Um novo estudo divulgado durante a GDC 2015, em São Francisco, indica que a indústria de games está equivocada em relação ao que o público jovem pensa sobre personagens femininos.

Elaborado pela professora e educadora Rosalind Wiseman e pela atriz e apresentadora Ashly Burch (conhecia pela série Hey Ash, Whatcha Playin’? e pela dublagem da personagem Tiny Tina em Borderlands 2) , o estudo é baseado em uma pesquisa realizada com 1.583 estudantes de 11 a 18 anos, feita em escolas dos EUA no segundo trimestre de 2014. A análise dos dados aponta que garotas adolescentes sentem falta de representação feminina nos jogos, uma das prováveis razões para que a maioria delas ainda não se identifique como “gamer”.

Rosalind Wiseman e Ashly Burch

Rosalind Wiseman e Ashly Burch

Um dos dados mais relevantes aponta que apenas 39% dos garotos adolescentes preferem jogar com personagens masculinos, enquanto que 60% das garotas de mesma faixa etária preferem jogar com personagens femininas. Segundo o estudo, portanto, há uma grande demanda por jogos com personagens femininas, que não é suprida pela indústria. Pelo contrário: é comum ouvirmos sobre casos em que desenvolvedores são pressionados por publishers a substituírem protagonistas femininas por heróis masculinos, como aconteceu com os franceses da Dontnod durante o desenvolvimento de Remember Me e Life is Strange.

Em outra etapa, os estudantes foram perguntados se eles se identificavam como “gamers”. Enquanto 65% dos garotos disseram que sim, 65% das garotas disseram que não. Adicionalmente, 86% dos garotos considerados gamers afirmaram que gostariam de ver mais garotas jogando videogames, enquanto que 81% deles afirmam que gostariam de ver mais heroínas femininas.

Veja também
– Como o discurso de Emma Watson na ONU nos ajuda a entender o Gamergate
– Os 25 privilégios de ser um homem no meio de videogames, ditos por homens dos games

“Todos vocês conhecem Frozen, certo?”, perguntou Burch aos desenvolvedores presentes durante a apresentação do estudo na GDC. “Então vamos falar de Frozen. (…) Por que garotinhas gostam de Elsa? Por que ela faz gelo com suas mãos. Sabe o quão legal é isso? As garotas não têm muitos super-heróis para se inspirar. É por isso que a Elsa repercute tanto com elas.”

Burch diz que a indústria do cinema e dos quadrinhos já percebeu essa falha e está adicionando cada vez mais personagens femininas fortes, ajustando seus produtos aos consumidores. “Se você olhar para qualquer quadrinho da Marvel saindo… há a Ms. Marvel, eles estão incluindo mais a Viúva Negra, há a Thor feminina, a Garota Esquilo. Há mais e mais títulos com protagonistas mulheres, e não é só por que essa é a coisa certa a fazer. É por que eles sabem que garotas estão comprando poder, e eles querem mais garotas comprando seus quadrinhos. Por que garotas são nerds, caras, e elas querem comprar suas coisas.”

Foto: Polygon