Em abril deste ano o Polygon publicou um elogiado artigo, de autoria de Jonathan McIntosh, produtor de Tropes vs Woman in Video Games e colaborador do Wired, New York Times e outras grandes publicações norte-americanas, listando “25 benefícios invisíveis” dos homens no meio de videogames – um que, embora esteja se tornando cada vez mais diversificado, ainda pode ser bastante hostil à mulheres. Nesta terça-feira (2), o canal Feminist Frequency, que publica os vídeos de Tropes vs Woman in Video Games, publicou uma versão do artigo em vídeo, no qual cada benefício é mencionado por uma personalidade masculina dos videogames.

Entre os homens participantes, todos conhecidos por apoiar medidas igualitárias no meio de videogames, estão Tim Schafer (designer de Day of the Tentacle e fundador da Double Fine), Sean Vanaman (escritor de The Walking Dead, da Telltale, e co-fundador da Campo Santo), Matt Conn (fundador do evento anual GaymerX), além de jornalistas de sites como o próprio Polygon, Gamespot, dentre outros.

O vídeo ainda não possui legendas em português, mas se você tiver alguma dificuldade de compreensão, você pode acompanhá-lo com nossa tradução de cada um dos 25 itens da lista.

Assista e acompanhe abaixo a tradução:

1. Posso optar por permanecer completamente alheio ou indiferente ao assédio que muitas mulheres enfrentam no meio de videogames.

2. Nunca me dizem que videogames ou a cultura que os cerca não são destinados para mim por eu ser homem.

3. Eu posso postar publicamente o meu nome de usuário, nome de jogador ou informações de contato on-line sem ter medo de ser perseguido ou assediado sexualmente por causa do meu gênero.

4. Nunca terei que “provar minha credibilidade gamer” simplesmente por causa de meu gênero.

5. Se eu entusiasticamente expressar o meu apreço por videogames ninguém vai automaticamente presumir que eu estou fingindo meu interesse apenas para “chamar a atenção” de outros jogadores.

6. Eu posso olhar para praticamente qualquer site de resenhas de jogos, evento, blog ou revista e ver as vozes de pessoas do meu próprio gênero amplamente representadas.

7. Quando vou a um evento de games ou convenção, eu posso ser relativamente certo de que não serei perseguidos, assediado, apalpado, molestado ou cantado por estranhos.

8. Nunca será esperado de mim ou pedido para falar por todos os outros jogadores que compartilham do meu gênero.

9. Posso ter certeza de que o meu desempenho em jogos (bom ou ruim) não será atribuído ao meu gênero ou refletido nele como um todo.

10. Minhas habilidades, atitudes, sentimentos ou capacidades nunca serão questionadas com base em funções biológicas naturais sem nenhuma relação.

11. Eu posso ser relativamente certo de que meus pensamentos sobre games não serão desqualificados ou atacados puramente pelo tom da minha voz, mesmo que eu fale de uma forma agressiva, desagradável, bruta ou irreverente.

12. Posso dizer abertamente que meus jogos favoritos são casuais, estranhos, não-violentos, artísticos ou fofos sem medo de que minhas opiniões irão reforçar um estereótipo de que “os homens não são os jogadores reais.”

13. Ao comprar jogos na maioria das lojas, provavelmente não serei perguntado se (ou presumido que) estou comprando-os para minha esposa, filha ou namorada.

14. A grande maioria dos estúdios de jogos, do passado e do presente, têm sido liderados e ocupados principalmente por pessoas de meu próprio sexo e, como tal, a maioria de seus produtos foram projetados especificamente para atender meu perfil demográfico.

15. Eu posso entrar em qualquer loja de jogos e ver imagens de meu gênero amplamente representado como poderosos heróis, vilões e personagens não-jogáveis.

16. Eu quase sempre terei a opção de jogar com um personagem do meu sexo, uma vez que a maioria dos protagonistas ou heróis são, por padrão, masculinos.

17. Eu não tenho que policiar meu comportamento em comunidades on-line ou o meio de videogames a fim de evitar ou minimizar a possibilidade de ser assediado por causa do meu gênero.

18. Eu provavelmente nunca pensaria em esconder meu gênero na vida real on-line através de uma alcinha, do avatar da minha escolha ou por silenciar o chat de voz, por medo do assédio resultante da exposição do meu gênero.

19. Quando eu entro em um jogo on-line, eu posso ser relativamente certo de que não serei atacados ou molestados quando e se o meu gênero na vida real se torna público.

20. Se eu sou ou verbalmente repreendido ao jogar on-line, não vai ser porque eu sou homem e nem meu gênero será tratado como um insulto.

21. Ao jogar online com pessoas que eu não conheço, não serei interrogado sobre o tamanho e formato das partes do meu corpo na vida real, nem serei pressionado a compartilhar detalhes íntimos da minha vida sexual pelo prazer dos outros jogadores.

22. Completos estranhos normalmente não me mandam imagens não solicitadas de sua genitália ou pedem para me ver nu em função de ser um jogador masculino.

23. Em jogos multiplayer eu posso ter certeza de que as conversas entre os outros jogadores não serão focadas em especulações sobre minha “atratividade” ou “disponibilidade sexual” na vida real.

24. Se eu optar por apontar o sexismo em um jogo, minhas observações não serão vistas como servindo ao meu próprio interesse e, portanto, serão percebidas com mais credibilidade e serão mais dignas de respeito do que as observações das minhas colegas do sexo feminino, mesmo que elas estejam dizendo exatamente a mesma coisa.

25. Por ter sido criada por um homem branco e hétero, esta lista provavelmente será levada mais a sério do que se tivesse sido escrita por praticamente qualquer jogadora feminina.

Veja também:
– Jogador profissional de StarCraft 2 é desclassificado após comentário de estupro
– Como o discurso de Emma Watson na ONU nos ajuda a entender o Gamergate

  • Vinicius Domingues

    ótima mensagem, pensei duas vezes antes de postar aqui, mas o numero 18 tem uma cabeça que flutua!

    • Lucio de Souza

      Legal a iniciativa, só parece que foi traduzido de qualquer jeito mesmo.
      Abraços.

  • André Luz

    muito boa a mensagem

  • Xulha

    Cacete, o último benefício é tão verdade que dói. Quando os homens defendem a equidade de gênero, são vistos mais tranquilamente e mais facilmente aceitos do que mulheres falando a mesma coisa. Isso me emputece foda hahaha muito boa a lista (:

  • Dracco Haroldo

    cheers a TODOS gamers, independente do sexo, orientação sexual, e principalmente independente do que gosta de jogar… Simples assim.

  • Sensacional! Impossível não compartilhar, independente da época em que vivemos!

  • Rodrigo Borgia

    Excelente matéria, parabéns ao Henrique por compartilhar no Overloadr. E que não aconteça no mundo gamer as mesmas discriminações do mundo real! Por um mundo gamer melhor!

  • Vinicius Costa

    Parabéns a Overloadr por ser um dos únicos sites q deram alguma atenção a esse vídeo do canal “Feminist Frequency”, da Anita Sarkeesian. Mtas verdades ditas nesse vídeo!

  • Pingback: Após envolvimento em controvérsia com o GamerGate, Intel dedicará US$ 300 milhões em prol da diversidade()

  • フェリペブエノ