todo, mas que, de alguma forma, preenche nossa imaginação e desperta sentimentos.

À esquerda, o Alquimista de A Montanha Sagrada, interpretado por Jodorowsky; à direita, o Mago, de Toren.

À esquerda, o Alquimista de A Montanha Sagrada, interpretado por Jodorowsky; à direita, o Mago de Toren

Trata-se de uma experiência breve, linear, de aproximadamente duas horas, que envolve e instiga nas mesmas proporções, nos colocando em cenários surreais e nos impactando com belas imagens e melodias. Toren não é sobre desafio, grandes conquistas ou atos heróicos, mas sim sobre a poesia e simbologia por trás de tudo isso.

“O que eu estou tentando fazer quando uso símbolos é despertar em seu inconsciente alguma reação. Eu sou muito consciente do que estou usando porque símbolos podem ser muito perigosos. Quando usamos a linguagem normal nós podemos nos defender porque nossa sociedade é uma sociedade linguística, uma sociedade semântica. Mas quando você começa a falar, não com palavras mas apenas com imagens, as pessoas não podem se defender.” – A. Jodorowsky

Em Toren encarnamos a Criança da Lua, cujo destino é escalar a torre na qual está aprisionada, superando desafios físicos e mentais e derrotando o dragão que vive em seu redor. A previsibilidade desta jornada, contudo, é dissolvida rapidamente com o tratamento subjetivo dado à sua narrativa. Ao trazer à tona um misticismo filosófico dualístico sobre vida e morte, tempo e espaço, luz e escuridão, Toren vai além da tradicional jornada do herói, tão comum aos videogames e à fantasia, e transita pelo esotérico.

Por vezes, eu diria até que ele ultrapassa o limite do subjetivo, caindo na mais completa abstração, a qual apenas podemos apreciar. Tentar preencher suas lacunas com significados concretos pode ser inútil, principalmente quando o que se absorve é puramente sensorial e sublime.

“Beleza é o limite máximo que podemos acessar através da linguagem. Nós não podemos alcançar a verdade, mas podemos chegar perto dela através da beleza.” – A. Jodorowsky

TorenTorenTorenTorenTorenToren

Toren, no entanto, nem sempre se comporta como deveria, e por vezes o encanto de seu feitiço pode ser rompido devido a problemas técnicos. Algumas animações mal resolvidas ou defeitos gráficos podem causar estranhamento e nos distanciar de sua fantasia, mas são os bugs que mais comprometem a experiência. Em meu jogo, me deparei com pelo menos três grandes bugs, que me obrigaram a retornar a checkpoints anteriores, o que, por sua vez, também me causou outras frustrações. Por conta disso, precisei jogar uma sequência três vezes seguidas, transformando o que inicialmente havia sido um momento de impacto em puro tédio, dado que a magia de Toren está na descoberta, curiosidade e encanto inicial de cada uma de suas sequências.

Um dos elementos mais interessantes da narrativa de Toren acaba não sendo muito bem aproveitado em suas mecânicas: as múltiplas vidas da protagonista. Conforme você navega pela torre, nota uma grande quantidade de estátuas de garotas e mulheres, em diferentes fases da vida. Ao ser petrificada pela primeira vez, fica evidente que todas as outras figuras femininas eram da própria Criança da Lua, em suas tentativas passadas de chegar até o topo da torre. Há breves vislumbres de uma grande ideia, como o momento em que a estátua de uma vida anterior lhe serve de apoio para atingir uma nova área, algo que, por si só, já é carregado de significados. Contudo, o que poderia ter enriquecido a mecânica central de Toren é apenas um elemento pouco explorado em sua história, que surge em momentos predeterminados. O próprio crescimento da garota, que se encaixa muito bem aos temas do jogo, é também baseado puramente no progresso da narrativa, nunca sendo explorado livremente pelo jogador enquanto mecânica, o que é uma pena.

Não fosse seu estranho e rico universo, provavelmente Toren seria um jogo ruim. Você não o joga pelo prazer e fluidez de suas mecânicas e controles, ou pela gratificação em realizar seus quebra-cabeças simplórios, mas sim pela fascinação e contemplação que ele causa. Ainda que não seja muito vasta e raramente permita que você vá muito longe, dividindo a progressão por segmentos específicos, explorar a torre é sempre instigante. Após adentrar em uma sequência de sonho, os momentos mais surreais de Toren, você ficará ansioso pela próxima, tão belas e inexplicáveis elas são.

O final de Toren me pareceu um pouco abrupto, talvez por que eu quisesse que a experiência se expandisse para além daquele momento, me mostrando mais daquele universo tão singular. E mesmo assim, quando tudo finalmente se encaixou, foi impossível não derramar lágrimas. Neste momento, todas as imperfeições de Toren se tornam um mero detalhe, e a única coisa que eu sentia era um arrebatamento emocional causado pelo poder de sua metáfora e poesia.

“Para arte ser arte ela precisa curar.” – A. Jodorowsky

Análise - Toren
Sim, Toren tem uma série de problemas. Ao evitar a comunicação com o jogador, permitindo que ele o descubra sozinho, alguns momentos se tornam mais confusos do que interessantes. Ideias de gameplay se repetem ou são usadas arbitrariamente, sem que sejam exploradas ao máximo. E existem os bugs. Mas nada disso tira o encanto, a sensibilidade, o espanto e a beleza de seus melhores momentos, e é deles que lembrarei daqui em diante.
4
  • Nossa Rique, essa foi a melhor análise que li sobre Toren até agora. Parabéns!

