13 continuações que você provavelmente esqueceu (ou nunca soube) que existiram

Temos o costume de cobrar dos desenvolvedores continuações de jogos antigos de sucesso, mas às vezes nos esquecemos de que boa parte deles já receberam sequências. O esquecimento é justificado no caso de jogos ruins, mas há casos de sequências que, por uma razão ou outra, passam batido ou simplesmente são aproveitadas por poucas pessoas, mesmo tendo suas qualidades.

Relembramos algumas destas continuações esquecidas aqui:

 

Alex_Kidd_BMX_Trial_box_artAlex Kidd: BMX Trial

Há uma boa razão para Alex Kidd: BMX Trial não ser muito conhecido no ocidente: o jogo para Master System, lançado entre Miracle World (provavelmente o mais famoso de todos) e The Lost Stars, em 1987, foi lançado apenas no Japão e fazia uso de um acessório nunca lançado fora do país. Trata-se de um jogo bem incomum em que Alex Kidd precisa encontrar a saída de cada fase pedalando sobre uma bicicleta em cenários verticais cheios de obstáculos e armadilhas.

 

Nights-Journey-of-Dreams-Nights: Journey of Dreams

Provavelmente pelo fato de ter sido lançado unicamente para o Wii, Nights: Journey of Dreams foi uma sequência aguardada por mais de uma década de uns dos jogos mais queridos do Saturn, porém esquecida poucos meses depois de seu lançamento morno. Não que o jogo seja ruim, mas inúmeros fatores contribuíram para que a continuação de Nights não se tornasse o furor que foi o jogo original, como a atenção do mercado a outros gêneros ou o declínio da própria Sega.

 

 

 

heart-of-the-alienHeart of the Alien (sequência de Out of This World)

A continuação do respeitável Out of This World foi desenvolvida pela Interplay, então distribuidora do jogo original nos EUA, e lançada exclusivamente para o Sega CD, com a intenção de explorar as capacidades multimídia do console – o que resultou em inúmeras sequências de animação rotoscopiadas. Embora inicialmente tivesse o aval do criador, o francês Eric Chahi, a Interplay acabou fugindo de sua visão original, que era apresentar os eventos do primeiro jogo unicamente sob a perspectiva do alienígena que se tornava o companheiro do jogador no original. Ela foi tão longe que matou o personagem principal de Out of This World. Chahi, quando pôde finalmente jogá-lo, depois de lançado, se arrependeu amargamente de ter permitido o desenvolvimento da sequência.

 

Veja também:
– Perguntei a 16 desenvolvedores de jogos quais são seus livros favoritos
– Ajudamos você a superar o calor com uma refrescante seleção de fases de gelo
– Relembrando os 20 anos do PlayStation com 20 jogos memoráveis
– 8 segredos assustadores dos videogames que jamais sairão de sua mente

 

Ghoul-Patrol-Ghoul Patrol
(sequência de Zombies Ate My Neighbours)

O que começou como o desenvolvimento de um jogo de ação inédito aos moldes de Zombies Ate My Neighbours (e que usava a mesma engine) acabou se tornando uma sequência direta, ainda que sem o envolvimento e consentimento do criador do original. A mudança também deveu-se pelo desinteresse da Konami (que era a distribuidora) em lançar uma continuação, o que acabou fazendo com que a desenvolvedora LucasArts se aproximasse da JVC (que já tinha lançado alguns de seus jogos para Super Nintendo de Star Wars) com um jogo que “era” uma continuação (tinha os protagonistas do original) mas “não era”, sabe? Pode não ser tão querido quanto Zombies Ate My Neighbours, mas carrega qualidades o suficientes para ser lembrado como um bom jogo de Super Nintendo.

 

fountain-of-dreams-1Fountain of Dreams (“sequência” de Wasteland)

O RPG Wasteland foi um divisor de águas quando foi lançado para computadores em 1988, desenvolvido pela Interplay e seu fundador Brian Fargo. Aproveitando o sucesso do jogo, a publisher Electronic Arts, que detinha os direitos autorais de Wasteland, decidiu trabalhar sozinha em uma continuação, contrariando as vontades da Interplay e seus criadores. Tanto que no meio do desenvolvimento, o nome Wasteland foi abandonado, ainda que as mecânicas e os temas do jogo original fossem mantidos – aqui você está em busca de água pura em uma Flórida pós-apocalíptica e, por alguma razão, assolada por palhaços assassinos. Durante muito tempo, a Electronic Arts considerou Fountain of Dreams uma continuação de Wasteland, contra a vontade da Interplay, até passar a negar relações com o jogo original em 2003. Por sorte, tivemos Wasteland 2 em 2014 para sepultar de vez Fountain of Dreams, que era, sim, um jogo terrível.

