oferecido2A E3 2016 chegou ao seu fim, deixando conosco um gostinho do que iremos jogar no futuro próximo. Ainda teremos impressões de quem esteve presente na feira, acompanhando de perto os anúncios e testando os jogos que fizeram parte do evento.

A equipe do Overloadr cobriu extensivamente as coletivas ao vivo. Na última semana, produzimos dezenas de notícias, publicamos trailers, um podcast, reflexões e, após uma semana inteira respirando E3, não poderíamos deixar de comentar alguns dos nossos anúncios e jogos favoritos da feira.

Os melhores da E3 2016 para Henrique Sampaio

Watch Dogs 2

PC, PS4, Xbox One
15 de novembro de 2016

Tudo indica que para dar origem a Watch Dogs 2 a Ubisoft não apenas entendeu quais eram as qualidades e os defeitos do primeiro jogo, mas também finalmente sacou o direcionamento que a propriedade intelectual pede. A continuação aborda temas contemporâneos e parece dizer mais sobre nossas vidas, nossa geração e a cultura na qual estamos inseridos do que o primeiro jogo jamais tentou, tais como a cena hacker, com suas invenções tecnológicas e ativismo social, monitoramento, invasão de privacidade, vazamento de dados pessoais, redes sociais, corrupção política etc.

O jogo ainda te dá a opção de usar armas de fogo e cometer atrocidades, mas seu foco parece mesmo estar no uso criativo de recursos tecnológicos e da conectividade do mundo, que transformam o protagonista Marcus Holloway numa espécie de super-herói da modernidade. Ao menos com base no que foi mostrado até agora, a Ubisoft parece estar acertando no tom, na estética, na narrativa, na trilha sonora e nas mecânicas.

Veja também:
Watch Dogs 2 já soa bem mais promissor que o primeiro nestes 11 minutos de gameplay
– Eis os trailers e as primeiras informações de Watch Dogs 2

Bound

PS4/PS VR
16 de agosto de 2016

Bound foi revelado na PlayStation Experience 2015 e ganhou bem pouco destaque na E3 2016, mas a divulgação de um novo trailer e o anúncio de seu lançamento para agosto fizeram dele um dos jogos mais aguardados por mim dos próximos meses.

É um dos poucos jogos não violentos apresentados na feira (e, talvez, por isso mesmo, tenha recebido míseros dois segundos em uma compilação de vídeos na conferência da Sony) e um dos mais visualmente impactantes. A combinação única de movimentos do ballet, abstracionismo, narrativa de jornada pessoal e mecânicas de plataforma o torna único e instantaneamente emblemático, o que me faz querer priorizá-lo a qualquer outra experiência AAA apresentada na feira.

Veja também:
– Bound é provavelmente uma das coisas mais bonitas deste ano na E3

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Wii U, NX
2017

Eu gosto de Zelda, mas confesso ter terminado apenas alguns dos jogos portáteis, mesmo tendo jogado quase todos os títulos principais. A verdade é que sempre os achei muito rígidos e cansativos. Breath of the Wild, porém, me surpreendeu como poucos jogos foram capazes nesta edição da E3. A abordagem criativa que a Nintendo está dando à tecnologias e estilos normalmente aplicados a jogo ocidentais faz dele a maior inovação que a série já viu desde Ocarina of Time.

É incrível o que eles estão fazendo com a física e a navegação em mundo aberto, a partir de um tratamento experimental. O jogador parece ter uma liberdade sem precedentes para explorar o cenário e resolver tarefas de formas inventivas, combinando as ferramentas e habilidades que possui à sua disposição para descobrir possibilidades. E considerando que vimos apenas um pequeno corte vertical do todo, não há como não ficar impressionar e empolgado pelo que está por vir.

Veja também:
Ilustramos com GIFs tudo que há de mais legal em The Legend of Zelda: Breath of the Wild
– Nintendo explica por que The Legend of Zelda: Breath of the Wild não tem uma protagonista mulher
– The Legend of Zelda: Breath of the Wild terá Amiibos próprios

 

Os melhores da E3 2016 para Heitor de Paola

The Legend of Zelda: Breath of the Wind

Breath of the Wild é com certeza a resposta mais óbvia (e pelo que vi de análises de reações em redes sociais, a mais frequente também), mas é difícil evitá-la. A Link Between World já havia nos dado pistas do que uma Nintendo é capaz quando decide, enfim, chacoalhar a fórmula que estava repetindo há anos, e o resultado já foi extremamente positivo.

Agora, pelas várias horas de demonstração que tivemos, pudemos ver para o quão distante de seus predecessores A Breath of the Wild está indo e, consequentemente, a quantidade de novas possibilidades que nos serão dadas para explorarmos. Há muitas questões em torno da próxima aventura de Link, mas o simples fato de termos tais questionamentos já mostra o quão mais fresco e cativante esse novo trabalho da Nintendo é em relação ao que ela andava fazendo.

