Encontro de indies na SB Games reflete progresso e diversidade da indústria

A comparação entre a SB Games e a Game Developers Conference é inevitável. Ainda que guardadas as devidas proporçōes, a SB Games, cuja 13a edição acontece entre os dias 12 e 14 de novembro, é o mais próximo que há no Brasil do tradicional e importante evento norte-americano. Desenvolvedores e pesquisadores do País inteiro se reúnem não apenas para apresentar projetos de pesquisas e jogos, mas também para compartilhar experiências e celebrar a cultura e a indústria de games cada vez mais forte existente no Brasil. Essa evolução é evidente: basta olhar para a diversidade de jogos independentes expostos na feira, a qualidade da maioria deles, a própria organização da SB Games e o senso de união que ela promove para perceber que nunca estivemos tão maduros e diversificados. A palestra que uniu os desenvolvedores de Toren, Chroma Squad, Tormenta: O Desafio dos Deuses, Aritana e a Pena de Harpia, Project Tilt e Ballistic, representou o animador panorama da indústria brasileira e os diferentes caminhos trilhados pelos seus integrantes. Jogos de diferentes formatos e gêneros, criados a partir de diferentes modelos de negócio, sob perspectivas distintas, ainda que compartilhando a mesma paixão, mostram que os desenvolvedores brasileiros estão, mais do que nunca, experimentando, arriscando-se e fortalecendo-se. “Desenvolver jogos no Brasil é um privilégio”, provocou Vitor Leão, produtor da Swordtales. “Aqui falta tudo, e isso é legal por que a gente pode moldar a indústria como a gente quiser. (…) Estamos desbravando um território desconhecido e o papel de cada um é muito importante nisso.” Vitor explica que a busca por uma publisher para Toren acabou beneficiando toda a indústria. Até fechar um acordo com a Evil Partners, que também distribui The Banner Saga, eles tiveram que trabalhar com a Associação de Desenvolvedores de Jogos do Rio Grande do Sul para obter recursos para, em parceria com a Brazilian Game Developers, trazer mais publishers ao Big Festival – daí a parceria com a Evil Partners. Isso não apenas possibilitou o contrato da Swordtales com a publisher como gerou oportunidades a outros desenvolvedores – bem como a extinta Critical Studio, de Dungeonland, abriu caminho para a Behold Studios lançar Knights of Pen & Paper no Steam, através da Paradox, há alguns anos. O senso de união, simbolicamente representado pelo adesivo com a mensagem “#devsbrjuntos”, distribuído pela Aquiris e orgulhosamente fixado pelo público em seu próprio peito, ficou ainda mais evidente quando a companhia, uma das maiores do Brasil, abriu seu escritório para uma edição especial do Inculto, o principal encontro de devs de Porto Alegre. Acompanhados de lanchinhos e em um clima intimista, dezenas de participantes da SB Games se amontoaram no pequeno porém acolhedor espaço para poder ouvir Saulo Camarotti, Marcos Venturelli, Alessandro Martinello e outros desenvolvedores compartilharem suas experiências, dos maiores perrengues ao sucesso internacional. Os abraços e sorrisos só reforçavam o clima de amizade, perseverança e a experiência humana, calorosa e inspiradora que estava sendo aquele momento, para todos que estavam presentes.

Leia mais sobre a indústria brasileira: BGS 2014: Ainda que careça de polimento, Toren instiga com misticismo Criadores de Chroma Squad apostam em jogo de tabuleiro baseado em MOBAs Mais de 90% das cópias de Aritana foram pirateadas, diz criador do jogo

É com essa essa empatia e participação coletiva que se encontra a atual comunidade de desenvolvedores brasileiros. O sucesso de um é transformado em conhecimento e mentoria para o outro, e assim, todos se beneficiam. Temos atualmente exemplos de sucesso de inúmeros modelos de negócios, através de encubadoras, financiamento coletivo, aceleradoras, publishers, concursos, editais ou pelo caminho completamente independente, e isso reflete o quão longe já caminhamos, apesar de todas as adversidades. *Henrique Sampaio viajou para Porto Alegre a convite da Associação de Desenvolvedores de Jogos do Rio Grande do Sul (ADJOGOSRS)

  • Domingos Junior

    Feliz pela industria de jogos nacional está crescendo. Continuem firmes e fortes o/

  • Fabiano

    Existe algum evento do tipo aberto para o público no Brasil?

    • Matheus De Mello Freire

      O Inculto é aberto a todos interessados, mas só ocorre em Porto Alegre e Novo Hamburgo, no RS. Outros estados possuem seus eventos regionais, mas não sei muito para te informar melhor. Sei que SP ocorre o SPIN e em Brasília tem o BRING.

  • Pingback: Prestigiada pela revista Develop, Karen "bitmOO" anuncia saída da Bossa e carreira indie - Overloadr()