 

final-fight-streetwiseFinal Fight: Streetwise

A tentativa da Capcom de renovar a série de beat ‘em up de sucesso dos anos 90 caiu por água abaixo no PlayStation 2 e Xbox. Trazendo alguns dos personagens do original, o jogo se passa em uma Metro City muito mais sombria e pouco inspirada, e traz visuais realistas que em nada se parecem com os do jogo de arcade. A tentativa de inserir uma história e um mundo pseudo-aberto, com quests e minigames, transformou algo que deveria ser simples, divertido e objetivo como Final Fight em um jogo maçante e desnecessariamente lento e complicado. Era ruim demais para atrair a atenção de novos jogadores e distante demais do original para que despertasse interesse dos fãs da série.

 

bubsy-jaguarBubsy in Fractured Furry Tales

É difícil de entender a razão pelo sucesso moderado de Bubsy nos anos 90, visto que seus (poucos) jogos eram um tanto esquisitos. O mais obscuro deles foi lançado exclusivamente para o Jaguar, o mal-sucedido console da Atari. Por alguma razão, ele não traz nenhum dos aprimoramentos de Bubsy II, mesmo tendo sido lançado meses depois. Um jogo meia boca em um console natimorto. Nenhuma razão para lembrar deste aqui.

 

 

 

 

altered-beastAltered Beast: Guardian of the Realms

Lançado para Game Boy Advance em 2002, Altered Beast: Guardian of the Realms foi a única e inesperada continuação direta para jogo original do arcade, feita por um estúdio norte-americano. Embora fosse excessivamente parecido com o jogo de 1988, ele faz uma boa atualização do conteúdo original, adicionando novas transformações e cenários que vão da Grécia ao Egito.

 

 

 

earthworm-jim-3d-3Earthworm Jim 3D

A ovelha negra da série, Earthworm Jim 3D tem um bom motivo para não ser lembrado com muita frequência. Com a venda dos direitos da marca para a Interplay, a publisher botou o desenvolvimento do terceiro jogo nas mãos da escocesa VIS Entertainment, que ficou encarregada de trabalhar na difícil transição da série do 2D para o 3D. Sem o envolvimento direto de Doug TenNapel e David Perry, os criadores de Earthworm Jim, e repleto de problemas de desenvolvimento e marketing (o jogo atrasou inúmeras vezes e foi lançado anos após o término do desenho animado para TV), Earthworm Jim 3D acabou sepultando a série, que nunca mais ganhou uma continuação.

 

ToeJam-Earl-III-ToeJam & Earl III: Mission to Earth

Toejam & Earl teve uma grande relevância no início dos anos 90, com seus protagonistas sendo, por um tempo, considerados os mascotes da Sega, pelo menos até a aparição de Sonic. Com um segundo jogo não tão bem recebido quanto o primeiro, seus criadores, que em 1995 conquistaram os direitos da série, decidiram voltar para a fórmula original em um terceiro jogo em 3D. Após uma série de desavenças com publishers, o que acabou atrasando sua produção, o estúdio acabou lançando Toejam & Earl III: Mission to Earth apenas em 2002, exclusivamente para o Xbox, resultando num alcance limitado de público. Embora tivesse suas qualidades, não era tão inventivo quanto o original e acabou rapidamente sendo esquecido.

Falando nisso:
– Um novo ToeJam & Earl está em desenvolvimento

 

Parasite-Eve-The-3rd-Bithday-capaThe 3rd Birthday

Pensado originalmente como um jogo para celulares, o desenvolvimento do terceiro título da série Parasite Eve acabou sendo migrado para o PSP em meados de 2008, para ser lançado no final de 2010 no Japão. Embora seja um bom jogo, mesmo com as limitações de controle do PSP, e bem recebido aos fãs do original, acabou ficando limitado unicamente à base de usuários do PSP e por isso não é lembrado com muita frequência.

