A Deep Silver anunciou nesta quinta-feira (12) que Homefront: The Revolution não será mais lançado neste ano. Ele agora é esperado para algum momento de 2016.

Homefront: The Revolution tem uma história de desenvolvimento conturbada, passando por diversas empresas. A propriedade intelectual de Homefront era da THQ, porém quando esta foi à falência o nome foi passado para a Crytek. O estúdio Crytek U.K. foi então incumbido de trabalhar em The Revolution, mas sua empresa mãe encontrou problemas financeiros e teve de fechá-lo. No processo, a Crytek vendeu a propriedade para a Deep Silver, que deu continuidade ao título no estúdio Dambuster Studios. Muitas pessoas que eram da Crytek U.K. foram transferidas para o Dambuster.

“Dambuster Studios é um grupo extremamente talentoso,” disse em nota o CEO da Deep Silver, Klemens Kundratitz. “Nos estamos dando ao time toda a oportunidade para que transformem Homefront: The Revolution em um campeão de vendas, e determinamos uma data de lançamento para 2016 para dar a eles o tempo necessário para alcançarem isso. Você pode esperar ouvir mais sobre o jogo mais para o fim do ano.”

Homefront conta a história do que teria ocorrido se a Coreia do Norte tivesse invadido com sucesso os Estados Unidos. Apesar da premissa que chama a atenção, o primeiro jogo, desenvolvido pelo Kaos Studios e distribuído pela THQ, era fraco em todos os aspectos, inclusive em sua narrativa.

Nós parecemos estarmos entrando em uma temporada de adiamentos. Ainda nesta semana a Sony divulgou que Uncharted 4: A Thief’s End foi empurrado para 2016.

  • Antonio Carlos Bleck Bento

    Li uma materia especial sobre esse game na revista do Dougão, me pareceu bem interessante pelo o que li.
    Mas na real ja aconteceu de algum game que foi tão “rodado” quanto esse acabar se tornado um bom produto no final? Com exceção de sleeping dogs talves

  • Guilherme Gondin

    Sabe, me surpreendi muito com isso, não pelo jogo ser adiado, mas por ele não ter sido cancelado.