Há diversas razões para que os jogos de plataforma, da maneira como os conhecíamos entre as décadas de 1990 e 2000, tenham desaparecido quase que completamente. Uma delas é o simples fato de que a linguagem dos videogames amadureceu juntamente com seu público, e jogos mais maduros pediam por mecânicas e estilos mais compatíveis com essa mudança. Outra razão foi que as mecânicas que compunham o gênero foram amplamente diluídas nos videogames: jogos como Uncharted, Tomb Raider e Assassin’s Creed, de certa forma, fazem parte da mesma linhagem de jogos que um dia foi ditada por Super Mario Bros.

No entanto o que estamos presenciando em pleno 2017 é um retorno ao gênero “puro”, aquele platformer de raíz com coleção compulsiva de moedas, comidas e notas musicais e mundos recheados de personagens que parecem ter saído dos desenhos animados das manhãs de sábado e que falam grunhindo.

Não é uma mera coincidência que estamos testemunhando uma espécie de renascença dos jogos de plataforma em 3D: um espírito nostálgico acompanhou a consolidação do Kickstarter como uma plataforma viável de financiamento de jogos, e muitas das campanhas que viriam a ser bem sucedidas neste período resgatavam mecânicas e estilos que haviam ficado no passado. E agora, muitos dos projetos que prometiam um retorno ao gênero de plataforma 3D estão finalmente chegando — alguns com grandes atrasos.

O próprio Yooka-Laylee, que lidera essa grande leva de platformers, foi financiado coletivamente por mais de 80 mil pessoas, arrecadando mais de £2 milhões no Kickstarter. Embora essa cena seja amplamente baseada em nostalgia, há coisas aqui que podem muito bem ser aproveitadas por qualquer pessoa, tenha ela vivido a era de ouro dos platformers ou não.

Fizemos uma seleção de jogos de plataforma 3D lançados recentemente ou vindouros que seguem a linha de Yooka-Laylee e merecem sua atenção:

Já lançados

Poi

Disponível para PC, Linux e Mac (Steam)

Poi é provavelmente o mais próximo que você pode chegar dos jogos em 3D de Super Mario fora de consoles da Nintendo. Desenvolvido por uma dupla de amigos (o que é impressionante, dado o grau de polimento do título), Poi segue a mesma estrutura de Super Mario 64 (ou Super Mario Galaxy, se você preferir), espalhando suas mecânicas e desafios em diversos cenários diferentes, nos quais você deve coletar moedas e medalhões. Se você prefere o senso agradável de exploração e descoberta à dificuldade elevada em jogos de plataforma, Poi é para você.

Snake Pass

Disponível para PC (Steam), PS4, Xbox One e Switch

Ok, talvez Snake Pass não seja exatamente um jogo de plataforma tradicional, dado que um dos elementos mais básicos do gênero, o pulo, não se faz presente aqui. Mas embora ele apresente uma nova forma de se locomover pelo cenário, todo o resto grita Rare e anos 90. Sua mecânica baseada em física nos coloca para escalar e atravessar estruturas usando apenas o peso e forma do nosso corpo reptiliano, o que lhe confere um toque de puzzle. No entanto, a vibe transmitida é a de um platformer colorido, não apenas pelo visual fofo e toneladas de colecionáveis, mas também pela trilha composta por David Wise, de Donkey Kong Country.

Unbox

Disponível para PC (Steam) e em algum momento de 2017 para PS4, Xbox One e Switch

Apesar dos elogios, Unbox passou batido quando chegou ao PC em setembro do ano passado. Com a nova versão para consoles vindo aí, talvez ele ganhe o destaque que realmente merece. A ideia de um mundo habitado por caixas de entrega parece boba, mas há algo genuinamente bom aqui. Seu personagem é uma sucessão de caixas, uma dentro da outra, como uma matrioska. Dar pulos contínuos no ar faz com que a caixa externa seja deixada para trás, o que significa uma propulsão adicional ao custo de um ponto de vida. Além dessa mecânica criativa, o Unbox tira sarro de diversos jogos de ação em mundos recheados de coisas para fazer e descobrir.

Grow Up

Disponível para PC (Steam), Xbox One e PS4

Nascido como um pequeno experimento, Grow Home pegou todos de surpresa, com sua jogabilidade deliciosa de escalada e exploração vertical. Sua continuação, Grow Up, expande o conceito com novas habilidades e um mundo esférico gigantesco, repleto de continentes e ilhas flutuantes a serem exploradas. Poucos jogos de plataforma passam uma sensação tão agradável de liberdade como Grow Up, em que é preciso ir cada vez mais alto, até alcançar a última peça perdida de sua nave, localizada acima da atmosfera do planeta. Apesar de explorar mais o espaço aéreo que o original, Grow Up tem muitos desafios com saltos e coleção de itens, o que envolve explorar cenários à pé.