 

 

 

fade-to-blackFade to Black (sequência de Flashback)

Diferentemente de Out of This World (também desenvolvido pela francesa Delphine), a continuação de Flashback, Fade to Black, foi feita pelo próprio estúdio e dirigido pelo criador do original, Paul Cuisset. Sua louvável intenção era seguir a então tendência do momento e criar uma continuação completamente em 3D, em uma época pré-Super Mario 64 e Tomb Raider, em que ninguém sabia exatamente como jogos tridimensionais deveriam ser. Apesar de trazer algumas boas ideias de câmera e controle (de certa forma, ele foi o primeiro a ter uma câmera sobre os ombros do personagem, empregada anos depois em Resident Evil 4), e animações bem impressionantes, tudo era incomparavelmente mais lento, difícil e burocrático que Flashback, o que o tornava bastante frustrante.

 

Parappa The Rapper 2

Com o sucesso do primeiro jogo da série e de Um Jammer Lammy, que se passa no mesmo universo, ambos lançados para o PlayStation original, os fãs ficaram ansiosos para ver como a continuação iria aproveitar o potencial do novo e então poderoso PlayStation 2. Embora fosse claramente mais bonito, o fato de Parappa the Rapper 2 ser bem parecido com o original provavelmente fez com que o jogo passasse batido, em meio a tantas novidades da época.

Bônus:

 

  • Arthur Rocha

    Tem uma certa empresa ai que poderia aprender que nem sempre continuações sem fim são uma boa coisa.

  • Kyo

    Curioso ver que eu conheço ou joguei a maioria deles.

    Aliás, o que pesa contra o Streetwise, além do nome Final Fight, é que anos antes, a empresa cancelou o Final Fight: Seven Sons, que era justamente um Final Fight em cell shading com um gameplay mais clássico.

    E pra mim, os únicos Desconhecidos MEEEESMO foram o Fountain of Dreams e o Fade to Black. Nessa lista aí, acho que faltou o Musashi do PS2, que apesar de não ser tão bem visto como o Brave Fencer do PS1, é divertido.

  • Antonio Carlos Bleck Bento

    Sensacional, essas listas de curiosidades do Rique são os conteúdos escritos que eu mais curto no site.

  • rodrigo

    falta um bomberman que una todos coml foi os de snes

  • Lukas Leite

    Nossa odorei a matéria, nao fazia ideia que havia uma sequência de Out of this World e Flashback.

  • Manoel Ricardo

    parappa 2 é uma chatice… odeio aquela história com um vilão/salvar mundo, coisa que não combina com universo do parappa que sempre foi resolver problemas pessoais 🙁
    esse é o tipo de continuação que eu prefiro esquecer que existiu do que lembrar, rs.

    a sequência do Nights sempre me interessou. eu amo o original, o segundo é muito ruim ou pelo menos é parecido com o primeiro?

    • riquesampaio

      Eu particularmente gosto do Nights: Journey of Dreams. É um jogo bem feito, que expande bem a proposta do jogo original. A Sega devia fazer uma versão em HD.

    • Guilherme Gondin

      Na verdade só ouvi elogios quanto ao de Wii, o pessoal fala muito bem.

  • Carlos Gilberto

    Cacetada que Matéria Sensacional, eu não conhecia alguns deles.

    fiquei impressionado com Heart of the Alien, não tinha minima ideia da existencia dele.

  • Ed Araujo

    Com certeza o Corranini lembra de Bubsy in Fractures Furry Tales.

  • Guilherme Gondin

    Uma lista que eu adoraria é de jogos desconhecidos (ou esquecidos) de pc dos anos 1990.

  • Armoderic

    Muito interessante, realmente nunca havia ouvido falar em uma continuação do Wasteland.

  • Samuel Madeira

    Ghoul Patrol eu lembro de ter jogado na epoca do SNES, apesar do primeiro ser um pouco mais carismático e engraçaralho (até onde lembro), esse também é ótimo.

    E o 3rd Birthday tem uma proposta e jogabilidade bem original, embora seja bem diferente dos 2 primeiros PE. Recomendado se possível jogar no PSVita por causa do segundo analógico que dá um bom ganho na ação.

  • Lucas Aliança

    legend of legaia então, o dois não deve ter vendido 10 copias… ahahahaadorava o primeiro, que rpg fantastico

  • Esse do Parasite Eve eu não conhecia mesmo! Talvez coubesse um remake HD, já que tá na moda 😀

  • leoleonardo85

    Bom lembrar que “The 3rd Birthday” não se chama Parasite Eve 3 porque a SquareEnix perdeu a IP antes de lançar este jogo.

  • Gustavo Sanjuán

    Como assim Earthworm Jim 3 é da Rockstar?