Um novo estudo divulgado durante a GDC 2015, em São Francisco, indica que a indústria de games está equivocada em relação ao que o público jovem pensa sobre personagens femininos.

Elaborado pela professora e educadora Rosalind Wiseman e pela atriz e apresentadora Ashly Burch (conhecia pela série Hey Ash, Whatcha Playin’? e pela dublagem da personagem Tiny Tina em Borderlands 2) , o estudo é baseado em uma pesquisa realizada com 1.583 estudantes de 11 a 18 anos, feita em escolas dos EUA no segundo trimestre de 2014. A análise dos dados aponta que garotas adolescentes sentem falta de representação feminina nos jogos, uma das prováveis razões para que a maioria delas ainda não se identifique como “gamer”.

Rosalind Wiseman e Ashly Burch

Rosalind Wiseman e Ashly Burch

Um dos dados mais relevantes aponta que apenas 39% dos garotos adolescentes preferem jogar com personagens masculinos, enquanto que 60% das garotas de mesma faixa etária preferem jogar com personagens femininas. Segundo o estudo, portanto, há uma grande demanda por jogos com personagens femininas, que não é suprida pela indústria. Pelo contrário: é comum ouvirmos sobre casos em que desenvolvedores são pressionados por publishers a substituírem protagonistas femininas por heróis masculinos, como aconteceu com os franceses da Dontnod durante o desenvolvimento de Remember Me e Life is Strange.

Em outra etapa, os estudantes foram perguntados se eles se identificavam como “gamers”. Enquanto 65% dos garotos disseram que sim, 65% das garotas disseram que não. Adicionalmente, 86% dos garotos considerados gamers afirmaram que gostariam de ver mais garotas jogando videogames, enquanto que 81% deles afirmam que gostariam de ver mais heroínas femininas.

Veja também
– Como o discurso de Emma Watson na ONU nos ajuda a entender o Gamergate
– Os 25 privilégios de ser um homem no meio de videogames, ditos por homens dos games

“Todos vocês conhecem Frozen, certo?”, perguntou Burch aos desenvolvedores presentes durante a apresentação do estudo na GDC. “Então vamos falar de Frozen. (…) Por que garotinhas gostam de Elsa? Por que ela faz gelo com suas mãos. Sabe o quão legal é isso? As garotas não têm muitos super-heróis para se inspirar. É por isso que a Elsa repercute tanto com elas.”

Burch diz que a indústria do cinema e dos quadrinhos já percebeu essa falha e está adicionando cada vez mais personagens femininas fortes, ajustando seus produtos aos consumidores. “Se você olhar para qualquer quadrinho da Marvel saindo… há a Ms. Marvel, eles estão incluindo mais a Viúva Negra, há a Thor feminina, a Garota Esquilo. Há mais e mais títulos com protagonistas mulheres, e não é só por que essa é a coisa certa a fazer. É por que eles sabem que garotas estão comprando poder, e eles querem mais garotas comprando seus quadrinhos. Por que garotas são nerds, caras, e elas querem comprar suas coisas.”

Foto: Polygon

  • Gradash

    Pra mim a forma mais fácil é ACABAR COM OS PROTAGONISTAS PRONTOS, eu por exemplo não vou comprar o The Witcher 3 pois não me deixa criar o meu personagem ou pelo menos selecionar o sexo, sendo assim não compro, é a minha forma de protestar.

    • luizpaulosantoscruz

      Não acho bom acabar com protagonistas prontos, acho que pode limitar como personagens são nos videogames e tudo mais, porém se precisa de uma maior balanço de mulheres como protagonistas.

      Mas falando em Witcher, meio que tem como jogar com uma mulher:

      http://www.gamespot.com/articles/meet-ciri-the-witcher-3-s-playable-female-characte/1100-6424226/

      • Gradash

        Mas não posso jogar o jogo inteiro com ela, sou obrigado a jogar a maioria do jogo com o Gerald e eu NÃO QUERO jogar com o Gerald, tenho o 1 e 2 (gostei mais do 1) e sempre detestei o Gerald

        • Alex Palomino

          Entendo que você possa detestar o Gerald. Mas acho que dá pra abrir um exceção. No livro ele é detestável. No jogo é tudo questão de escolhas.

          • Gradash

            Não curto o personagem, ai me desagrada muito por causa disto e eu abri uma exceção no 1 e 2 e nunca terminei nenhum dos dois pois eu DETESTO o Gerald e não adianta, não vou abrir mais uma novamente.

        • Fernando Henrique

          [Machist Mode On] Fora que dá pra comer a Triss Merigold!

    • Alex Palomino

      Witcher 3?
      Você tem alguns motivos pra não gostar de witcher 3. Mas não gostar de uma estória com pre-set definido? Tá certo que skyrim deu um novo tom pra rpgs do estilo, mas Witcher tem um mundo, um lore, uma profundidade por trás dos personagens. Ainda que o autor seja machista, witcher 2 vale pela maturidade da estória e questionamentos morais: o jogo te dá escolhas que soam ambíguas sem nunca definir o que é o bem e o mal – e pra quem leu a série isso é importante pois Gerald aprende a lidar com as escolhas ao longo dos livros.

      • Gradash

        Só para constar tá, Skyrim é o pior Elder Scrolls numerado até o momento, o melhor é o Morrowind e de lavada, e sim eu joguei TODOS eles.

    • Fabiano

      Mas The Witcher é baseado nos livros. Tudo bem que eles poderiam simplesmente te deixar criar personagens, mas eu li o primeiro livro e gostei muito do Geralt. Sem falar que os bruxos são todos homens no lore. Embora eu adoraria jogar com a Yennefer…

    • Flávio Augusto Priori

      Lição para a vida: ser extremo geralmente não é boa ideia. O problema não é um jogo em específico ter um personagem masculino como protagonista. Se a isso for importante para o desenvolvimento da trama, deve ser assim.

      Tudo seria muito chato se fosse só criação e deixássemos de ter personagens em si. O problema é que pra cada Bayoneta, temos 30 Drakes, Ezios ou Dantes. O ideal seria que essa proporção não fosse tão discrepante.

      • Gradash

        Depende a pessoa, se o jogo não tem criação de personagem eu nem compro 🙂

  • Alex Palomino

    Correção: Ashly Maravilhosa Lacradoura Burch.

  • morteturesso

    Eu gosto de jogos que me deixem editar meu próprio personagem. Mas existem jogos que fazem isso e só deixam você escolher um sexo, tipo no The Godfather. Eu continuo jogando, mas acho ruim.

    Eu gosto de sempre me fazer nos jogos, como se eu fosse uma personagem lá dentro. Mas não acho que devam abolir os personagens prontos. Existem muitas personagens mulheres que eu adoro muito, incluindo os homens também. Acredito que balanceando as coisas tudo funcione melhor <3