Shooter vertiginoso Descent está voltando graças ao Kickstarter

Diversos veteranos da indústria de games (incluindo Eric “Wingman” Peterson, que trabalhou em Star Citizen) se juntaram para trazer de volta o shooter clássico Descent. Sim, aquele mesmo que te deixava tonto e desnorteado e provavelmente fez muita gente descobrir que sofria de labirintite. E se a campanha de financiamento coletivo anunciada no Kickstarter seguir o ritmo das primeiras 24 horas, o projeto já é um sucesso: dos US$ 600 mil pedidos pelos desenvolvedores, quase US$ 200 mil já foram arrecadados, de mais de 2 mil apoiadores.

Descent Underground tem a proposta de atualizar o jogo clássico de 1995 para a Unreal Engine 4, reimaginando a experiência de controlar uma nave em seis eixos em bases instaladas dentro de asteroides, em gravidade zero. Desta vez partes dos cenários poderão ser destruídas, resultando em áreas secretas onde podem ser encontrados power-ups ou outros recursos, que podem ser minerados.

O jogo terá oito naves, que serão destravadas ao longo do jogo, todas customizáveis com equipamentos e armas que podem ser evoluídos individualmente, permitindo inúmeras combinações.

Veja também:
– Continuação de ToeJam & Earl é anunciada via Kickstarter
– Com US$ 8,7 milhões, jogo sobre gatinhos explosivos bate recorde no Kickstarter

Além da campanha principal, Descent Underground terá multiplayer para até 12 jogadores, com quatro modalidades.

Tudo isso, entretanto, ainda é promessa, uma vez que o trailer apresentado, além de ter uma música genérica e que em nada lembra a do jogo original, não mostra jogabilidade per se.

Descent Underground está previsto para algum momento de 2016, para PC.

  • SouoMaia .

    Lembro de ganhar um Descent no jornal de domingo como era bom…
    Fiquei viciado neste jogo tomará que tudo ocorra bem com Kickstarter.

    • O meu veio de brinde no meu Compaq Presario, Pentium 1 de 100MHz. Aquilo era o futuro.

  • Acho sucesso… E eu já vomitei jogando essa belezura… blergh!

  • Aperipe

    Joguinho difícil. Até hoje não sei porque a gente explorava uma mina com uma astronave.