Em sua palestra na SBGames 2014, nesta quarta-feira (12), em Porto Alegre, o paulistano Pérsis Duaik, um dos criadores de Aritana e a Pena de Harpia, falou das dificuldades enfrentadas pela equipe para vender o jogo, lançado em maio. Segundo Duaik, 93% das cópias do jogo foram pirateadas, estimativa feita com a versão digital do jogo, lançada no Steam.

Apesar disso, Duaik afirma que o investimento de aproximadamente R$ 5 mil em seu estande da BGS 2014, no Pavilhão Indie, rendeu à equipe um valor de divulgação equivalente à R$ 270 mil, uma vez que, além do sucesso do jogo na feira, grandes veículos da mídia deram atenção ao jogo. Já no evento X5, ele afirma que foram vendidas apenas duas cópias do jogo – o que, segundo ele, reflete a diferença de público e foco dos eventos e a necessidade dos desenvolvedores de identificar o público-alvo de seu jogo.

Leia mais sobre o estúdio brasileiro:
Após lançamento morno no PC, criadores de Aritana querem levar jogo aos consoles

Duaik disse que, apesar do lançamento de Aritana no Steam, das críticas positivas e dos prêmios recebidos, a equipe falhou ao focar o lançamento do jogo no Brasil, não ter  planejado com antecedência sua divulgação e nem ter identificado adequadamente o público-alvo do jogo – um aprendizado que será levado para o próximo projeto da equipe.

Aritana e a Pena de Harpia concorre à quatro prêmios no Festival de jogos da SB Games 2014.

Atualização: diferentemente do que o texto original sugeria, o valor de R$ 270 mil não se refere ao lucro obtido pelas vendas do jogo após a participação da equipe na BGS, e sim ao valor agregado e aproximado da divulgação que o evento proporcionou ao jogo, conforme esclarecido por Ricardo Duaik, desenvolvedor do título.

*Henrique Sampaio viajou para Porto Alegre a convite da Associação de Desenvolvedores de Jogos do Rio Grande do Sul (ADJOGOSRS)