God of War

PS4
Sem previsão de lançamento

Aqueles lendo isso que acompanham o MotherChip sabem que eu não tenho a melhor das opiniões sobre God of War. Nunca consegui gostar dos jogos originais em grande parte por ativamente odiar Kratos, o protagonista. Eis então que nessa E3 a franquia ressurge trazendo o que parecem ser fortes mudanças não apenas mecânicas, mas também à figuras que controlaremos.

É verdade que, nos eventos que antecedem o primeiro jogo, Kratos já teve uma família. Mas essa é a primeira vez que o vemos ao lado de um filho e as implicações disso podem ser incríveis. Vimos pouco ainda, é verdade. Mas dado o tom do que foi demonstrado, God of War parece ter fugido completamente do constante ódio e raiva que guiavam Kratos para algo mais complexo e humano. Ao que tudo indica, esse jogo será um sobre a jornada de pai e filho, e sobre como as diferentes personalidades moldarão uma a outra.

Em poucos minutos no palco da E3, o que a Santa Monica mostrou já foi, por si só, mais intrigante e interessante do que todos os God of Wars até então produzidos. Eu não achava que haveria maneira de algum dia eu ligar para essa série, mas eu estava errado.

Veja também:
– Novo God of War é anunciado oficialmente com trailer de jogabilidade

Dishonored 2

PC, PS4, Xbox One
11 de novembro de 2016

Eu gosto muito do primeiro Dishonored. Ele possui um twist às mecânicas de Deux Ex pois, por adicionar à fórmular magias, nos permite explorar os cenários verticalmente, com muito mais liberdade que J.C. Denton ou Adam Jensen conseguem. Junto disso, o visual de seus ambientes é bem distinto, mesclando elementos fantásticos com uma distopia de toques steampunk. Há também o coração que nos revela pensamentos incríveis escondidos dentro das pessoas.

Por conta disso, estou bem animado para sua continuação. Ao meu ver, ela não precisa reinventar a roda. Basta me oferecer novas habilidades (que eles já mostraram estar presentes) e cenários inéditos que será o suficiente. Quero apenas poder novamente descobrir maneiras mirabolantes de me livrar de meus alvo tal qual já o fiz uma vez.

Veja também:
Eis aqui o primeiro trailer de gameplay de Dishonored 2

 

Os melhores da E3 2016 para Caio Teixeira

Project Scorpio

Final de 2017

A revelação oficial do Project Scorpio (e de todo o foco em transformar qualquer plataforma da Microsoft em uma porta de entrada para jogadores) foi extremamente importante para a empresa. Por um lado, ela acabou deixando muitos de seus consumidores ofendidos com a possibilidade de um “console novo” tão rápido, mas por outro acena claramente para uma mudança drástica na indústria: se prender a uma caixa imutável por anos a fio é algo que está para se tornar o passado.

Em entrevistas Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, tentou acalmar consumidores apontando que as mudanças que chegarão ao Project Scorpio servirão apenas para quem possui televisores 4K e quer muito VR, mas isso não ajudou muito para acalmar os nervos de quem se sente traído pela companhia. Tal qual o lançamento do Xbox One e toda a confusão de informações sobre o videogame funcionar ou não sempre online, ou mesmo a desinformação sobre jogos usados, fez muito mal para a plataforma e até hoje a Microsoft sofre disso. Resta saber se o Project Scorpio irá trazer a mudança necessária para a empresa no final de 2017 ou estará fadado ao segundo lugar do console atual.

Só um adendo: diferentemente do lançamento do Xbox One, a mensagem de um novo console agora não vem apenas da Microsoft, mas também da Sony (que se beneficiou bastante do discurso mais “tradicional” no lançamento de seu PS4). Isso pode ser benéfico para o Project Scorpio, já que estará em pé de igualdade com o PlayStation 4 Neo.

Veja também:
– Microsoft oficializa atualização do Xbox One com Project Scorpio

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Ao contrário do Heitor e do Rique, nunca fui fã da série Zelda. Uma franquia que não me atrai seja pela temática ou mesmo pelas mecânicas. Mas Breath of the Wild mudou isso completamente, pelo menos na minha vontade de ao menos querer jogar o título.

O que mais me chamou a atenção foi a liberdade de exploração e as mecânicas “mais ocidentalizadas” que chegaram ao jogo – física, elementos de jogos de sobrevivência, uma aparente maturidade do mundo. Se a Nintendo buscava encontrar novos jogadores de Zelda, ela acertou em cheio.

Spider Man

PS4
Sem previsão de lançamento

O primeiro Spider-Man que foi lançado para PlayStation 1 desenvolvido pela Neversoft foi um dos títulos que mais joguei na minha infância. A liberdade que ele proporcionava era algo naquela época, além da possibilidade de jogar com outras roupas, me viciou completamente.