Ratchet & Clank

Disponível para PS4

Ratchet & Clank foi o melhor jogo de plataforma 3D do ano passado, sem nenhuma sombra de dúvida. Ainda que ele tenha uma pagada de ação bem intensa, com suas armas malucas e hilárias, ele traz uma variedade enorme de desafios de plataforma, que inclui o uso de jetpacks, deslizamento sobre trilhos, exploração de cenários abertos, sem uma ordem definida e até trechos de corrida. A versão brasileira traz ainda uma excelente dublagem em português, o que torna ele ainda mais especial.

Em breve

Yooka-Laylee

11 de abril para PC, Linux, Mac (Steam), PS4, Xbox One. Versão de Switch chega em algum momento de 2017

Criado por ex-membros da Rare, Yooka-Laylee resgata o estilo do lendário estúdio inglês que fez jogos como Banjo-Kazooie e Donkey Kong Country. No controle da dupla, é preciso ir em busca de páginas douradas espalhadas por mundos que existem dentro de livros mágicos, as quais servem de moeda para expandir os cenários já abertos ou abrir novos mundos. O humor e referências à era Nintendo 64 estão garantidos: dentre seus personagens há um dinossauro de baixa poligonagem chamado Rextro Sixtyfourus, uma trupe de fantasmas conhecidos como Ghost Writers, e Dr. Quack, um pato que vive dentro de uma máquina de chiclete móvel.

A Hat in Time

Em algum momento de 2017, para PC e Mac (Steam).

A Hat in Time foi prometido originalmente para 2014, um ano após sua bem sucedida campanha de financiamento coletivo. Quase quatro anos depois, ainda não temos uma data concreta de lançamento (que deve acontecer ainda em 2017), mas basta olhar para seus últimos trailers para notar o quão benéfico todo esse tempo foi para seu desenvolvimento. A Hat in Time transborda charme e variedade. Cada um de seus cinco mundos gigantescos é recheado de personagens, quests, mecânicas próprias e desafios para você vencer usando as habilidades coletadas ao longo da aventura. Há até um modo cooperativo com tela dividida, o que o torna instantaneamente promissor se você busca por jogos para jogar com seu crush.

Skylar & Plux: Adventure on Clover Island

19 de maio para PC (Steam), Xbox One e PS4

A inspiração de Skylar & Plux em Ratchet & Clank é mais do que óbvia, mas o título do pequeno estúdio independente sueco Right Nice parece ter suas próprias qualidades. Menos focado em combates, Skylar & Plux traz, além das mecânicas tradicionais de plataforma e exploração de cenários gigantes, desafios envolvendo gadgets: um capaz de diminuir a passagem do tempo, um que permite a manipulação de objetos metálicos à distância e um jetpack. Ok, não são as coisas mais originais do mundo, mas o título tem seu charme.

Super Mario Odyssey

Final de 2017 para Switch

O rei dos jogos de plataforma não podia deixar de ter seu espaço em meio a essa grande celebração dos jogos de plataforma. Super Mario Odyssey se passa, pela primeira vez, fora do Reino dos Cogumelos, colocando nosso bigodudo favorito em lugares inspirados no mundo real, como New Donk City, claramente baseada em Nova Iorque. Isso quer dizer que Mario interage agora com seres humanos “normais”, o que fez algumas pessoas torceram o nariz durante seu anúncio. A aventura vai além de uma aventura na cidade grande: Mario também visita uma vila localizada em um deserto, inspirada no Dia dos Mortos da cultura mexicana, um pântano, uma plantação de cristais gigantes em forma de legumes, dentre outros lugares bem diferentes dos que ele costuma ir em seus jogos. Agora seu chapéu tem vida própria e pode ser lançado como um bumerangue. Ele se mantém girando no ar durante algum tempo antes de retornar a Mario, o que o permite usar como uma plataforma flutuante e atingir lugares distantes.

Sonic Forces

Final de 2017 para PC, PS4, Xbox One e Switch

Minhas fichas para Sonic em 2017 estão em Sonic Mania, mas como a lista considera apenas jogos em 3D dentro do gênero, Sonic Forces vem bem a calhar. O único trailer mostrado até agora, contudo, não revela nada de novo, apesar de toda a pirotecnia: o ouriço correndo, saltando e realizando ataques teleguiados em um corredor longo e linear, enquanto uma cidade é destruída. Mas considerando o que foi dito pela Sega, podemos esperar um tratamento similar a Sonic Colors e Sonic Generations, o que é um bom sinal, dado que estes foram os melhores jogos da franquia nos últimos anos.

Voodoo Vince Remastered

18 de abril para PC e Xbox One

Parte da última grande leva de jogos de plataforma, Voodoo Vince chegou com exclusividade ao Xbox em 2003. Seu diferencial era o protagonista, um boneco voodoo que precisava infligir dano a si próprio para derrotar certos tipos de inimigos, especialmente chefes. Na maior parte do tempo, porém, ele era o bom e velho pula-bate-coleciona. A versão remasterizada mantém, o jogo praticamente intacto, deixando as melhorias apenas para o visual.

