oferecido2Quando eu fui convidado para jogar Agents of Mayhem na E3 2016, não sabia muito bem o que esperar. Nunca joguei Saints Row e não sou particularmente fã de jogos de tiro em terceira pessoa, então acabei sendo movido pela curiosidade mesmo. E, para minha surpresa, devo assumir que saí ansiosíssimo pelo seu lançamento em 2017.

Agents of Mayhem (sendo mayhem sigla para Multinational Agency for Hunting Evil Masterminds) conta a história de um grupo de heróis que precisa proteger uma Seoul futurística dos viloes da organização L.E.G.I.O.N (League of Evil Gentlemen Intent on Obliterating Nations). Os nomes das organizações já deixam claro que o bom humor da Volition está presente, assim como uma grande inspiração em histórias em quadrinhos.

O visual é hipercolorido e cartunesco, combinando com o tom cômico que permeia todo o jogo. Na missão que joguei tive que salvar uma inteligência artificial cantora de K-Pop que estava fugindo da L.E.G.I.O.N. Ao chegar em seu esconderijo, descobri que, na verdade, essa Hatsune Miku coreana havia armado uma emboscada para os agentes, pois havia acabado de se juntar à liga rival e estava prestes a se casar com um de seus membros. É claro que a batalha final acontece durante a cerimônia, em cima de um prédio e recheada de explosões.

Apesar de adotar um mundo aberto, a missão demonstrada era essencialmente linear. Uma característica marcante de Saints Row IV também empregada aqui é a verticalidade dos cenários, que exigem uma movimentação precisa do jogador e a utilização de pulos duplos.

Para encarar as diferentes missões é possível escolher três dentre doze personagens que estarão disponíveis na versão final. Na demo da E3, quatro deles estavam liberados: Fortune, Rama, Hardtack e Hollywood.

Semelhantemente a League of Legends e Overwatch, cada personagem possui uma forte personalidade, alem de habilidades e armamentos completamente distintos, sendo necessário criar um time equilibrado para enfrentar os desafios. A grande sacada de Agents of Mayhem está na possibilidade de trocar de herói instantaneamente a qualquer momento, como em Marvel vs. Capcom. Durante a demo senti necessidade de intercalar os personagens, seja para disparar com a escopeta de Hardtack, controlar hordas com Fortune ou atirar de longe com a arqueira e atiradora de elita Rama.

Agents of Mayhem

Fortune, codenome de Marina Santos, é a personagem brasileira do rol de heróis de Agents of Mayhem

Os heróis são agentes de partes diferentes do mundo, e Fortune, que na verdade se chama Marina Santos, é a parcela brasileira do elenco, tal como Lucio é para Overwatch. E pelo que pude notar, a Volition acertou na representação: sem cair em estereótipos, Fortune não é exatamente hipersexualizada e veste roupas apropriadas para seu estilo de combate. Segundo a distribuidora Deep Silver, os doze personagens possuem o mesmo grau de importância, contudo, o agente Hollywood receberá um maior destaque, sendo tratado como um protagonista.

Agents of Mayhem chega ao Xbox One, PS4 e PC no começo de 2017.

Bruno Lazzarini é colaborador do Overloadr, que esteve presente na E3 2016, em Los Angeles. 

Mais impressões, direto da E3:
– À beira do lançamento, Final Fantasy XV gera dúvidas
The Legend of Zelda: Breath of the Wild traz novo fôlego à franquia
Batman, Serious Sam e Rez fascinam em VR

  • Lucas Vieira

    Desculpa ser chato, mas acho que esqueceram de mudar o autor do texto. Tá como se tivesse sido o Rique. o/

    • riquesampaio

      Corrigido!

  • luddita

    Marina Santos tá escrito no trailer

  • Uma personagem brasileira que não é hiperssexualidade, não luta capoeira ou solta raio? Agora eu gostei de ver <3

    Sou fã da série Saints Row e estou empolgadíssimo com esse jogo <3

  • Concorrente forte de Crackdown 3, pela descrição. Curti!