A Ubisoft parece ter parado de se importar com a história de Assassin’s Creed há um tempo. Digo isso pensando na conclusão pobre do arco de Desmond que vimos em Asssassin’s Creed III, ou toda a metalinguagem que rola em Assassin’s Creed IV: Black Flag e Assassin’s Creed III: Liberation, que não se levam nem um pouco a sério. É possível enxergar isso negativamente, dado que a trama da série já foi legitimamente interessante, com todas as suas teorias conspiratórias, releitura de grandes eventos da humanidade etc. Mas, se assim quisermos, podemos enxergar o que foi ganho quando a franquia desistiu de tentar fazer sentido e resolveu passar a brincar com as possibilidades que foram então abertas.

Exemplo deste último aspecto pode ser visto no mais recente trailer liberado pela Ubisoft para Assassin’s Creed Unity, título que será lançado para Xbox One, PlayStation 4 e PC. Apesar de curto, o vídeo mostra um erro ocorrendo dentro do Animus, uma falha temporal que faz com que o Assassino em questão seja levado à França da Segunda Guerra Mundial.

Os trechos do Século XX são breves, porém podemos ver a Torre Eiffel com o “V” colocado nela após a ocupação nazista, além de aviões que atiram contra o protagonista. Para abatê-los, o Assassino utiliza uma metralhadora montada, algo que nunca tinha aparecido na franquia antes, apesar daqueles lança-chamas de Revelations estarem próximos disso.

Não fica claro pelo vídeo se isso será um componente grande da aventura, ou se será algo menor e contido. É possível até que se trate apenas de uma missão singular, quem sabe um bônus de pré-venda ou DLC. Por enquanto, tudo em torno deste trecho da Segunda Guerra Mundial é uma incógnita.

Leia mais:
Season Pass de Assassin’s Creed Unity traz jogo inteiramente novo ambientado na China
Quanto é o suficiente? Assassin’s Creed Identity aparece na iTunes Store australiana

E ver Assassin’s Creed na frança da Segunda Guerra me fez lembrar de Saboteur. Lembram-se dele? Não era perfeito e foi esquecido um tanto rapidamente, provavelmente por ter competido diretamente com Assassin’s Creed II na época de seu lançamento. Mas Saboteur tinha algumas coisas bem legais.