A Blizzard anunciou nesta sexta-feira (07), durante a BlizzCon 2014, o jogo Overwatch. Tive a oportunidade de jogar algumas partidas do título, que é como se a Blizzard, Pixar e Valve tivessem feito um “menage à trois” gostoso.

O FPS segue bastante a fórmula de Team Fortress 2: várias classes diferentes competindo em times por objetivos em comum. Dois modos já foram revelados: conquista de pontos, no qual um time atacante precisa dominar lugares específicos do mapa enquanto a outra equipe defende. O outro é como se fosse os mapas de “payload” de TF2, onde um time precisa empurrar uma carga por todo um mapa enquanto os adversários tentam impedir o avanço.

Com um visual que lembra muito Os Incríveis, Overwatch entrega partidas rápidas e cheias de reviravoltas. Cada classe possui habilidades específicas, além de especiais liberados com tempo ou dano causado.

Joguei com dois personagens: Bastion, um robô que possui duas formas, a bípede, que te permite andar pelo cenário e atirar, e a forma de “metralhadora montada”, no qual ele fica parado e ganha um escudo e maior poder de fogo. Além das formas, Bastion também possui “auto-cura” e ainda a habilidade especial de enviar uma mina terrestre que explode quando um inimigo passa perto.

Bastion é perfeito para defesa, já que na forma de metralhadora, além do dano maciço e rápido, o escudo que ganha nesta forma o transforma basicamente nas torres de defesa da Praia de Omaha durante a Segunda Guerra Mundial.

O outro personagem que tive a oportunidade de testar foi Symmetra, personagem focada em suporte, capaz de conceder escudos aos aliados, montar torres automáticas de ataque/defesa, e o poder especial de criar portais que teleportam aliados por todo o cenário. O interessante da personagem é que ela é capaz de defender áreas mesmo quando está longe com suas torres. Durante as batalhas, seu escudo faz total diferença ao dar mais tempo de ação aos seus aliados.

OverwatchOverwatch, jogo da BlizzardOverwatchOverwatch

A semelhança que Overwatch tem com Team Fortress 2 também é o seu poder: parece que a Blizzard estudou a fundo todas coisas boas do jogo da Valve e aplicou uma camada a mais de complexidade aos seus personagens, entregando um jogo extremamente fácil de aprender, mas que necessita de horas para o jogador dominá-lo. O que só acompanha a estratégia da empresa nos últimos tempos, representada por Heroes of The Storm e HearthStone.

O que fica é que a Blizzard parece ter se tornado uma empresa “sábia”, preferindo melhorar coisas que já existem, pegando modelos já comprovadamente bem-sucedidos, e extraindo o melhor deles ao invés de arriscar tiros no escuro. Por um lado pode parecer preguiça, mas quando analisamos o ciclo de criação de cada jogo, quantos anos sem dar uma dica qualquer sobre seus projetos e criando experiências que perduram anos, a empresa parece estar vivendo a sua melhor época.

Veja também:
– Assista-nos jogar o multiplayer de Call of Duty: Advanced Warfare
– Beta fechado de Heroes of the Storm começará dia 13 de janeiro

  • Odilon Junior

    O Hype já é maior que tudo.

  • Gustavo Araujo

    Caralho a 2 semanas comecei a jogar o Heartstone, fiquei maluco para testar o Heroes of the Storm comecei a jogar Starcraft, parece que descobri um novo mundo com a blizzard no mundo dos joguinhos e a Blizzcon esse ano so veio para reforçar isso.

    • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

      Faz uma semana que eu começei a jogar wow e estou sem vida

      • Fabiano

        De tudo que Blizzard já fez, WoW foi o único que nunca me pegou, eu gosto tanto de Runescape que fiquei contaminado e não gostei de mais nada

  • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

    ALL BOARD TO THE HYPE TRAIN!!!! CHOO CHOO MOTHER FUCKER!

    • Matheus Rodrigues

      o/

    • Felipe Brito

      Mais um passageiro a bordo.

  • Matheus Rodrigues

    The Hype! Hype over 9k!!!

  • Rafael Rigon Maier

    Impressionante, faz quase 2 décadas que a blizzard não faz nada que me interessa.
    E o pior é que eu queria gostar dos jogos dela.

  • Power Otaku-Kun

    Tem cheiro de que isso vai sair pra console no futuro. Acho que seria uma boa até.

    • Alex Amaro

      Espero que saia para console o/

    • Felipe Brito

      Bem observado, o histórico da Blizzard indica isso. Aconteceu com Hearthstone, lançado apenas para PC, e após alguns semestres de experiências e planejamentos ocorreu o lançamento para outras plataformas (iOS e agora Android), e com o Diablo 3 o mesmo.

  • Pingback: Overwatch é o novo simulador de TF2 da Blizzard - PLAYER TWO()

  • Bruno Grandis

    O Jogo parece bem legal, o texto tá bem maneiro…

    Mas cacete, é uma chuva de nome genérico essa Blizzard: Hearthstone, Heroes of the Storm, Overwatch.

  • Power Otaku-Kun

    Então, vcs lembram do joguinho da Gearbox? https://www.youtube.com/watch?v=N-Hx2oajXao

    Queria muito ver a cara deles agora com o anuncio do Overwatch XP

  • Alex Amaro

    Bom, me inscrevi pro beta para ver que tal é o jogo ^^

  • leoleonardo85

    Nunca fui fã de jogos da Blizz, comprei Diablo 3 e Starcraft II no lançamento, pelo hype, e não curti nenhum, joguei WoW e também não curti.

    Mas amei Heartstone e tô no Hype tremendo por este Overwatch.

  • Felipe, Duque de Albuquerque

    THE HYPE IS REAL!

  • Bruno Oliveira

    Vem cá Teixeira… me dá um abraço…

  • Pingback: Resumo da Semana: os principais acontecimentos de 3 a 7 de novembro()

  • Anderson Silva

    Este jogo lembra um “pouco” Team Fortress, só um pouco.

  • Domingos Junior

    Jogo parece divertido, mais minhas birra por primeira pessoa vai me impedir de joga-lo! Principalmente pq tem varias outras prioridades na minha lista 😉

    P.s. A galeria de imagens no corpo da matéria está melhor que aquela no topo que precisa clicar para ver em “em tela cheia” que não é tela cheia de verdade, se fosse até poderia uma opção melhor. Isso na minha opinião 😉

  • Wilson Junior

    Cara, a Blizzard manja dos paranauês de criar personagens bacanas, estou louco pra jogar com a Tracer (que pra mim é personagem mais OP até agora) ou com o Reaper.

  • OfudouMyou

    beh

  • Pingback: BlizzCon 2014: A Experiência()

  • Victor Domiciano

    Isso tem filosofia da nova Activision Blizzard – fora das mãos da Vivendi que só queria lucro com o menor investimento possível – agora que precisam andar com as próprias pernas vão prezar mais pela qualidade do produto final, a viabilidade financeira do projeto e depender cada vez menos de WoW.

    O último COD teve melhor tratamento comparado ao outros e a cabeça do pessoal da Blizzard mudou o foco (ao invés de megalomaníacos projetos como Starcraft II e Diablo III estão mudando bem o foco de criação).

  • Pingback: MotherChip #10 - Overwatch e Dragon Age: Inquisition - Overloadr()