Como parte de sua apresentação na CES deste ano, a Intel anunciou que fará novos esforços em prol da diversidade dentro da empresa, investindo US$ 300 milhões nos próximos três anos em um fundo que, dentre outras coisas, irá apoiar a contratação de mais mulheres e pessoas que representem minorias, e financiará programas que “apoiam uma representação mais positiva dentro da indústrias de tecnologia e jogos”.

Como resposta à controvérsia da qual a Intel fez parte no ano passado envolvendo o GamerGate – em que a empresa retirou sua campanha de marketing do site Gamasutra após ser pressionada por apoiadores do movimento, decisão sobre a qual a companhia posteriormente afirmou ter se arrependido -, a fabricante de chips disse que irá investir em esforços que tragam mais mulheres à indústria de jogos.

“Essa é a hora correta de um posicionamento vigoroso,” disse Brian Krzanich, CEO da Intel, em entrevista ao New York Times. Krzanich comentou que, após o incidente, ele passou a pensar mais sobre questões de diversidade e desigualdade na indústria de tecnologia. “Eu tenho duas filhas que estão chegando à idade de ir à faculdade e eu quero que elas estejam em um mundo que ofereça oportunidades iguais a elas.”

Leia mais sobre diversidade:
Os 25 privilégios de ser um homem no meio de videogames, ditos por homens dos games
Como o discurso de Emma Watson na ONU nos ajuda a entender o Gamergate

Dessa forma, a Intel irá criar e financiar um time de eSports feminino, além de ter feito parcerias com a IGDA (International Game Developers Association), ESL (eSports League), Feminist Frequency (site comandado por Anita Sarkeesian), o National Center for Women in Technology, Girls Who Code, Rainbow PUSH e a Cybersmile Foundation.

“Isso não é só um bom negócio. Isso é a coisa certa a ser feita.” A campanha almeja ter uma representação plena de mulheres e minorias dentro da empresa até 2020.