  • Jonathan Brian Dos Santos

    Vale a pena comprar… Em promoção.

  • leualemax

    parallax novo do site ficou maneiro.

  • Lucas Molina

    Alejandro*. Interessante comparação.

  • Tais

    te dizer que me arrependi de ter jogado toren no dia do lançamento, justamente por causa dessa falta de polimento =/ me frustrei um par de vezes…

  • OfudouMyou

    eu não acho a comparação interessante… sei que o rique gosta do alejandro, não quero ofender a opinião de ninguém. na minha, no entanto, o alejandro é nada mais que um farsante se fazendo valer do mesmo princípio de, sei lá, um adolescente que deseja chocar (à época) por chocar. os símbolos que ele utiliza são jogados, um amálgama que se contradiz e que por terem um ar de “pitoresco” principalmente ao olhar ocidental, ganha aura de misterioso, profundo e sábio. cabras sabáticas que nada mais (nada mais mesmo!) do que um símbolo pagão apropriado pelo cristianismo, inclusive, são usados como representações satanistas (no sentido do conhecimento hedonista, não o cristão clássico do mal) misturadas com símbolos de masdaísmo… aí na mesma cena ele faz alusão ao corpus hermeticum (wtf???), o que soa quase hilário, é como fazer um powerpoint com imagens de carros esportivos, seguidos por… bananas (kkkk) e… windows 98?. é sério… o jodorowsky não entende de muito de nada do que fez em filmes como “a montanha sagrada”. ou até entende, porque estão lá os elementos, mas aquilo lá é vazio de qualquer sentido palpável. é só um amontoado de misticismo que não passam ideia alguma, só são jogados.

    e até aí tudo bem, não me incomoda, cada um absorve o que quiser, inclusive como exercício estético acho que… é, tem lá a sua validade. o problema, na minha opinião, e que me faz ter o trabalho de escrever aqui, é muito mais no sentido prático. são palestras, são livros de “psicomagia” e “psicoxamanismo” que o jodorowsky solta há anos por aí e diz que cura. isso mesmo… diz que cura. esse cidadão, hoje em baixa, mas que ainda é nocivo, por muito tempo difundiu e difunde ideias que se apropriam de teorias da psicologia e de estudos sérios para “mistificar” e deturpá-las a fim de “curar”. inclusive através de falácias admitidas. chega a dizer que mente e engana para influenciar a cura, usando o seu “psicoxamanismo” (lol) como um placebo para um câncer. lembro o henrique comentando no podcast sobre “a montanha mágica” e das entrevistas em que o alejandro diz que não conseguiu dinheiro para novos filmes, aí que foi fazer quadrinho, etc. pois rique, vale a pena você parar pra ler um livro dele, é coisa de “hercolubus”. e houve também muita polêmica de incentivo governamental que o deixou cheio da grana. meio que um “mãe dináh” de ricos e famosos no méxico e espanha, quando não deita tarô em paris para algum tresloucado cheio de grana, manda a filha. homeopatia, então… putz, ele é um gênio da “prescrição”. tipo aquele que o heitor visitou uma vez para ver qual que era da homeopatia e comentou que quem o atendeu falava sobre seres azuis (verdes?) do centro da terra (era isso? algo assim?).

    enfim…

    • riquesampaio

      Olha, sendo sincero: eu atualmente sou totalmente cético. Já tive um período de contato com misticismo, mas hoje não acredito (mais) em coisas como tarot, astrologia e muito menos em religião. Mas de alguma forma, talvez pela abordagem artística e filosófica, eu tenho uma grande admiração pelo Jodorowsky. Acho que se você olhar pelo ponto de vista da razão, vai achá-lo um charlatão (ainda que seu trabalho enquanto diretor e escritor, principalmente de quadrinhos, vá muito além do puro misticismo), mas creio que é tudo uma questão de ponto de vista. Eu também posso achar o candomblé ou o espiritismo puro charlatanismo. Não sei se dá pra julgar subjetividade desta forma, uma vez que não existe certo ou errado.
      E cara, homeopatia… ninguém acredita, mas de alguma forma funciona rs – uma amiga médica confirma, mesmo ela também não entendendo muito bem. É o poder da sugestão.

      • OfudouMyou

        entendo… por um instantinho eu tinha achado no podcast que não era só apreciação estética da obra… que você também acreditava (ainda) na parte mais mística.
        quanto à homeopatia, eu acho que deve funcionar em algum nível mesmo, também sei de casos positivos. é só difícil creditar ( e acreditar ) como um todo, porque tem muita queimação de gente como a que o heitor citou hehehe

  • Leandro Tavares

    Já deixei meu Toren comprado, mas ainda não joguei. E tenho a impressão que daremos todos uma chance ao game mais por ser brasileiro do que pelos pontos positivos citados pelo Rique. Espero ter sensações semelhantes, já que as críticas ao polimento, animações, design e bugs tem sido constantes na mídia.
    Em tempo: Rique, logo no início do texto faltou um L no “Intencionamente”, não? Na home também está escrito sem o L no resumo do post.