Agora você lê o quarto dos cinco textos escritos por Alexandre Nix, produtor do Overcast (pai de programas como os podcasts Verdades Absurdas [apresentado por Caio Teixeira], Muito Amor e vídeos como Rompantes, com Nigel Goodman), sobre a sua experiência com o (beta do) jogo Elite: Dangerous. O conteúdo é autoral e será publicado semanalmente, todas quartas-feiras. Acompanhe conosco o que sai da mente doentia – ou robotizada – do Nix. Caso queira mais informações sobre o jogo, acesse o site de Elite: Dangerous que o Nix criou.

– Caio Teixeira

****

Data Estelar 4113300-3

LP 98-132 é um sistema anárquico independente com apenas 1.500 almas amaldiçoadas trabalhando em extração de minérios e mais um número incontável de piratas sedentos em explorar o lucro suado dessa pobre gente ou roubar qualquer nave com capacidade de carga. Eu vou carregar peixe para lá. Somente peixe. Nem é tão valioso assim no mercado, mas os mineiros precisam de comida. Peixe. Só a droga de peixes. Os piratas não sabem disso, mas não importa. Eles interrompem naves em hipervelocidade e atiram antes mesmo de verificarem o que você está carregando. Basta ter uma nave capaz de carregar qualquer coisa.

Se eu tenho de ir para essa área sem lei é melhor que eu potencialize meu lucro. Verifico o mercado de Azeban e comparo os itens de importação e exportação com o pouco de informação que tenho sobre Freeport. Ah, droga! Acho que será mais peixe mesmo. Compro mais 7 toneladas e fico feliz de não sentir o cheiro da mercadoria.

O plano é simples: saltar para LP 98, ajustar o curso para Freeport, entregar a carga do contratante, pegar minha recompensa local, vender o resto do meu peixe e pegar alguma missão de entrega de mercadoria ou mensagem para Styx, onde pegarei minha recompensa principal pela morte de Brizra.

– Saltar!

Primeira fase: ok. Ajustar curso. Ok. Agora é seguir em frente por mais uns cinco minutos ou mais. Com um pouco de sorte…

Intervenção de hyperdrive.

“Com um pouco de sorte”. Certo. A nave sacode em uma disrupção de vórtice enquanto tento controlar sua direção, manobrando-a como posso em direção do vetor de fuga. Dependendo do disruptor que o pirata atrás de mim estiver usando, será impossível escapar. Dito e feito. A nave abruptamente é jogada em velocidade normal e os scanners se reiniciam. Duas naves atrás de mim.
– O que você está carregando? – A mensagem surge no comunicador envelopada por dois pulse lasers. Eu manobro até entender quem está me atacando. São duas… Sidewinders? Sério?

A minha primeira rajada de lasers destrói o escudo da primeira. Continuo em seu encalço atirando enquanto a outra tenta inutilmente causar algum dano nos meus escudos. Destruo a primeira nave com tanta facilidade quanto a segunda. Ganho duas recompensas pífias que somam 1.200 créditos, mas mesmo assim me sinto confiante. Muito confiante. O que é o mesmo que atestar burrice, porque a primeira coisa que faço depois de sair dali é verificar um sinal não identificado próximo. Burrice. Meu raciocínio foi: se eu investir na ofensiva dessa vez, será mais fácil ainda.

Salto para a área do sinal e vejo duas Eagles perseguindo uma Hauler. Coitada. A Hauler é uma nave puramente de transporte. Será um milagre se ela conseguir acertar um disparo com seu módulo único de armas. Destruo a primeira Eagle facilmente e a outra parte em minha direção. Fico parado atirando. Estou me sentindo confiante. Ela acerta alguns tiros, mas o escudo segura a investida. Revido com os lasers. Ela desiste de mim e se volta para a Hauler. Corro para tentar impedir a Hauler de ser destruída colocando a segunda Eagle entre a gente. As duas naves a minha frente estão muito próximas, mas me sinto confiante. Muito confiante. Disparo com tudo o que tenho. A Eagle gira sem força e se choca com a Hauler no meio dos lasers e tiros de canhões. As duas naves explodem. Oops.

Reduzo a velocidade e verifico se houve testemunhas assim como quem olha de lado para o radar. Aparentemente não há nada aqui. Nada além de… mercadoria flutuante? Três toneladas de ouro flutuando em containers bem ali! Seriam da Hauler ou da Eagle? Será que importa? Recolho os containers e saio dali rapidamente. Próxima parada: Freeport.

Entro veloz e cheio de confiança na estação. Recolho minhas recompensas locais (a de Brizra e das duas Sidewinders) e percebo que não recebi recompensa pelas Eagles. Estranho. Bem… se suas fichas estivessem limpas nesse sistema, eu agora estaria com o status de Procurado. Não estou. Entrego a carga de peixes e vendo o resto do que trouxe. Verifico o menu do mercado para vender minha carga de ouro e…. não encontro ela listada. Que diabos! Eu jurava que tinha conseguido capturar aquilo. Será algum defeito na minha porta de carga? Estranho.

Hora de verificar os anúncios locais. Pode ser que eu encontre alguma missão de entrega para Styx. Sim. Otimizar e potencializar o lucro. Sim! Vejamos.

O que é isso? 60.000 para entregar 26 toneladas de Cobalto em CM Draco! É preciso fazer em 14 minutos, mas deve dar tempo. Mais 60.000 créditos na minha conta em apenas um salto? Eu nunca estive nesse sistema, mas sei que é próximo. Vale muito a pena fazer esse desvio. E depois disso talvez seja possível ir direto para Styx de qualquer forma. Aceito a missão e disparo para fora da estação tão rápido quanto entrei. Não sabendo o caminho entre a estrela principal do planeta e a estação de destino, é melhor se precaver e sair o mais rápido possível quando se está com um prazo apertado.

Dou um impulso ao sair da estação para me afastar mais rápido de sua enorme massa (a proximidade trava o hiperdrive) e assim que estou posicionado ordeno o salto. Entrei e saí tão rápido que os scanners da estação nem tiveram tempo de rastrear minha nave. Se eu fosse um contrabandista, eu teria sido extremamente eficiente. Deixo escapar um sorriso. A Inteligência Artificial não sorri de volta. Ela não enxerga e se enxergasse provavelmente não projetaria uma mão mecânica para me dar um high five. Olho para o assento vazio ao meu lado. São essas horas que seria bom ter um tripulante extra. Alguém para dividir as vitórias e até, por que não, um pouco do lucro.

A contagem regressiva começa e posso relaxar as mãos dos controles por 5 segundos. 5… Farei uma bolada enorme hoje. 4…. Curioso. Lembrei de uma coisa agora. 3… Espera! Oh, não. Aquelas duas Eagles! 2…. Elas não dispararam contra a Hauler. Só contra mim. 1… Oh, não. Eu entendi tudo errado.

Saltando.

 

 

 

 

(Terceira parte)                                                                                                (Quinta parte)

  • Pingback: DIÁRIO DA ELITE: Encontro com Brizra()

  • rodrigo

    estou começando a sentir uma bela raiva pelo Nix, apenas pelo motivo que ele sabe criar a curva de expectativa para, tal qual uma animação japonesa cuja historia é um arco de três capítulos, receber no final um ” Continua no proximo episódio “

  • rodrigo

    Nix essas naves que tu encontra são NPCs ou são outros players com encomendas ou funções no jogo?

  • Rafael Rigon Maier

    Véi, isso tudo aconteceu ou é apenas um conto?

  • Pingback: DIÁRIO DA ELITE: Eu odeio Freeport()