A Razer anunciou nesta segunda-feira (27) que adquiriu a empresa Ouya, mais especificamente “a propriedade de software do Ouya, incluindo seu catálogo de conteúdo e plataforma de vendas online”.

Ouya apareceu ao público pela primeira na forma de um Kickstarter, que buscava financiamento para um console baseado em Android. Esse aparelho seria aberto, permitindo que jogos indie fossem publicados sem as barreiras impostas (na época) pelas grandes empresas, como Sony e Microsoft. O Ouya foi financiado (e, transparência, este que vos escreve contribuiu para isso), porém não encontrou sucesso com o público. Apesar de alguns títulos interessantes terem aparecido por lá – mais notavelmente TowerFall, que foi exclusivo à plataforma por algum tempo – o Ouya sumiu da mente de todos, rapidamente sendo reestruturado e se tornando uma rede de distribuição de conteúdo.

E, ao que tudo indica, essa é a parte que mais interessa a Razer. Em nota, a empresa explicou que publicará conteúdos para Android TV e jogos para TVs baseadas em Android sob o nome de “Ouya”, além de relançar a loja do console como “Cortex para Android TV”. O aparelho físico em si não será levado em diante pela Razer.

Leia também:
– Kellee Santiago sobre o futuro incerto do Ouya: “Nós temos um plano”
– Novo console da Nintendo, o NX, pode ser baseado no sistema Android

A antiga equipe do Ouya será transferida para a nova casa. “A equipe técnica e de relações com desenvolvedores por trás do Ouya se juntaram à equipe de software da Razer,” diz a nota. O co-fundador e CEO da Razer complementa, “o trabalho do Ouya com desenvolvedores de jogos, tanto no âmbito do triplo A quanto como indies, ajudou muito a trazer jogos do Android para a sala de estar, e a Razer planeja levar em frente esse trabalho. Essa aquisição tem o objetivo de trazer mais desenvolvedores e mais conteúdo para o Android TV.” Entretanto, a fundadora do Ouya, Julie Uhrman, não parece que fará a transição. Em seu twitter ela teve o seguinte a dizer: “Razer, eu mal posso esperar para ver o que você fará. Tome conta do meu incrível time e da minha incrível comunidade. Eu sei que vocês tomarão. Ouya foi uma experiência única. Agora, é hora de partir para a próxima… fiquem ligados!”

Ainda não está claro como, mas a Razer tem intenções de apresentar um “caminho claro de migração” aos usuários do Ouya para o micro-console Forge TV e ao controle Serval. Dito isso, os jogos comprados no Ouya e os controles do console poderão de alguma forma serem usados na plataforma Cortex TV e no Forge.

A análise mais comumente sendo feita da compra é que este é um movimento estratégico para a Razer se aproximar do mercado chinês. O Ouya já distribuía jogos para o Xiaomi Mi Box e para o Alibaba Tmall Box, ambos consoles de TV baseados em Android, lançados na China no ano passado. Isso, somado ao fato de que a proibição de consoles no país chegou ao fim há poucos dias, deverá criar mais aberturas para a empresa.

 

  • leoleonardo85

    Heitor sempre quis ter algum produto da Razer.

  • Posso ser sincero? OUYA morreu! e isso pra mim não tem nada de louvável, Kickstarter promoveu a venda de um console e o dono resolveu vender o que foi adquirido.
    Ninguém nesse mundo mais tem honra ou força de vontade para nada que terrível isso.

    • Rodrigo Sales

      entao faca seu proprio console indie e sobreviva no mercado, nao tem nada a ver com honra e forca de vontade, ele ja provou que tem tudo isso ao fazer o projeto funcionar, a situacao dele se trata de nao deixar o sonho morrer, passando o projeto pra uma marca mais forte capaz de reposicionar o produto no mercado.

      • Colocar um vídeo game no mercado não é apenas criar o console e deixar ele a Deus dará, trata-se de um vídeo game “indie”. Quando temos um projeto “GRATUITO” a intenção é convencer os novos desenvolvedores a lançarem games em nossa plataforma e tentar dar um suporte a isso, mesmo que nosso lucro seja de 100 real.
        Não vi a empresa junto de nenhum desenvolvedor, não vi movimentos relacionados ao console, não vi força de vontade nenhuma, concordo com você em partes já que o próprio desenvolvedor do ouya não sabia o que fazer com o filho bastardo.

  • rodrigo

    Heitor agora tem um produto Razer