O direito de exibição de cinco novas séries animadas foram comparadas pelo Netflix, incluindo o remake das séries animadas Inspetor Bugiganga e Danger Mouse. Ambos os desenhos foram exibidos no Brasil entre as décadas de 80 e 90, pelo SBT e Rede Record, respectivamente.

A nova versão de Inspetor Bugiganga, animada em 3D, esteve em produção desde 2012, em comemoração aos 30 anos da série. Com 26 episódios, a nova série fará sua estreia internacional no canal Boomerang, e já começou a ser exibida na Austrália em janeiro. Nos EUA, ele chega ao Netflix em março. Na América Latina a série deve ser lançada no serviço posteriormente.

O Netflix está investindo no remake de diversos desenhos animados de sucesso dos anos 80, incluindo Ursinhos Carinhosos, Popples e O Ônibus Mágico, que serão lançados no serviço entre 2015 e 2016.

No canal do Boomerang no YouTube já é possível ver alguns trechos do novo Inspetor Bugiganga.

Veja a nova sequência de abertura do desenho animado:

  • OB

    e essa musica…….

    sdds dos tempos de sbt…

  • Grillo

    E o que tem a ver com videogames?

    • Power Otaku-Kun

      Tem musiquinha e faz barulho

  • Antonio Carlos Bleck Bento

    Não entendi no que isso tem haver com games… E não levem isso como reclamação, muito pelo contrario, se vocês resolverem expandir os domínios do Overloadr para outros aspectos da cultura pop tem todo o meu apoio. Afinal assisto gravity falls e gumbal por causa de vocês.
    Ai quem sabe um dia o Teixeira não vai mais precisar dizer q vcs não são especialistas no bilheteria.

    • Charmichael

      o que gera mais noticia no mundo dos filmes é negociações entre filmes de herois e ja sabemos que eles não são muito chegados no assunto.. fora isso as noticias seriam só os anuncios de filmes que vão ser lançados em alguns anos, nada tão relevante, nada que outros sites ja não façam em montes, acho que postar só as noticias que tem relacionamento com nostalgia e games é bem mais interessante e combina com a ‘personalidade do site’

      • Antonio Carlos Bleck Bento

        Quando eu digo que eles deveriam explorar a cultura pop em geral (musica, filmes, quadrinhos series, games e etc…), eu digo uma cobertura mais na pegada independente do overloadr mesmo, quero dizer se vc escuta o bilheteria da pra ver o pedigree dos contatos e convidados que os caras têm com produtores de conteúdo fora do âmbito de games, tipo imagina as varias possibilidades de novos colaboradores que podem aparecer no site, entre quadrinhistas, autores, roteiristas e outros profissionais do mercado de entretenimento.

        Enquanto a “personalidade do site” eu acho que ela não precisa ser tão exclusivamente atrelada a games, tendo em vista que mais de uma vez vi pessoas comentando que preferem o bilheteria ao motherchip pela proposta de conteúdo mais diversificado, sem contar que o Rique foi convidado para assistir a teoria de tudo, e a galápagos enviou um board game pra eles testarem, e vou alem pelo que pude observar escutando o MRG o pessoal que realmente esta afim de fazer propaganda no seu podcast são a galera de livros e quadrinhos, talvez eu esteja errado mas essa e a ideia que o MRG da a entender.

        Eu não acho que o Overloadr tenha que mudar a proposta do site e ficar postando as ultimas notícias do seriado do flash, mas sendo fã do site e do trabalho dos caras acredito que o Overloadr tem potencial pra ser muito mais do que um site que se resume todo seu poder criativo e a influencia de seus participantes apenas a conteúdos de games, abordar outros aspectos da cultura pop me parece ser a evolução natural.

        • Grillo

          Você estaria citando o MRG pra exemplificar um sucesso com propagandas ao abordar temas diferentes de games?

          • Antonio Carlos Bleck Bento

            Não sei se o termo sucesso se aplica, ja que não sei quanto eles ganham com isso, o ponto que eu estava querendo apresentar e que o MRG cobre varios temas diferentes como quadrinhos, cinema e games, e desses o que mais oferece material de review, link de descontos e “brindes” para ouvintes, e a galera de livros e quadrinhos (panini pra ser mais exato), isso tambem rola com games no próprio MRG mas com uma frequência bem menor. Deixando bem claro que digo isso apenas com base em observações que fiz ouvindo o podcast, tudo especulação não tenho certeza de nada.

