Na última quarta-feira (22) publicamos uma crítica a uma campanha da Level Up Games veiculada nas redes sociais para divulgar um evento em Combat Arms. Com o intuito de reproduzir duas personagens do jogo de tiro, a peça colocou duas modelos de biquínis para simular um confronto. Considerando o meio no qual a peça foi inserida e os constantes casos de hostilização a mulheres na comunidade de games, um dos muitos efeitos da objetificação feminina em jogos e peças publicitárias, classifiquei a ação como sexista e irresponsável. No YouTube, os vídeos foram amplamente desaprovados pelo público.

Leia aqui:
Por que realizar uma campanha publicitária sexista em pleno 2015 é uma grande estupidez

Em resposta ao Overloadr (e também a outros veículos que criticaram a ação da companhia), a Level Up emitiu a seguinte declaração:

A ação com as modelos foi feita para o lançamento do evento Scorpion Vs. Spider II em Combat Arms. Nele, os jogadores tomam partido em um dos times, representados pelas duas personagens, lançadas dentro do jogo caracterizadas como nos vídeos.

Quem conhece nosso trabalho sabe que sempre apoiamos a igualdade e o respeito entre os sexos, as orientações sexuais e todos os jogadores. Combat Arms, inclusive, é um dos únicos FPSs brasileiros com equipes de e-Sports (competitivo profissional) inteiramente femininas, que recebem nosso apoio, divulgação e incentivo.

Ainda neste ano, também fizemos uma campanha voltada para demonstrar como apoiamos todas as formas de amor, independentemente da orientação sexual ou em qual jogo ele aconteça. As mensagens foram amplamente veiculadas em nossos canais oficiais, principalmente em Ragnarök e Perfect World, dois de nossos maiores MMOs. Uma das postagens da série pode ser vista em nossa página no Facebook.

Assim como fazemos em todas as nossas atividades, estamos analisando os inúmeros feedbacks, positivos e negativos – tanto dentro quanto fora de nossa comunidade – que a campanha de Combat Arms está rendendo. Definitivamente esta ação nos trará aprendizados para outras futuras.

A campanha de Scorpion Vs. Spider II continua recebendo novos vídeos, veiculados na página do jogo nas redes sociais.

  • Resumindo: tá dizendo pra todo mundo que não é sexista, mas não viu nada demais no vídeo.

  • Guilherme

    “até tem times totalmente femininos”

    e faz uma dessas? “ah felipe, pelo amor de deus”

  • Gabriel Valente

    Não achei uma resposta ruim, por causa dessa parte (resta acompanhar pra ver se é verdade): “estamos analisando os inúmeros feedbacks, positivos e negativos – tanto dentro quanto fora de nossa comunidade – que a campanha de Combat Arms está rendendo. Definitivamente esta ação nos trará aprendizados para outras futuras.”

  • Snb

    Ela não falou absolutamente nada sobre o vídeo, apenas disse que vai analisar o feedback e se defender contra ataques dizendo que ela é uma empresa sexista e homofóbica.

    Não sei no que o vídeo esta relacionado a homofobia, alguém poderia me explicar por favor?

  • rodrigo

    olha, eu não sei se existe mas se caso sim parabéns , foi a melhor resposta feita em gerador aleatório de resposta padrão… Não cara, se tu esta vendo o feedback e se você tira algum resultado dela, você tira a campanha,se tem times femininos deste jogo, essas meninas olham para estas personagens femininas com que referencia ?

  • M.Lopes

    Pensando melhor, é engraçado ver um site que publicou um artigo como esse:

    http://overloadr.com.br/especiais/artigos/2015/03/31-gaems-sengoku-rance-apenas-um-jogo/

    se incomodar tanto com um vídeo com duas garotas de biquíni. Mas enfim.

    • Milton

      tl;dr: Mensagem do texto citado bem duvidosa e se entendi certo, discordo totalmente. PORÉM, veja que o texto é de um tal de Bruno Bulhões, não do Henrique Sampaio. A opinião de cada um deles pode (e deve ser) bem diferente.

