Eu adoro falar sobre jornalismo e toda a experiência que tem sido o Overloadr. Sinto como se eu falar o mais francamente possível sobre essas coisas, mais eu “devolvo” para a comunidade pelo conhecimento que tenho adquirido com tudo isso, talvez até mesmo ajudando alguém que pretende seguir essa trilha tortuosa de viver de jornalismo independente. Longe de mim ser um especialista sobre qualquer um dos assuntos do título do texto, mas sinto que ter vivido na pele tanta coisa meio que se torna uma necessidade para mim escrever sobre isso.

Aí que a Bia Granja, criadora do youPIX e a mais recente participante do Bilheteria, me chamou para falar sobre tudo isso no site dela. Nada mais justo, o youPIX se torna cada vez mais um lugar muito interessante para ler sobre empreendedorismo, “novas mídias” e tudo o que tem se mostrado novidade no Brasil.

No texto você encontrará minhas impressões sobre a falência da publicidade massiva no jornalismo (nenhuma novidade), como os modelos de negócio que sustentam a imprensa na internet estão atrasados e a falta de pessoalidade nos meios, criando um abismo entre leitor e produtor. Depois de tudo isso falo sobre como a experiência do Patreon no Overloadr abriu nossos olhos para a tendência da comunicação e me fez vislumbrar o mecenato no século XXI.

Leia o texto na íntegra no youPIX: Patreon: O Mecenato do Século XXI

  • Grillo

    Texto muito bom e cremoso. Nem parece aquele Teixeira desacreditado e deprê que tava reclamando de tudo no Bar do Bahia 😛

    • Meu advogado me aconselhou a não comentar nada do que falo bêbado…

      • rodrigo

        alega pobreza e conta pra nos

  • Rodrigo FS,

    Ainda não ouvi o Bilheteria mas, após ler o texto no site do youpix dá pra ver a diferença entre o projeto todo do Overloadr e a visão que vocês tem do Patreon e da mídia em si do que muitos que estão mais usando mesmo serviço apenas como um: “Ajuda nóis a fazer aquilo que nóis já faiz!” (erros propositais – just in case). Nem sempre concordo com a visão em relação algumas criticas e conteúdos, como qualquer ser humano, porém, é muito divertido ler e ouvir as mesmas de uma maneira realmente mais “pessoal”.

    Não vou e nem é a proposta desse comentário abrir a grande discussão sobre Mídia Tradicional, Novas Mídias e novas maneiras de usar a Mídia. (mídia, mídia, mídia…ok, não pensei em outra palavra ou sinônimos…)

    Saber como tratar seu publico/ouvinte/leitor e fazer ele ficar interessado pelo conteúdo e ainda por cima expor a opinião sem algumas restrições (todos temos, mesmo que isso não seja atrelado a um motivo financeiro/social…) faz com que o Overloadr e o trabalho de vocês seja gratificante a nós, consumidores, e a vocês produtores.

    Concluindo, é interessante perceber que ao invés do Patreon ser aquele barco de salvação que apenas os mais ricos podem entrar é apenas uma boia enquanto esperam pelo resgate chegar. Além de demonstrar que não adianta o comodismo de pensar que tudo que deu certo antes vai funcionar ainda ou mesmo o modismo de adotar uma nova midia seja a salvação mas sim, a maneira de como se produz.

    • Pois é. Quando ainda estávamos pensando sobre a criação do Overloadr já tínhamos uma ideia clara de um linha de assinaturas. O Patreon apenas encaixou melhor nesse modelo, sem falar que todo o trabalho de criar um sistema de billing não parecia muito promissor sem saber quantas pessoas estariam dispostas a pagar pelo nosso conteúdo. Dá até para falar que o Patreon no Overloadr tb serve como um teste para um futuro sistema de assinatura interno nosso (perdemos muito dinheiro nessa brincadeira de pagar o Patreon e transferir o dinheiro dos EUA para o Brasil).

      E sim, a ideia sempre foi ser o mais pessoal possível, apagar o suposto pedestal que a mídia se colocou. Parece que tem dado certo =)

      A real é que nada do que falei no texto é exatamente novidade, Youtubers perceberam isso há anos. Blogueiros há mais tempo ainda. Mas sinto que especificamente eu ainda tenho uma forte ligação com o “jornalismo tradicional”, então sentir na pele estas mudanças é realmente uma experiência incrível, assustadora e reveladora.

      • Alisson André

        Acha que rola criar um Patreon Brasileiro?
        Praticamente todos os sites que visito tão tendo Patreon agora.
        E pelo visto todos perdem dinheiro na transferência BR->EUA->BR.

  • rodrigo

    nossa .. já saiu?… rapido

  • rodrigo

    Teixeira, vi que falou sobre citou a lojinha, como leitor e ouvinte dos produtos Overloadr, qual o critério pessoal que ira utilizar ( já que esta em andamento) para loja fugir das estampas mais encontradas nas lojas nacionais ( o certo seria como não ter a camisa do Mario como carro chefe)?

    • Grillo

      Também fiquei pensando nisso. Tipo, terão camisetas com os “memes” do Overloadr? O único que me vem à cabeça é o “Momento Preconceituoso do X”, mas não me parece uma estampa muito legal |:

      • Ânderson Cardoso

        Essa frase seria muito piada interna, hoje em dia eles (Heitor) nem falam mais, acho que ouvintes mais novos não entenderiam.

        Outra coisa, caneca e camiseta para mim estão totalmente fora de moda, isto nunca me chamou atenção e ou vontade de ter. Minha opinião claro respeito que gosta de ter.

        Só acho que o overloadr merece e é mais que isto!

        • rodrigo

          Filhão, digamos que para web sites autorais, se bem feito é de onde vem bastante recurso, vide Cidade Gamer, JN, Pauta…é um via,se bem feita, de bastante sucesso.

  • Bruno Oliveira

    Adoro vocês, estou animado com essa ideia de ampliar a receita, já que isso está ligado diretamente à continuidade do site. Alguns dos veículos citados na matéria, como a IGN por exemplo, tem um conteúdo bem produzido, mas isso não quer dizer que seja alheio a falhas, e a mais grave delas na minha opinião é a falta de personalidade. Por outro lado o Overloadr nos dá personalidade de sobra resultando em um laço empático muito maior com o ouvinte/leitor.

    Atualmente não estou em condições financeiras de ajudá-los por mais que queira. Acredito que especialmente devido a situação econômica global e o nível de desemprego no nosso país, muitos outros estão comigo nesse barco, e sobretudo torcendo que a situação mude. Enquanto isso só nos resta reagir.

    O Overloadr por sua vez, está a deparar-se com o momento mais propício para inovação no mercado, e em 2016 o trabalho deverá ser dobrado para todos nós. Usem os rostos, o corpo e a mente de vocês, como sempre fizeram para nos encantar, entreter e divertir; usem o nosso grito para alcançar plataformas cada vez mais altas; usem do esforço e empatia que todos nós que amamos o Overloadr temos prazer em consumir a cada segundo/letra do conteúdo, mas por favor não nos deixe sem o jornalismo mais verdadeiro e honesto da internet.

    Vida longa e próspera.