Embora o Gamergate não tenha atraído a atenção da mídia tradicional no Brasil, nos EUA ele tem sido abordado pelos principais veículos de comunicação, incluindo The New York Times e BBC. Na noite desta quarta-feira (29), o assunto foi um dos temas do The Cobert Report, talk show do Comedy Central apresentado pelo ator e humorista Stephen Colbert, que satiriza programas políticos e meios de comunicação conservadores – em especial a Fox News.

colbert-anita

Stephen Cobert e Anita Sarkeesian

Além de fazer comentários bem humorados sobre o atual meio de videogames, Colbert também entrevistou Anita Sarkeesian, a crítica cultural e feminista por trás da série Tropes vs Woman in Videogames, que analisa o tratamento dado à personagens femininas nos videogames e levanta discussões sobre a desigualdade de gênero na indústria.

Sempre fazendo o papel do radical conservador e usando de exageros e falácias lógicas para compor seu personagem, Cobert começa a entrevista perguntando:

“Vamos esclarecer uma coisa: você e outras feminazis no mundo dos games estão vindo atrás de nossas bolas para arrancá-las, colocá-las em uma pequena bolsinha de feltro e tirá-las de nós para que possamos jogar seus joguinhos não violentos, correto?”. “Não, não é verdade”, responde Anita.

“Mas vocês atacaram os gamers por gostarem de olhar para personagens femininas com peitos enormes e armaduras minúsculas que mal cobrem seus mamilos”, retruca, ironicamente. “Bem”, responde Anita, “um dos problemas é que isso reforça esse mito cultural de que mulheres são objetos e brinquedos sexuais para a diversão masculina. E não somos isso.”

Veja também:
– Como o discurso de Emma Watson na ONU nos ajuda a entender o Gamergate
– Após novas ameaças, manifestação contra Gamergate se espalha pelo Twitter
– GDC recebeu ameaça de bomba por homenagear Anita Sarkeesian
– Gamecraft: O Elefante Branco na Sala de Jogos
O que Bayonetta 2 nos diz sobre representação de gênero nos videogames

Após perguntas debochadas sobre videogames e ética no jornalismo de games, Colbert termina a entrevista questionando: “Enquanto homem, eu tenho permissão para ser feminista?”

“Você acredita que mulheres deveriam ter direitos iguais aos homens e que possamos lutar por esses direitos?”

“Claro.”

“Legal, então você é um feminista.”

Assista o segmento completo (em inglês):