Procurador dos EUA quer que você troque jogos violentos por sorvete

Ben & JerryO procurador do distrito de Marin, na California, Edward Berberian, acredita que jogos violentos e armas de brinquedo são igualmente prejudiciais às crianças e contribuem para a violência doméstica. Por isso, ele estabeleceu que durante o mês de outubro, famílias que levarem jogos e réplicas de armas a certos locais no destrito poderão trocá-los por sorvete da marca Ben & Jerry’s. O programa faz parte do Mês da Conscientização da Violência Doméstica.

Apesar da ação ter como objetivo contribuir com redução da violência no país, ela parece condizente aos argumentos conservadores da National Rifle Association (NRA), organização que defende os interesses dos produtores de armas e a segunda emenda da Constituição dos EUA, que prevê o direito ao uso de armas de fogo.

Em 2013, a NRA culpou os videogames pela violência doméstica e os recorrentes casos de massacre em escolas do país, pressionando o presidente Barack Obama a aprovar uma pesquisa, ainda a ser divulgada, sobre o impacto dos videogames violentos no comportamento dos jogadores. Ironicamente, o acesso à armas reais nos EUA continua sendo relativamente baixo, dando origens a histórias trágicas como a da garota de 9 anos que matou o instrutor de tiro com uma Uzi, por acidente, em agosto.

Além disso, a ação do procurador pressupõe que jogos violentos são automaticamente consumidos por crianças, ignorando a existência do rigoroso sistema de classificação etária e do fato de que cabe aos pais controlar o acesso dos filhos a jogos (ou filmes, livros, programas de TV…) com qualquer tipo de conteúdo inadequado à crianças.