Este texto aborda, de forma vaga, partes das tramas de Life is Strange e Life is Strange: Before the Storm.

Eu fui uma das pessoas que estranhou o anúncio de Life is Strange: Before the Storm. Sem a protagonista do original, Max, que era capaz de manipular o tempo, e focada em uma personagem cujo destino já está selado (ao menos quando consideramos um dos finais de Life is Strange), me perguntei o que seria explorado nessa nova temporada, que antecede os eventos que já conhecemos. Sem um “poder” como o de Max, o que poderia haver em Before the Storm que o tornasse tão bom quanto a primeira temporada? A resposta é simples: humanos.

A trama do original foi escrita para levar em consideração os poderes da Max, mas o cenário que ele pinta já é interessante por si só. Arcadia Bay é um microcosmo repleto de histórias de abandono, separação, corrupção e abuso, mas também de amizades, conquistas, perdão e compaixão. São esses elementos, ainda que sobrepostos ao conceito de viagem no tempo, que tornam Life is Strange tão bom, e não suas mecânicas ou mirabolâncias temporais. Seu universo é rico em personagens humanos e conflitos não muito distantes daqueles que enfrentamos em nossas próprias vidas. E, depois de jogar o primeiro episódio de Before the Storm, é evidente que a Deck Nine, equipe por trás da nova temporada, sacou isso.

Embora Before the Storm tenha uma espécie de mecânica própria para substituir a manipulação do tempo da Max e representar a atitude desobediente da Chloe, ela é só mais uma forma de dialogar com personagens — no caso, um bate-boca. E tudo bem: em um jogo sobre relacionamentos humanos, é um ótimo sinal que as diferentes formas de interação entre pessoas sejam inteiramente baseadas em diálogos.

A atitude rebelde de Chloe é aprofundada em Before the Storm

A atitude rebelde de Chloe é aprofundada em Before the Storm

Há uma outra qualidade aqui: os diálogos são estruturados de acordo com as dinâmicas sociais de cada contexto. Num bate-boca, é preciso escolher a melhor resposta para humilhar ou diminuir o interlocutor com base nas palavras usadas por ele, e ainda sob a pressão do tempo. Em uma partida de RPG de mesa, é preciso interpretar as alternativas com base no contexto de fantasia, mas mantendo um certo grau de empatia para com seus colegas, visto que suas decisões podem afetá-los e impactá-los emocionalmente.

Veja também:
– As pessoas estão usando Life is Strange para descrever 13 Reasons Why, e isso é ótimo

Em outra situação, quando ainda estão se conhecendo, Rachel desafia Chloe a dizer duas verdades e uma mentira. Cabe ao jogador interpretar, a partir do que ele entende que rola entre as duas (e da clara insegurança de Chloe) se ela deve seguir à risca as regras definidas por Rachel ou quebrá-la, seja só com mentiras, só com verdades, mais mentiras que verdades ou vice-versa. A complexidade mecânica dos diálogos de Before the Storm acompanha as nuances da interação social humana: as alternativas, muitas vezes divididas em diferentes camadas de escolhas, refletem as possibilidades de intenções, ênfases e expressão de Chloe, nunca de forma óbvia ou binária.

Before the Storm dedica tempo suficiente para construir seus personagens para que cada uma dessas decisões venham carregadas de significados ao jogador. Em vez de resumir Chloe a uma típica adolescente revoltada (que é o que tínhamos no primeiro jogo), ele ancora seus traços rebeldes nas dores das perdas: do pai, em um traumático acidente de carro, e da amiga de infância, Max, que a “abandonou” ao se mudar para Seattle com a família. A presença constante do padrasto em sua casa, uma figura de valores totalmente opostos aos dela, acentua suas atitudes antissociais e seus conflitos com a mãe.

A Chloe é meu animal espiritual

A Chloe é meu animal espiritual

O contato com suas feridas mais profundas nos faz entender a casca grossa que Chloe construiu ao seu redor, como um sistema de defesa. Desde nosso primeiro contato com Life is Strange, ela aparenta ser durona e capaz de lidar com seus problemas (muito embora isso resulte em sua morte, que é revertida por Max logo no primeiro episódio da série), mas a real é que, ao olhar de perto, vemos o oposto: uma garota insegura e solitária. E, talvez por nos colocar para tomar decisões justamente no momento em que ela conhece alguém capaz de curar essas feridas, cada pequena escolha parece ter um peso enorme.

É algo poderoso o que Before the Storm faz: nos permitir olhar o mundo da perspectiva de alguém que a gente achava que já conhecia para, então, entender suas atitudes, seus pensamentos. Talvez por isso mesmo, em apenas um episódio, a Chloe tenha se tornado imensamente mais interessante que a Max em uma temporada inteira. Além de sua fragilidade mais evidente, seu humor ácido e autodepreciativo são mais honestos para mim.

