A The Pokémon Company, subsidiária da Nintendo, anunciou em uma coletiva no Japão um novo jogo de Pokémon para smartphones iOS e Android, chamado Pokémon Go.

Inspirado em jogos massivos online e de realidade aumentada, o título pede aos jogadores que se locomovam pelo mundo real em busca de monstrinhos para então batalhá-los e capturá-los. A Niantic, companhia especializada em jogos de realidade aumentada e alternativa, parte do Google até agosto de 2015, é quem cuida do desenvolvimento do título.

Veja também:
Já imaginou como são as Pokébolas por dentro? Este designer já

A ideia é que os jogadores aproveitem viagens e deslocamentos em cidades e países para caçar por novos pokémons, como coletar um Bulbasaur na estação de Shinjuku em Tóquio ou um Pikachu na Torre Eiffel, como explicado por John Hanke, presidente da Niantic e co-criador do Google Earth.

Durante a conferência, Tsunekazu Insihara, presidente da The Pokémon Company, afirmou que Satoru Iwata, falecido em julho passado, estava diretamente envolvido no conceito do jogo.

Pokémon Go funcionará também com um dispositivo baseado em Bluetooth chamado Pokémon Go Plus, uma espécie de pulseira com um adereço similar a uma pokébola com um formato similar aos pinos de marcação do Google Maps – o que reforça o fato de que a Nintendo estava trabalhando com o Google, antes de sua reestruturação e a independência da Niantic.

Pokemon_GO_Plus_w_strap.0

Quando há um pokémon por perto, o dispositivo vibra e acende, indicando a presença de uma criatura, a qual deve ser averiguada usando o smartphone. Embora o dispositivo não seja necessário, ele ajudará o jogador.

Curiosamente, a ideia por trás de Pokémon Go é bastante similar à brincadeira de 1º de abril realizada pelo Google em 2014, que também espalhava criaturinhas ao redor do mundo, as quais os jogadores deveriam procurar usando o Google Maps. É bem possível que ela tenha servido de teste ou mesmo dado origem ao desenvolvimento de Pokémon Go.

Para Shigeru Miyamoto, que também apareceu na conferência, Pokémon Go é um Pokémon Snap na vida real.

Pokémon Go chega em 2016 como um aplicativo gratuito, mas com venda de itens e recursos. O preço do acessório não foi anunciado.

  • Leonardo Calça
    • O guri da direita está vestido de Finn?!

      • Leonardo Calça

        HAahaha parece que sim

  • Marcelo Hagemann

    Só espero que tenha pokemons por toda parte. Não quero ter que sair da minha cidade só para conseguir capturar alguma coisa.

    • rodrigo

      Espero sinceramente que todos os pokemons do tipo agua, e que sejam do mar, serem apenas capturados em cidade litoraneas…

    • Diogo Gomes

      Sendo pokemon, não duvido que seja algo mundial… haha

    • Jonathan Menegalli

      ia ser legal poder trocar os pokemons e aí a problemática de ter que viajar pra outras cidades acaba e ainda ia forçar os jogadores a interagir com mais gente que joga pokemon e mora longe

      • O trailer do jogo mostra que podem rolar trocas além de eventos com lendários e tal!

  • João Dobbin

    FINALMENTE UMA RAZÃO PARA SAIR DE CASA

  • IcaroBrendel

    A quantidade de merda que isso vai dar, com gente apontando celular na direção dos outros vai ser lindo.

  • rodrigo

    Eu não quero usar a pulseirinha, não quero mesmo…

  • Sempre defendi que um MMO de Pokemon teria poder suficiente para derrubar WOW como maior experiência massiva online, mas essa ideia do Pokemon Go é um passo muito mais ousado e fantástico.

    A Nintendo abandonou os limites ao anunciar o Pokemon Go e quer ficar rica a qualquer preço. E vai conseguir

  • Franco Carbonaro

    Uma coisa que eu não entendi nesse vídeo: será possível ver os pokémons? No vídeo da a entender que sim, mas não vi ninguém usando algum tipo de óculos especial ou apontando o celular para os locais onde os pokémons aparecem.

    • Leandro

      Vídeo totalmente ilustrativo. Obviamente não vai dar pra ver o Pokemon, somente da sua própria tela do celular, através da realidade aumentada, talvez.

  • José Neto

    Muitas perguntas. O aparecimento dos pokémons vai ser aleatório? Ou, por exemplo, as partir do momento em que um for capturado em um lugar outros não poderiam mais encontrar o pokémon ali?

    A princípio , acho legal a ideia de pokémons de água serem encontrados em cidades litorâneas. Ou per o de rios e lagos (coitados dos que estiverem na lagoa Rodrigo de Freitas).

    De qualquer forma, nunca fui fã de pokémon, mas esse jogo pode substituir Clash of Clans como meu sifão de vida oficial.