          • Grillo

            Entendi. Só ia falar que, hey, eles realmente não gostam de comparações com o MRG, principalmente por, sei lá, 80% do público ficar pedindo que eles fiquem mais parecidos com Matando Robôs Gigantes e isso os chateia bastante.

          • Antonio Carlos Bleck Bento

            Serio que ainda tem gente querendo que eles virem o MRG? Pensei que isso tivesse morrido com o games on the rocks.. mas saquei seu ponto, tipo comparar os dois podcasts nunca foi minha intenção, como já disse sou fã do trabalho dos caras e não acho que eles precisem e nem devem mudar o estilo criativo deles pra parecer mas com o MRG ou qualquer outro podcast, são propostas completamente diferentes, todos os dois muito bons no que produzem.
            So quis levantar o ponto de que me parece que outras mídias de entretenimento parecem fazer mais propagandas em podcast do que a de games, e o MRG foi o exemplo que me veio na cabeça.

          • Grillo

            Conversando com o Teixeira deu pra ver que o conflito deles com o público é: eles querem virar algo novo, o público quer que eles virem o games on the rocks (com bebidas, convidados da internêt maisntream, dougão, corra, papo erótico no fim do podcast). Eu fiquei tão chocado quanto você, o ponto onde chegaram é invejável para qualquer outro “portal iniciante”. Não sei o que acharia se eles começassem a cobrir entretenimento em geral, me soa como: “vamos fazer o que dá certo, não SÓ o que amamos e somos foda”.

            Mas hey, pop ou não, to com vocês <3

          • Hey caras, foi mal não ter visto essa discussão antes, mas valeu por começá-la. =)

            Sobre outros conteúdos: não só pela questão publicitária (diferentes conteúdos atraem mais players para o nosso site e abrem portas para dinheiro), mas pela nossa própria vivência temos interesse em expandir o conteúdo. O Bilheteria é um flerte nosso com esse lado.

            Mas existe um porém nisso tudo: nós não fazemos algo que não achamos que faremos bem. Essa não é nossa especialidade e nem temos braço para ir para cima desse tipo de coisa. Temos essa coisa meio caxias de pensar tudo jornalisticamente e na responsabilidade que assumimos ao cobrir uma área.

            Sobre comparação: nós não gostamos não por ser o MRG, nós não gostamos de sermos comparados. =) Nós já estamos há muito tempo no mercado e acreditamos que criamos uma marca e estilo próprios. Particularmente adoro os caras do MRG e o público deles é completamente diferente do nosso. Então não sei se qualquer comparação faz sentido.

            Mas ae, valeu mesmo pela pensata e discussão sobre o que fazemos. Olhamos com carinho sempre. <3

          • Antonio Carlos Bleck Bento

            Grande Teixeira, como já disse sou fã do trabalho de vocês, e
            uma das coisas que mais admiro em vocês é o fato de serem jornalistas antes de jornalista de games, então total entendo que vocês não queiram investir a fundo numa área em que vocês não são especialistas, porem se o motherchip e prova de qualquer coisa, e que vocês tem muita coisa boa pra falar fora do universo de games.

            Minha dica e que continuem flertando com outras mídias porque com o profissionalismo e a visão criativa de vocês, o Overloadr tem muito que contribuir para o jornalismo de entretenimento no geral, por exemplo, como um fã de quadrinhos adoraria ver alguém de dentro da indústria de HQ’s contribuindo com um site da forma que o Gilliard Lopes contribui com o Overloadr, talvez seja muito wishful thinking da minha parte, mas eu acredito em vocês e no crescimento do site, e como já disse uma vez que o site cresça acho que é meio que a evolução natural englobar outros temas.

            Mas como o grilo disse, pop ou não a verdade e que vou sempre acompanhar o trampo de vocês 😀

            E eu que agradeço tentar colaborar com comentários construtivos
            e só uma forma de retribuir pelo entretenimento, informação e atenção com os
            leitores, um abraço.

          • Antonio Carlos Bleck Bento

            Cara que loco isso, eu pessoalmente por mais que sinta falta
            do corra, curto muito mais a pegada do overloadr do que a do GOTR, e
            honestamente não sei se conseguiria voltar pra proposta meio zona do antigo
            cast,principalmente depois de já ter acostumada com pegada mais seria e jornalística
            no motherchip; quero dizer o games on the rocks era incrível, mas melhor deixar
            no passado e viver o novo.

  • Jefferson

    Pena que é em 3d.. não curto desenhos 3d para tv.. cgi barata!