Before the Storm ainda irá se desenrolar em mais dois episódios, o próximo previsto para o fim de outubro ou começo de novembro. Sua trama mais “pé no chão”, calcada em relações familiares, o aproxima tematicamente de Gone Home, o que é um ótimo sinal para essa temporada.

Life is Strange: Before the Storm está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One. No Steam, o preço da temporada completa é R$ 44,99.

Veja também:
– Como Hellblade lida com depressão e outros transtornos mentais

  • Felipson Lorenzi Tavares

    Eu acho esse jogo bem misterioso ja que a max volta no tempo e a chloe tem uns sonhos bem realistas e a rachel “spoiler na hora que tacou fogo na foto fez uma ventania eu acho isso bem misterioso, eu acho que esse game é muito maior que simplesmente uma historia de crises de adolescentes apesar de ser muito forte no game

  • Paulo Henrique

    P/ mim, Life Is Strange é mais sobre Chloe e Rachel do que a Max.

  • Davi J. Ferreira

    Eu ja n concordo, a max tem características, sensações e um carisma bem mais desenvolvido que a chloe, falta dois episódios, mas pra mim a max é bem superior

    • riquesampaio

      A Max é legal, mas neutra demais. Ela tem um certo distanciamento das coisas. Não me parece uma pessoa real, parece um personagem construído pra ser puramente bom. A Chloe sim é mais humana: os defeitos dela são muito mais evidentes, ela tem um cenário mais claro, que explica suas atitudes, e seu contexto emocional é bem trabalhado neste episódio. Mesmo na primeira temporada, a impressão que eu tenho é que vemos mais sobre a vida da Chloe (a mãe, o trabalho da mãe, a casa da Chloe, a história do pai, o padrasto etc etc) do que da Max. Eu mal sei quem é a Max, na real. A Chloe claramente tem mais elementos para solidificar sua construção.

      • Davi J. Ferreira

        N sei cara, pra mim a Max tem muito mais “alma” que a Chloe. A Chloe em alguns momentos é bem genéria e artificial, como qualquer outro npc ou qualquer outra rebelde de 16 anos.

  • Guilherme Guigs

    Dizer que Before The Storm e bom ok, agr falar que o primeiro EP e melhor que o primeiro jogo inteiro é sacanagem né.

    • riquesampaio

      Mas gente, eu disse que acho a Chloe em Before the Storm mais bem trabalhada do que a Max na primeira temporada. Em nenhum momento disse que um jogo é melhor que o outro.

  • Apesar de duas cenas incríveis (Discussão com a mãe e a cena final do “soquinho no capô do carro”), eu não consigo comprar esse roteiro escrito de uma maneira tão vergonhosa. E que porcaria de mecânica “Debate” eles colocaram aqui? Eu devia me sentir um adolescente de 16 anos falando essas coisas que eu nunca vi um adolescente falar NA VIDA? E com essa dublagem ainda por cima?

    Não consigo.

    • riquesampaio

      O roteiro é bom. Ele justifica diversas características da Chole, cria situações plausíveis, se encaixa bem no universo da série etc. Tem algumas forçadas, o bate boca poderia ser melhor resolvido, mas ainda assim, acho que funciona. Não vi nenhum problema com a dublagem. Talvez a Chloe tenha ficado ainda melhor com essa voz mais butch.

      • Você consegue comprar isso, Rique?

        Um dos maiores exemplos que me incomodaram foi a Chloe com a Rachel naquela cena (possível spoiler para quem não jogou) onde elas irão tentar roubar o vinho. Que cena é aquela, meu deus do céu? Eu não consegui entender o propósito daquilo, se era para construir uma característica rebelde da Rachel para isso depois ser imposto a figura da Chloe que a gente conhece. E se foi isso, eu senti uma vergonha alheia inacreditável porque poderia ser feita de diferentes maneiras.

        A Cena delas conversando de frente para a arvore antes do impacto final, aquilo foi perfeito e sinto que foi inclusive o suficiente. E eu teria gostado do bate-boca com o David, se as mecânicas de debate não fossem tão gratuitas no sentido do quanto elas devem conversar tanto com o roteiro como também para a personalidade do personagem e ambos fazerem sentido para a cena que aquela mecânica quer entregar.

        Não sei. Hype demais colocado em um jogo que nunca tentou ser grandioso em quesito narrativo? Talvez. Expectativa é o grande mau de tudo. Mas eu fiquei tão decepcionado com esse episódio um inteiro, exceto as duas cenas que eu mencionei que inclusive são as melhores da série até então para mim. (Soquinho no capô do carro eu chorei, gostei bastante)