Ambientado na New Orleans da década de 60, Mafia III abordará racismo

Os primeiros detalhes de Mafia III foram apresentados pela 2K durante a Gamescom, tal como seu primeiro trailer. Embora ainda seja uma história de crime, o novo jogo da série pinta os membros da máfia italiana nos EUA, que antes assumiam o protagonismo, como vilões.

A trama gira em torno de Lincoln Clay, um rapaz negro e órfão, que passou parte de sua vida buscando se encaixar em algum grupo social. Após voltar da guerra do Vietnam, Lincoln é bem aceito em uma família de criminosos de New Orleans, durante a década de 60, período de grandes revoluções sociais contra o racismo, como o movimento Black Power, e contra a guerra. Os laços desta família com a máfia italiana resulta em perdas profundas a Lincoln, que decide fazer justiça com suas próprias mãos.

Veja também:
Sunset também aborda revoluções sociais e década de 60, leia a análise

Primeiro jogo em desenvolvimento pelo novo estúdio da 2K, Hangar 13, fundado por Haden Blackman, ex-LucasArts, Mafia III quer recriar a cultura negra de New Orleans dos anos 60, tal como retratar o preconceito racial que impulsionou grandes revoluções, lideradas por Martin Luther King Jr e ativistas sociais.

O título traz de volta Vito, protagonista de Mafia II, que aqui está ao lado de Lincoln, além das mecânicas de direção e tiro dos jogos anteriores, amplamente baseada no uso de cobertura.

Mafia III será lançado para PlayStation 4, Xbox One e PC em 2016.