Phil Fish está envolvido em Superhypercube, puzzle a ser lançado para o Morpheus, o óculos de realidade virtual do PlayStation 4. Embora o anúncio recente do jogo no PlayStation Blog não faça qualquer menção a Fish, que em 2014 anunciou sua saída da indústria de games, a informação foi confirmada a mim pelo programador Renaud Bédard, que trabalhou com Fish em Fez.

Superhypercube é um projeto que precede Fez, originalmente desenvolvido pelo coletivo Kokoromi, fundado por Fish e outros desenvolvedores e artistas canadenses, para um evento de jogos em 3D estereoscópicos, em meados de 2008. Em 2012, Fish havia anunciado que estava adaptando o jogo para o Kinect, ideia que aparentemente acabou sendo descartada. Algum tempo depois o designer anunciou seu egresso da indústria de games, o cancelamento de Fez II e a venda de seu estúdio Polytron, devido uma série de conflitos com o público e jornalistas. Após ter suas contas particulares hackeadas ao defender a amiga Zoe Quinn, no que seria lembrado como o início do Gamergate, Fish desapareceu dos holofotes.

Superhypercube, contudo, pode ser a volta do notável game designer, ainda que não anunciada. Desenvolvido pela Kokoromi e publicado pela Polytron, o puzzle traz visuais inspirados pela estética de obras das décadas de 60, 70 e 80, incluindo 2001: Uma Odisseia no Espaço, Xanadu e Blade Runner. É uma espécie de “Tetris humano” com cubos e visuais abstratos e geométricos – se você terminou Fez, provavelmente lembrou de sua sequência final. É possível identificar muito das artes do próprio Fish em seu visual, como as artes de capa que ele costumava a criar para suas mixtapes, algo que explorei neste artigo.

Resumindo: Fish possivelmente não quer que você saiba que ele ainda está trabalhando com videogames – e em um jogo que parece ser no mínimo fascinante. Se ele se sente melhor recluso, dado toda a hostilização que ele já enfrentou publicamente, podemos fingir que ele continua afastado e completamente alheio à indústria de games. Mas no fundo, a gente sabe que todos só têm a ganhar com seu retorno, embora tímido. Seja bem-vindo de volta.

Superhypercube deve ser lançado para o óculos de realidade virtual do PlayStation 4, o Morpheus, em 2016.

SuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercubeSuperhypercube

 

  • Guilherme

    tenho pena do Renaud que deve aguentar cada bomba por causa do Phil

  • Desculpe, mas eu não mereço um jogo do Phil Fish.

    • Eduardo Samoggin

      Por que não? FEZ é incrível. É otimo ter caras como ele, com tanta paixão, envolvidos na área.

      • Essas foram as palavras do próprio Phil Fish sobre porque não faria Fez 2, disse que nós não merecemos.

        Para mim ele é só um puta babaca egocêntrico.

        • Acho que enquanto ele fizer jogos tão impressionantes como FEZ, pode ser o babaca que quiser. Penso que não se precisa misturar esses dois lados do cara. Guardando as proporções, é como não querer ver um filme do Hitchcock ou do Kubrick pelo fato deles serem “puta babacas egocêntricos”.

          Mas como o Guilherme falou, ninguém é obrigado a comprar nada (nem a gostar de nada, independentemente do motivo). Mas entendo que quanto mais abertos a experiências interessantes, melhor ( :

          • Eu entendo e respeito sua lógica, mas eu acho extremamente difícil desassociar a figura de sua obra. Além disso, é difícil por exemplo continuar gostando de um Mel Gibson enquanto ele continua dando declarações anti-semitas, saca?

            Lembro que quando assisti Indie Game The Movie eu ficava pensando “caraca, esse sócio do Phil Fish é um babaca, nem quer mais trabalhar no jogo e não tá liberando os direitos para quem quer fazer”, mas vendo o contexto geral eu penso que até entendo o cara. Devia tá de saco cheio por tudo que teve que aguentar dele e apenas queria aproveitar o gostinho da vingança…

            Sim, eu sei que isso é babaca também, mas se ajuda, eu realmente não vou com as fuças do Phil Fish =P

          • Alipio Oliveira Lazulum

            O torto falando do aleijado.

    • Guilherme

      tudo bem, você não é obrigado a comprar nenhum jogo

  • Espero eu que Fish esteja melhor do que a época da retirada da Polydor. E espero ainda mais que ele conserte os bugs e erros da Port horrível que ele fez pro Windows, e que não saia da indústria Indie por críticas, quem entrou na área, tem de arcar com a pressão, ainda mais de um puta jogo genial do babaca que ele foi, ou é.