Crash Bandicoot N. Sane Trilogy

30 de junho para PS4

Um dos primeiros grandes sucessos do PlayStation, Crash Bandicoot está retornando em uma versão remasterizada (mas com cara de remake) dos três primeiros jogos. Apesar de reaproveitar a geometria e o level design dos jogos originais, toda a arte foi refeita — modelos em 3D, texturas, animações, tudo novo. Diferentemente de jogos como Banjo & Kazooie, Crash representou uma transição mais literal ao 3D, partindo dos jogos de plataforma 2D. Com fases que eram normalmente grandes corredores lineares, ele dava menos liberdade aos jogadores, em uma experiência menos direcionada à exploração e mais aos desafios clássicos de plataforma.

Trilogia Jak & Daxter

Em algum momento de 2017, para PS4

A trilogia Jak & Daxter, lançada ao longo da era PlayStation 2, foi um dos últimos suspiros do gênero, ainda que já dispensasse muito da fórmula tradicional dos platformers em sua tentativa de apresentar uma linguagem mais cinematográfica. Apesar de seu bom humor e seu estilo cartoon, seu universo de ficção científica muitas vezes carrega tons sombrios e um grande foco em narrativa. Em termos de jogabilidade, Jak & Daxter incorpora muitos elementos de tiro e corrida, além de um mundo aberto no terceiro episódio que, de certa forma, faz com que ele seja mais parecido com Grand Theft Auto do que com Super Mario.

2018 e além

Psychonauts 2

Em algum momento de 2018, para PC, Mac, Linux, PS4 e Xbox One

Embora seja um dos jogos de plataforma mais brilhantes já feitos, Psychonauts chegou em um momento em que o gênero havia perdido espaço para RPGs e shooters, o que resultou em vendas fracas em seu lançamento original. A aclamação, contudo, rendeu ao jogo de estreia da Double Fine o status de clássico cult, o que garantiu o sucesso da campanha de financiamento para a continuação em 2016. No controle do garotinho Razputin, o jogador novamente usa poderes psíquicos para explorar mundos mentais que representam a personalidade de diferentes personagens. Apesar de o jogo ainda ter um longo caminho até ter seu desenvolvimento concluído, podemos ter certeza que ele está em boas mãos, com boa parte da equipe composta por desenvolvedores do título original.

Clive ‘N’ Wrench

Ainda sem previsão de lançamento, para PC

Uma campanha de financiamento coletivo mau sucedida não desanimou o criador de Clive ‘N’ Wrench, que trabalha sozinho no desenvolvimento do jogo desde 2011. Ainda sem previsão de lançamento, seu jogo parece ter mais em comum com platformers de baixo orçamento para PlayStation e Nintendo 64 do que com títulos mais apreciados — veja bem, eu adorava os jogos do Pernalonga e os games dos filmes da Pixar, por mais genéricos que fossem. Embora originalidade não seja seu forte, Clive ‘N’ Wrench parece seguir a risca as regras do gênero, com animações soltas, habilidades de salto variadas e controles precisos.

Happy Hell

Ainda sem previsão de lançamento, para PC

Happy Hell é outro projeto tocado por um único designer, e um dos mais criativos da lista. No controle de um gatinho de nariz estranhamente fálico, exploramos o inferno representado em desenhos animados de meados do século XX. Após fazer um pacto com o Diabo, o gato Spooky Doo precisa sobreviver às nove camadas do inferno, superando seus obstáculos e quebra-cabeças na ordem que desejar e como desejar — ao menos, liberdade e progressão não-linear são algumas das promessas do criador.

  • Eu sei que as pessoas odeiam Recore, mas eu achei muito raiz aquele jogo. Várias falhas de design e usabilidade sim, mas confesso que me diverti bem mais com Recore do que com Ratchet and Clank. Pronto falei! Mim julguem!

    • riquesampaio

      É, apesar das falhas, acho que ele mereceria espaço nessa lista tb.

  • Marcio Aquino

    Boa época do N64, adorava esse tipo de jogos e ainda gosto. Tanto que comprei os Ratchet and Clank de PS3 para o meu filho de seis anos, mas quem está jogando sou eu. Que bom que voltaram esses. Com certeza comprarei alguns desses jogos quanto comprar meu PS4. Inclusive o Ratchet and Clank de PS4 já comprei.

  • Caio_RB

    Belo texto, concordo que o gênero tenha diminuído bastante no mercado no geral com exceção de um lugar: consoles e portáteis da Nintendo que é onde o gênero mais se prolifera e onde tem bastante demanda por jogos do tipo com Mario 3D, 2D, Kirby, Donkey Kong, Rayman, Yoshi, etc. Uma pena, no entanto, que na Sony isso só continuou por um tempo com Ratchet and Clank, Jak and Daxter, Rayman tb e foi só diminuindo até algum tempo atrás. É bom ver que platformers estão voltando em outras plataformas fora da Nintendo, quanto mais jogos de plataforma no mercado é melhor.