Cada um de nós, por diferentes motivos, desenvolve apego emocional a certos objetos. Às vezes isso ocorre quando o item em questão nos foi dado como presente, às vezes quando o associamos a um evento específico de nossas vidas ou, quem sabe, simplesmente pelo tempo em que ele esteve perto de nós.

E, frequentemente, chega uma hora em que precisamos nos separar desses objetos, deixando-os para trás e, inevitavelmente, nos descolando de uma parte nossa que foi impregnada ali. São memórias manifestas nesses itens que se vão, seja propositadamente ou por necessidade de não ficarmos travados no passado.

Moving Stories, um pequeno jogo gratuito de Terry Cavanagh (que desenvolveu VVVVVV, Super Hexagon, Don’t Look Back e outros mais) e Stephen Lavelle (que desenvolveu os trabalhos presentes no Increpare) trata justamente disso. Desapego de objetos e a parte nossa que se vai com eles. Bastante simples, o título nos põe na pele de uma mulher que, prestes a partir em um táxi, deve decidir quais itens colocará em sua mala. Não há espaço para tudo, portanto você deve escolher o que lhe é mais importante. Roupas de sair? Um livro? Uma foto de família?

Após fazer suas escolhas, certos objetos possuirão um pequeno comentário feito pela protagonista, determinando o valor sentimental (e motivo pelo qual eles estão sendo guardados), enquanto o resto deverá ser jogado no lixo. As coisas que serão descartadas, por sua vez, também são analisadas, explicando por que ela está se livrando delas.

O mais interessante é que, nas primeiras vezes, a motivação por trás dessa partida muda, porém ele só fica claro quando a personagem começa a descrever seus pertences. Não quero entrar em mais detalhes aqui porque presenciá-los é a maior parte da graça. Jogar Moving Stories várias vezes não demandará mais do que dez minutos e é uma exploração através de mecânicas bem legal sobre como existem ocasiões em que é preciso deixar algo para trás para que possamos caminhar em frente.

Como última nota, após tê-lo jogado algumas vezes e sentido que não há nada de novo para ser visto, escolha não guardar nada na mala e apete o botão “ready”.

  • Maikon Neitzel

    Encontrei 5 finais. Alguém encontrou mais?

    • Antonio Carlos Bleck Bento

      Nope, pelo que eu pesquisei são só 5 finais mesmo.

  • Dracco Haroldo

    nao consegui carregar =(

  • Dracco Haroldo

    o jogo nem inicia

  • Antonio Carlos Bleck Bento

    Primeiro “the uncle who works for nitendo” e agora esse, to achando muito foda essas perolas gratuitas que o Heitor vem divulgando.

    • Heitor De Paola

      Eu tô meio com a ideia de tentar divulgar mais ou menos um desses por semana. Acho que tem coisas interessantes em browser que não funcionariam direito em um Shuffle ou em comentários de podcast, mas que casam com posts como esse.

      • Antonio Carlos Bleck Bento

        Sem duvida aprovo muito a ideia, ja que eu mesmo me diverti bastante com esses jogos mas provavelmente nunca saberia da existência deles se não fosse pelo site.
        No aguardo pelas próximas indicações.