League of Legends é um dos títulos mais jogados do mundo, eu mesmo já passei mais horas nele do que eu deveria, mas ele possui um inimigo que tem quase o mesmo poder de sua capacidade de “viciar” pessoas: as pessoas. O chamado “comportamento tóxico” é quando um jogador desobedece as regras do LoL ou é simplesmente uma má pessoa, xingando outros competidores, abusando verbalmente, sendo homofóbico, xenófobo, racista e, bem, tendo todo o tipo de comportamento terrível que muitos conhecem apenas por acessar a internet.

A Riot Games, desenvolvedora do jogo, já aplicou muitas políticas na tentativa de diminuir o comportamento, que acaba por destruir a experiência e afastar muitos do jogo, mas a última iniciativa é uma das mais drásticas, e possivelmente uma das mais interessantes: a última atualização do jogo lançada nos servidores da América da Norte e Europa nesta quarta-feira (23), proibirá jogadores classificados como tóxicos (através de votos feitos por outros jogadores) de entrar em partidas ranqueadas.

“Nós testamos essa nova política primeiro no PBE (servidor beta no qual a Riot testa novidades do LoL antes de colocar nos servidores mundiais) e ela mostrou trazer resultados positivos. Vamos aplicá-la agora nos servidores Norte Americanos e Europeus, dependendo dos resultados que tivermos neles, expandiremos para os servidores mundiais”, afirmou Riot Socrates, designer de sistemas de LoL.

“Uma coisa que precisamos deixar claro é que os jogadores que forem considerados ´Restringidos nas Ranqueadas´ terão apenas o chat restrito em outros modos de jogo, e eles podem e devem ser reportados se continuarem a mostrar comportamentos negativos”, afirmou o representante da Riot.

Leia mais sobre o jogo:

– Riot irá “resetar” história de League of Legends
– Documentário sobre o Campeonato Mundial 2014 de League of Legends

Vale lembrar que essa política tenta diminuir e “reeducar” jogadores, não apenas restringir o seu jogo. Ou seja, o player restrito precisa cumprir um certo número de partidas normais e depois delas ele estará apto a voltar para as filas ranqueadas.

Outro ponto importante: mesmo que o jogador não ligue para as partidas ranqueadas, os que estiverem muito negativados também não receberão premiações gratuitas que a Riot distribui no final de cada temporada de League of Legends.

Se por um lado os jogadores mais competitivos, os que vivem nas partidas ranqueadas, comemoram por conseguir (pelo menos em teoria) um terreno mais “limpo”, o player computo2000 levantou uma questão importante sobre a nova medida: “Vocês sabem que alguns jogadores querem apenas entrar em partidas normais para relaxar. (Com essa nova atualização) A longo termo, transformar as partidas normais em uma ilha prisional para pessoas ofensivas não vai melhorar a comunidade, eu acho.”

  • Flávio Augusto Priori

    Já era hora de fazerem alguma coisa nesse sentido. Por mais que as campanhas de educação, como aquele vídeo de trabalho em equipe, sejam legais, só educar não resolve. É preciso punir e mostrar o poder da lei.

    Mas o ponto levantado pelo jogador no final do texto é válido. Uma alternativa seria o sistema colocar os tóxicos para jogar entre si na hora de formar as partidas. Já li algum outro jogo que fazia um sistema parecido.

    Enfim, vamos ver como isso se desenrola na prática.

    • Filipe Ritto

      Sim, acho válido um “Módo Prisão”.

    • caio_o_teixeira

      Então, eu entendo o pensamento do jogador, mas, ao mesmo tempo, a ideia não é “resocializar” o cara? Como você faz isso quando coloca ele preso só com os maluco igual?

      É tipo ficar puto com preso detido por um furto de comida saindo do presídio formado em tráfico…

      • Flávio Augusto Priori

        Sim, claro. Deixar o sujeito pra sempre mofando no inferno não é legal de forma alguma.

        O que eu pensei seria algo parecido com o MMR atual, mas pra comportamento, que fosse calculado de acordo com a quantidade, frequência e tipo de report que a pessoa recebe. Assim, se o sujeito ficasse um tempo sem dar problemas, ele iria naturalmente saindo dessa “zona de guerra”. Se ele fosse honrado em partidas, isso também o ajudaria a melhorar sua reputação.

        Enfim. não sei se isso seria tecnicamente viável, já que seria um algoritmo a mais para criar as partidas, mas me parece algo mais ou menos equilibrado.

        • Gustavo Sant’Anna

          O problema é que esse negocio de “Honrar” nao vingou muito, raras partidas alguem usa isso. Eu, por exemplo, honro alguem ou dou positivo no meu time mesmo que tenha sido um jogo bom, eu apenas esqueco dessa funcao.

      • Felipe Coutinho

        Até entendo isso na vida real…. Mas estamos falando de um jogo. Se
        deixarmos fulaninho 1 semana segregado, ele não vai arranjar um jeito de tirar
        proveito sobre isso, talvez diferente do que acontece em uma cadeia de verdade.
        Claro o cara pode ficar ali pra sempre, pq a diversão pra ele e jogar e zoar
        com os outros…. Ou quando sair, vai freiar um pouco pra evitar ficar 1 semana
        sem ranked.

  • Gustavo Sant’Anna

    Acho que a iniciativa pode funcionar.

    Outra ideia seris que e os jogadores com votos positivos poderiam começar a ser recompensados com isso. Logo, os jogadores que tem alto índice de reports não teriam direito.

    Acredito que isso seria justo.

  • Pingback: Summoner's Rift, de League of Legends, receberá atualização gradual nos próximos meses()

  • Pingback: Riot está construindo rede dedicada para jogadores de LoL()