      Texto longo:
      Eu acabei de ler esse texto que você citou agora e não sei se consegui entender o que o tal do Bruno Bulhões quis dizer exatamente, mas acho que ele foi na seguinte idéia:

      1. “Não devemos desconsiderar um produto de arte, seja ele qual for, “apenas” pela sua mensagem aparente.” e que
      2. “Devemos buscar significado em qualquer obra de arte” e que também
      3. “Não podemos “discriminar” qualquer forma de arte, mesmo possuindo mensagens relativamente favoráveis ao estupro (aí teria que ver como o jogo lá em questão coloca isso, não joguei e nem vou jogar essa aparente porcaria) ou à outras questões “polêmicas” pois a mensagem em si não molda a sociedade, a responsabilidade está 100% nas pessoas que experienciam tal arte”.
      Se for realmente isso que o Bruno Bulhões quis dizer, eu discordo em tantos níveis das afirmações acima que eu precisaria de um podcast inteiro pra discorrer sobre isso, mas enfim.

      O ponto é o seguinte:
      O site Overloadr tem diversas pessoas postando matérias e cada uma dessas pessoas tem opiniões diferentes sobre os assuntos abordados no site.
      1. Bruno Bulhões me passou, com aquela matéria, que ele consegue ver arte e mensagens proveitosas em jogos de estupro e que a obra em questão (bem como outras) não se desvaloriza completamente “apenas” por abordar temas polêmicos.
      2. Já o Henrique Sampaio está mostrando que acha ruim (não só ele, eu também por exemplo e muitos aqui) uma campanha publicitária (não sei se campanha publicitária se encaixa como “forma de arte”, mas sei lá, precisaria refletir mais sobre esse ponto) que objetifica mulheres para chamar a atenção pro jogo.
      Acho que o ponto 1 supra-citado só se relaciona com o ponto 2 caso campanhas publicitárias sejam formas de arte, mas mesmo que não sejam, relacionar um com o outro implica apenas um choque de opiniões aqui no site, que não sei se serão discutidas.
      O melhor mesmo seria pedir a opinião do Bruno Bulhões sobre a campanha do Combat Arms hahahaha

  • Alisson André

    Decepcionante o novo vídeo, espero que o overloadr não pare com essas matérias, é o único jeito desse tipo de coisa chegar em mim.

  • Oscar Cariri

    Bem se vê que eles não têm ideia do sexismo da campanha. Por boa parte do texto parece que eles entenderam que a campanha era homofobica.

  • Manoel Ricardo

    resumindo: já gastamos dinheiro gravando esses vídeos pra campanha, vocês gostando ou não, continuaremos a usar.

  • leualemax

    “Quem conhece nosso trabalho” “tanto dentro quanto fora de nossa comunidade” ou seja, eles mandaram um “calem a boca porque vocês não são o nosso publico”

  • Victória Fragnito

    tá, e o que vocês serem a favor de todas as orientações sexuais tem com a sexualização da mulher? também existe gay machista, sabe?

  • Phelioz

    É… Essa discussão toda me colocou pra pensar, e cheguei a conclusão de que a Objetificação e Sexualização quando voluntarias não devem sofrer essa pressão toda de uma ideologia feminista…

    Acho que vale a critica do “bom gosto” da propaganda, que pode ser relativo… Já sobre o impacto que isso tem no mundo real – dizer que isso justifica o machismo, que isso faz com que a mulher seja maltratada – na minha opinião não faz sentido…

    O mesmo vale pra objetificação masculina, que acontece em uma escala bem menor, é claro… Quando for voluntária, qual o problema?

    Acho errada essa associação em tratar mal uma mulher com sexualiza-la… Como disse: são dois problemas diferentes.

    No que se refere à sexualização, acho que seria mais produtivo (mais uma vez, na minha opinião) que o feminismo atacasse o comportamento de humilhar e criticar as pessoas que decidem se expor dessa forma. Acho mais produtivo defender a liberdade das pessoas do que querer regular os comportamentos que não são – propriamente – positivos ou negativos.

    A sexualização, por si só, não é negativa.

  • Sandro Sonetti

    Nao pode usar mais Bikini? Não pode deixar de colocar todas as raças de pessoas nas capas? Não pode fazer um game somente com relacionamento heterossexual? Isso aqui… Isso ali..
    PQP. As pessoas ficam procurando coisas para poderem brigar.
    Se Final Fantasy faz propaganda com as personsagens peitudas, e assim como todo game japones, todos acham lindo. (AH É JAPONES, É assim mesmo la). Nao sei pra onde correr de tanta perseguição com as coisas.
    Nada, nada pode mais. Coloca todo mundo de calca jeans, camisa branca e all-star então, resolve tudo.
    Parei com mundo.. assim como rede social