A hostilização nas redes sociais, de meras ofensas à ameaças de morte, tem sido uma das maiores procupações da comunidade de games nos últimos meses, atingindo em especial algumas mulheres. Em um momento delicado como este, proferir ameaças de morte à Gabe Newell, co-fundador da Valve, mesmo que “por brincadeira”, não é uma boa ideia se você possui um jogo em sua plataforma Steam. Na verdade, é uma péssima ideia em qualquer contexto.

Veja também:
GDC recebeu ameaça de bomba por homenagear Anita Sarkeesian

O desenvolvedor do jogo de tiro roguelike Paranautical Activity (que é até ok, financiado via Kickstarter no ano passado), Mike Maulbeck, descobriu isso da pior maneira possível. Embora seu jogo tenha chegado à versão final nesta segunda-feira (21), após mais um ano em desenvolvimento, o Steam ainda informava que ele estava em acesso antecipado (early access), o que, para Maulbeck, resultaria em confusão aos consumidores e acabaria prejudicando suas vendas.

Ao notar o problema, exaltado, ele proferiu uma série de provocações ao Steam via Twitter, que incluia tuítes no qual prometia matar Gabe Newell. Em entrevista ao Polygon, Maulbeck diz que “obviamente eu não queria ter dito aquilo, mas de qualquer forma foi inaceitável e resultado do calor da frustração que estava sentindo no momento.” Maulbeck também acusou a Valve de monopólio.

Após o acesso de raiva, o Steam removeu o jogo Paranautical Activity de sua loja. No dia de seu lançamento oficial. Ouch.

Segundo Doug Lombardi, representante da Valve, também em resposta ao Polygon, a companhia removeu o jogo de sua loja e cessou relações com o desenvolvedor devido a ameaça de morte.

Por mais que o jogo ainda esteja disponível na plataforma aos antigos compradores da versão em early access, Maulbeck afirma ter vendido apenas 12 cópias em plataformas não-Steam (incluindo Desura e Humble Store, que ironicamente são ativadas no Steam), nesta segunda-feira. Talvez a acusação de monopólio não seja, afinal, tão exagerada?

Após o incidente, Maulbeck afirmou que deixaria de trabalhar com videogames, uma vez que “não há como viver nesta indústria sem o Steam”, e dizendo que “foi uma porcaria enquanto durou”.

  • E a Valve como monopólio decide o que é ou não um sucesso no mundo indie.

  • Gustavo Freitas

    Isso ai…morreu pela boca…

    Mesmo tendo sido uma “força de expressão” ou um “momento de raiva”, estamos em um momento delicado demais para nos deixar levar.

    Infelizmente, foi merecido.

  • Gabriel Raposo

    Idade mental: não o bastante

  • André Mancini

    Eu tenho esse jogo, mas nem é muito legal haha me dava dor de cabeça

  • Fabiano

    Oferecer um serviço tão bom que ninguém sente falta de outro é
    monopólio? Se não me falha a memória a Valve nunca tomou algum tipo de
    medida danosa a concorrentes, igual a nintendo fazia nos anos 80. E
    vários indies já eram um sucesso antes de sair no steam. O negócio é ter um problema com a valve e ir xingar muito no twitter, igual uma criança.

  • Gustavo Araujo

    Acho justo a expulsão a expulsão do cara apesar de não conhecer seu trabalho, havia outros meios dele resolver isso não precisando chegar a esse ponto.

    Até por que o suporte da valve e um dos únicos que sempre me ajudou quando tinha problemas, não vejo nenhum motivo do tratamento aos desenvolvedores ser diferente.

  • Marcelo Hagemann

    A grande verdade é que a Valve só monopolizou o mercado de jogos digitas para computador por um motivo: A clientela.

    A Valve é monopólio só porque os compradores de jogo digitais só querem comprar nela. Lance um serviço que ofereça jogos que não estão na Steam e que funcione tão bem quando a Steam e você verá o que acontece. Além de ter jogos bons, você precisa que as pessoas saibam que você existe e, nesse ponto, acho muito difícil bater a Steam.

    E outra coisa, a Steam só está no ponto que está pois ela foi a primeira e oferece um serviço que satisfaz o cliente. Mas não podemos esquecer que ela ainda é uma loja, uma empresa, ela vende o jogo que ela puder quiser vender, e até certo ponto não há nada de errado com isso. Seria a mesma coisa se eu escreve um livro sobre o porque de não comprar livros em determinada livraria e ainda quisesse vender o meu livro através dessa mesma livraria.

    • Eduardo Samoggin

      Eu já tentei usar a Nuuvem por exemplo. mas só pra comprar BF3, que era ativável na EA.

      Tentei até baixar por lá o jogo, mas sem chance, o download estava vindo há 20kbps.

  • Willian Tetsuo Shiratori

    >Embora seu jogo tenha chegado à versão final nesta segunda-feira

    O que foi um erro. O jogo estava longe de estar pronto, geral da comunidade pedindo patches por causa de bugs, além de ter tirado o multiplayer do jogo.

  • OfudouMyou

    poxa,não diz que vai matar, só manda tomar no cu ou pra puta que pariu 😉

  • Phellipe Brasiliano

    Acho interessante a discussão sobre monopólio. No caso apresentado concordo com a postura da valve, mas será que isso não mostra também, que o steam se tornou uma loja tão poderosa que a simples aprovação ou não da venda de um jogo por seus funcionarios pode resultar em fracasso financeiro de indivíduos? Até que ponto o steam pode se dar ao luxo de escolher o que promover com base em fatores pessoais? e por fim, será que a valver não tem uma responsabilidade para com os desenvolvedores independentes, que são claramente hipossuficientes nesta relação?

