Há ódio na internet. Qualquer um que já tenha participado de discussões em fóruns, compartilhado um artigo polêmico no Facebook ou simplesmente usado o Twitter sabe disso. No entanto, nenhum de nós precisa a aguentar a quantidade de assédio que Anita Sarkeesian aguenta.

Em seu blog Feminist Frequency, a criadora da série Tropes vs Women in Video Games compartilhou tweets direcionais a ela, xingando-a. ironizando-a e, frequentemente, fazendo ameaças de estupro e morte. Tudo proveniente de um comentário feito por Sarkeesian sobre como não deveria ser normal pessoas se ameaçarem de morte quando estão participando de partidas competitivas online, em jogos como Call of Duty. Um pensamento tão sensato e óbvio que só torna mais espantoso que tenha havido alguém a meramente se indignar com isso, quanto mais nesse nível.

Leia mais sobre Anita Sarkeesian:
Anita Sarkeesian terá duas novas séries que falarão sobre videogames
Anita Sarkeesian fala sobre Gamergate em horário nobre na TV norte-americana

Além do conteúdo abusivo em cada tweet, o que mais assusta é a quantidade das mensagens que foram enviadas à conta do Feminist Frequency. São dezenas e dezenas, e todos coletados no espaço de apenas uma semana. “Eu tenho sido alvo de abusos diariamente por jogadores ensandecidos com minhas críticas ao sexismo em videogames. Às vezes é difícil comunicar efetivamente quão ruim essa campanha constante de intimidação é,” diz Sarkeesian em seu blog. “Então eu tomei a liberdade de coletar o conteúdo de uma semana de mensagens de ódio mandadas a mim no Twitter.”

Exemplo dos abusos direcionados a Anita Sarkeesian

Eu tenho que admitir que nunca imaginei que o volume de mensagens ignorantes pudesse ser tão grande. Todos nós somos, vez ou outra, alvos de algum comentário negativo na internet e é lógico presumir que figuras públicas recebem tais intimidações em uma quantidade maior. Mas as dezenas de tweets no curto espaço de sete dias foi muito maior do que eu poderia conceber. Resta torcer para que, com isso, mais pessoas notem que essa atitude não deve continuar a ser sistêmica e deve ser combatida em qualquer contexto, não só em videogames.

Para ver a compilação de tweets acesse o blog do Feminist Frequency. Atenção: as mensagens enviadas são pesadas e difíceis de serem digeridas.