A maior game jam do mundo, a Global Game Jam 2015, está para começar. Durante 48 horas seguidas, a partir desta sexta-feira (23), desenvolvedores do mundo todo se reúnem para produzir games com base em um tema a ser anunciado no início da maratona.

Há pelo menos três anos o Brasil é considerado um dos países de maior destaque no evento global, com números de participantes e jogos produzidos maiores a cada ano que passa. Só em 2014, foram mais de 300 jogos criados em território brasileiro, 76 deles na sede da PUCPR, em Curitiba, segunda maior sede da Global Game Jam do mundo.

“Em 2015 esperamos mais de 400 desenvolvedores em nossa sede e a produção de mais de 60 jogos durante este fim de semana”, diz Bruno Campagnolo, coordenador regional do Global Game Jam no Brasil e organizador da sede da PUCPR. No total, espera-se mais de 25 mil participantes em 500 sedes, espalhados por quase 80 países.

Como já é tradição, as sedes exibirão aos participantes palestras em vídeo feitas por desenvolvedores independentes, com o intuito de inspirá-los em suas criações. Neste ano, a dupla paulistana Amora e Santo, do MiniBoss, é quem dá uma das palestras, falando sobre diversidade e representação. Veja aqui (em 9:36):

“Muitas vezes temos como desculpa que uma história representa ‘a realidade’ e se tem um tom machista, racistas, transfóbico ou homofóbico é por que ‘é assim na vida real’”, diz Amora. “Isso cria um ciclo, e esse ciclo é uma das armadilhas que a gente mais tem que tentar evitar. A ficção vista em filmes, livros seriados e em jogo é influenciada pela realidade, mas também pode fazer o caminho inverso. Se temos esse tipo de poder, por que não usá-lo? Nós temos a chance de criar qualquer coisa, então podemos trazer ideias e conceitos para o público que inspirem mudanças no nosso meio, ao invés de ficar perpetuando o mesmo ciclo e alimentando um mundo cada vez mais conformista.”

Veja também:
– Leia o ensaio de Amora para a série 31 Gaems, no Overloadr
– Prestigiada pela revista Develop, Karen “bitmOO” anuncia saída da Bossa e carreira indie
Glauber Kotaki, artista paulistano, fala sobre carreira indie no podcast MotherChip

 

Como num passe de mágica, milhares de novos jogos surgirão até domingo (25). Como de costume para quem já acompanha nosso trabalho desde a época do Arena iG, estaremos de olho na produção nacional e destacaremos os melhores. Até lá, você pode ficar de olho no site da Global Game Jam, que será aos poucos atualizado com os jogos produzidos neste ano conforme eles forem sendo finalizados.