Os estúdios Double Fine, InXile e Obsidian foram responsáveis pelas maiores arrecadações via Kickstarter e, juntos, ajudaram a popularizar a plataforma de financiamento coletivo, tornando-a um modelo alternativo ao investimento tradicional na indústria de games. Agora, Tim Schafer, Feargus Urquhart e Brian Fargo, os principais nomes por trás destes estúdios, se juntaram ao Fig, primeira plataforma de financiamento (e investimento) coletivo para videogames.

Fundado por Justin Bailey, ex-diretor de operações da Double Fine, o Fig tem grandes diferenciais em relação ao Kickstarter ou o Indiegogo. A primeira delas diz respeito à curadoria de projetos. Diferentemente das outras plataformas, apenas jogos podem ser submetidos ao Fig, mas antes de virarem uma campanha de financiamento coletivo, eles passam por uma avaliação que determinará se o projeto é viável e está pronto para partir para a arrecadação e o investimento público. Os melhores projetos receberão consultoria dos três estúdios, para que as chances de sucesso dos projetos sejam maiores.

fig-site

Primeiro projeto do Fig é Outer Wilds, premiado no IGF 2015

Além disso, o Fig que permitir que os consumidores que investirem seu dinheiro recebam uma parte de volta, de acordo com os lucros gerados por ele, dentro de certas condições. Para isso, a companhia está trabalhando com advogados nos EUA e, futuramente, no Reino Unido, uma vez que quer tratar a injeção de dinheiro do público não apenas como doação, mas um investimento per se, envolvendo contratos legais. Contudo, a doação tradicional, aos moldes do Kickstarter, continuará sendo uma opção.

A primeira campanha da plataforma é Outer Wilds, que busca US$ 125 mil. O jogo de exploração de mundo aberto foi premiado na última edição do Independent Games Festival (IGF).

  • Willian Tetsuo Shiratori

    Esse negócio de manter só jogos não me convence. A plataforma, uma hora, acaba morrendo. Já vi exemplos brasileiros e americanos que nem lembro o nome mais.

    • Victor Cardozo

      Hum de fato, mas acho que a figura muda muito, com justamente nomes de peso por trás disso, e ainda mais um deles participando inclusive do vídeo do primeiro projeto. Me parece que realmente eles estão querendo criar uma forma a mais de ajudar os dev’s e não apenas criar uma plataforma de arrecadação de dinheiro.

      • rodrigo

        esses nomes de peso.. ai que ta o problema

  • Alexandre Cassemiro

    Gosto muito da parte de curadoria para lançar projetos. Só espero que isso não se torne um gargalo para o lançamento de novos projetos na plataforma.

    • Victor Cardozo

      Será um gargalo e filtro, mas isso me parece bom, porque realmente vai preparar os projetos para o mercado e aumentará a pressão para o projeto ser concluído.