Ver o super-herói voltando pelas mãos da Insomniac (de Ratchet and Clank) é realmente animador. Por mais que nada tenha sido mostrado das mecânicas, a desenvolvedora parece ter o “gene” correto para trazer o Homem-Aranha de volta à boa forma nos videogames. E que uniforme legal que colocaram nele!

Veja também:
Insomniac está trabalhando em um novo jogo do Homem-Aranha exclusivo ao PlayStation 4

  • Travammus

    rapaz mas esse zelda ta tão feio que me da vontade de chorar.

    como que a direção de arte consegue cagar desse jeito?!

    • Jota Corrêa

      Engraçado, que achei esse Zelda uma pintura em questão de direção de arte.

      • Travammus

        rapaz.. não se faz pintura com fotorealismo é meio que a primeira regra. Essas pedras cagaram o jogo todo. O contraste deixa tudo mt esquisito e feio. O ultimo, skyward sword, aquilo sim foi uma obra de arte.

        • Caio_RB

          Esse jogo é muito mais bonito que o Skyward Sword.

          • Travammus

            Rapaz, mas tem que ser mais bonito mesmo. A gente ta comparando o wii com o wiiu. meu ponto é que ta mt incoerente. vc tem tudo pintado a mão, mt bonito e lindo e logo ao lado TODAS AS PEDRAS EM fotorealismo. É como se o novo doom, todo fotorealista tive-se todas as armas pintadas a mão com um estito totalmente diferente.

  • rodrigo

    vou mandar e-mail entaum

  • Guilherme Kaneko

    Eu não entendo o por quê que as pessoas não aceitam que as empresas lancem um novo console. Sempre foi assim, exceto a última geração, 4/5 no máximo 6 anos de vida para uma geração de console. Eu acho tão absurdo essa reclamação, num mundo onde Iphones e Galaxies são lançados todo santo ano, por preços altíssimos, e mesmo assim as pessoas fazem filas e filas para comprarem o produto todo ano.
    Desde o início da oitava geração, as empresas sempre foram claras que não seria uma geração longa como a sétima. Principalmente por não haver um grande salto tecnológico e principalmente pelo retorno financeiro.

    • Carlos Scatolini

      Entendo seu argumento até certo ponto… Mas usar os celulares como comparação é complicado, hein?

      Dá impressão que você está dizendo: “ei, olhem a bosta que é a indústria dos smartphones com seus mil modelos e preços altíssimos, os consoles deveriam ser do mesmo jeito! Por que não?”.

      No mais, a duração média de uma geração é de 6 anos. E está claro que eles não sugaram todo o potencial dos consoles atuais, então até que ponto é uma boa ideia dividir o mercado?

      • Caio César Mendonca Souza

        Oi Carlos, penso o contrário, pra mim está claro que sugaram até o talo, vide o witcher e fallout 4 . E porque que isso vai dividir o mercado?

  • Wilson Junior

    Finalmente irei comprar um console de mesa da Nintendo novamente! (meu último foi o N64). Que venha novembro de 2017! #BreathOfTheWild

  • Paulo Henrique

    Minha ÚNICA duvida até o momento é = QUAL CONSOLE COMPRAR? tenho o 360 e não vale a pena comprar o XBOX ONE, porque já vai sair o XBOX ONE S.

    Não vale a pena comprar o XBOX ONE S, porque já vai sair o Scorpio

    Não vale a pena comprar o PS4 porque vai sair o PS4 neo.

    Não vale a pena comprar o WII u porque vai sair o NX…

    Qual vocês comprariam na minha posição?

    • Caio César Mendonca Souza

      já vai sair o Scorpion…. Final de 2017 não é “já vai sair”

      Não sabemos de nada do ps4 neo

      Veja o catalogo de exclusivos e a plataforma que você curtir mais e vai em xone ou ps4. Se achar que não vale a pena espere ai por mais uns 2 anos para pegar um console.

    • gusRamos

      Pelo que eu li e vi, PS4 Neo e Scorpio serão consoles poderosos para resoluções 4k porém com o restante das funcionalidades iguais ao PS4 tradicional, XOne e XOne S (que é a versão pequena do console). Com isso, Scorpio e Neo focam no mercado das TVs 4k, pois estamos naquela transição lenta entre a resolução Full HD e Ultra HD (4k).
      Então, a compra desses últimos são para as pessoas que têm TV 4k. Quem não tem fica com as outras versões, e o jogos continuarão os mesmos porém com resoluções maiores para os mais poderosos.

    • Karoll Chaves

      Depende… se vc tiver uma tv 4K espera os novos consoles… Caso não tenha pode comprar um atual.