  • Profissionalismo pra que, né?
    Não acredito em monopólio da Valve em nenhum nível, pelo menos no diz respeito a plataforma de vendas. Pior está o mundo dos consoles nesse sentido, onde você precisa comprar o console de uma empresa Y para que possa jogar o jogo X. Mas isso é outra polêmica. A verdade é que nenhum outro serviço é de perto comparável ao que o Steam faz pelo seu cliente, seja ele de suporte aos jogos ou em relação a comunidade. Ela também não obriga, até onde eu sei, que os jogos sejam vendidos somente pelo Steam. Se o desenvolvedor acha que está sendo prejudicado, pula fora. IMO

  • Um monopólio não necessariamente precisa ter ações danosas com seus concorrentes, mas simplesmente pelos menores não terem expressividade já é perigosa as ações e decisões que ela pode vir a ter perante uma comunidade. Veja o You Tube, que até o momento é a maior rede social de vídeos do mundo. A produção de conteúdo audiovisual se resume ao que é postado nela, se alguém quer alguma visibilidade ou que seu produto seja consumido terá que ir para o maior “distribuidor” do mercado. Concorrência sempre é bom, monopólio nunca é visto com bons olhos.

    • Fabiano

      Mas o steam dá um visibilidade ótima para os indies, nos destaques eles aparecem sempre do lado dos AAA por exemplo. Já a comparação com o Youtube é meio problemática porque ele é 100% free, como serviço pago o steam precisa ter controle sobre o que é distribuído, ou vai virar a app store – onde todo jogo precisa custar $1 no máximo, e que tem uma quantidade tão grande de jogos ruins que fica muito difícil um desenvolvedor se destacar por lá

      • Visibilidade a steam dá, mas a questão é: Se ela decidir algo sobre um jogo pode definir o fracasso ou sucesso dele. E hoje em dia, onde um título conseguiria outra visibilidade? Sempre torço para outras empresas fazerem sucesso, seja em qualquer mercado, pois a concorrência é sempre algo positivo.

        • Fabiano

          Ainda existem a Live, a PSN, o eShop, app store, google play… Mas realmente, o PC é o melhor lugar (financeiramente) pra um indie publicar o seu jogo, e o Steam é tão grande que é difícil um indie fazer sucesso no PC sem sair por lá. É preciso concorrência, mas praticamente todo mundo tenta copiar o steam ao invés de fazer algo novo. Os únicos serviços fora o Steam que eu uso no PC são o Battle.net (pra jogar Starcraft apenas) e GOG (pra me livrar de configurar DOS-Box). Se aparecer alguma que ofereça algo diferente eu caio dentro (ainda sonho com um programa de assinatura de jogos antigos estilo Netflix), mas Origin, Uplay, Nuuvem e outros só oferecem um serviço idêntico ao steam, só que pior. Sem falar que poucos deles têm algum apoio a indies.

          • Não citei as plataformas fechadas por que não vai ser “qualquer um” que irá conseguir colocar seu conteúdo nelas, acaba que o Indie só entra quando tem um apoio maior. Mas como você mesmo disse a concorrência da Steam é bem fraquinha, mas isto sinceramente só é bom para a própria Valve. Quando temos concorrência vemos que uma empresa tenta ultrapassar a outra de diversas formas. Isto é ilustrado entre PSNxLive, AppleXSamsung, MicrosoftXGoogleXFacebook e tantos outros.

  • jprbessa

    Tá aí. Nunca tinha pensado na Steam como um monopólio. Mas pensando no que o afetadinho falou, faz muito sentido. E se hoje temos jogos que muitos reclamam, como o Goat Simulator, é culpa da Steam.

    • José Mario Silva Junior

      Culpa por??? Por autorizar a venda? Por você achar ruim e comprar? Velho, se o jogo é ruim, nem aprovava no greenlight, se aprovou, é porque tem gente que curte. Eu comprei, minha experiencia? Cumpriu o que prometeu. Um jogo raso, mas com tiradas divertidas. Quanto aos bugs, os próprios desenvolvedores admitiram que deixaram de propósito. Jogar a culpa do lançamento de um jogo desse na Steam é muita presunção, não?

      • jprbessa

        Calma, querido! Acho que você não entendeu minha posição. Quero se exploda qualquer jogo. Falei que apenas que se alguém quiser culpar que vá culpar a Steam pois ela sim é responsável pelo que sai na plataforma dela. Não foi uma critica ferrenha a jogo A, B ou C. Aliás, um Goat Simulator 2 me pareceria mais original que um Assassins Creed novo.
        Agora, como disse, a Steam é responsável sim por qualquer merda que seja disponibilizada lá. Se essa merda é boa ou ruim aí é uma discussão que não dou a mínima. Greenligth serve, na minha humilde opinião, como um acovardamento da Steam como distribuidora. Taca na mão dos usuários e eles decidem o que sai ou não. Bem ou mal é assim que funciona e como eles decidiram trabalhar. Novamente, se isso é bom ou ruim eu não questiono. Ainda mais que não sou usuário de Steam já faz um tempo. Quando tiver uma Steam Machine ou um PC bom eu posso até começar a opinar mais sobre a qualidade em si do serviço. Só abre o olho pra não ficar com idolatria cega a qualquer empresa. Mas se essa idolatria é boa ou ruim… 😉

  • Leandro

    Acho justo.

  • Pingback: Controverso Hatred é aprovado no Greenlight e removido do Steam logo em seguida()

  • Pois é, ameaçou o cara de morte, e ele MATOU o seu jogo!

    Abraços, passar bem!