Jogos, por mais curtos que sejam, podem ser experiências poderosas. Freshman Year (Ano de Calouro, numa tradução literal), um jogo autobiográfico da game designer Nina Freeman, é um deles, capaz de transmitir a perturbadora sensação de ser vítima de um abuso.

freshman-year-2Antes de continuar lendo, talvez seja mais interessante que você coloque seus fones de ouvido e o jogue por conta própria (os textos estão em inglês). Ele deverá durar entre cinco e dez minutos.

Veja também:
– A fascinante jornada queer e vaporwave de SEAQUEST1992

As belíssimas pinturas digitais de Laura Knetzer ilustram a troca de mensagens de Nina com sua amiga Jenna, enquanto combinam de se encontrarem para uma noite de bebidas e risadas no bar próximo à república onde moram, juntamente com outros estudantes.

Quando Nina se vê sozinha no bar, preocupada com o sumiço temporário de sua amiga, que saiu para comprar baseados e não responde mais suas mensagens, um homem começa a assediá-la. A música se distorce, aumentando a tensão da sequência sufocante, sobre imobilização e incapacidade, até se tornar um ruído constante de tonalidade seca, vazio – tal como a minha sensação posterior à cena.

Nina atualmente trabalha com os criadores de Gone Home em Tacoma, novo jogo da The Fullbright Company.