O Google anunciou hoje o Youtube Red, um serviço de assinatura do Youtube que faz com que os vídeos não tenham propagandas, além de permitir que eles sejam baixados em telefones e tablets, dentre outras coisas mais.

O Youtube Red estará disponível nos EUA a partir do dia 28 de outubro, ainda sem previsão de quando ele chegará ao Brasil, mas a parte mais intrigante ocorrerá no ano que vem. No início de 2016, aqueles que pagarem a mensalidade do Youtube Vermelho terão acesso a séries originais do site – que estão sendo chamadas de Youtube Originals -, que são feitas ou contam com alguns dos criadores de vídeos mais proeminentes da atualidade.

Dentre eles está Felix Kjellberg, mais conhecido como PewDiePie, o maior Youtuber do mundo, contando com mais de 40 milhões de assinantes. PewDiePie terá uma série de reality chamada Scare PewDiePie. De acordo com a descrição, “neste aventura-reality do criador e produtores de The Walking Dead (…), experiencie arrepios e risadas enquanto PewDiePie encontra situações assustadoras inspiradas pelos seus jogos favoritos.”

Além de Scare PewDiePie, outros nove seriados foram anunciados, incluindo alguns produzidos pelo CollegeHumor e Rooster Teeth. A lista completa pode ser vista aqui.

Será muito interessante observar a trajetória do Youtube Red. Será que os fãs desses criadores estarão dispostos a pagar pelo conteúdo para que vejam novos produtos daqueles que admiram, ou a barreira de preço os desanimará? Além disso, será que testemunharemos progressivamente mais conteúdos originais do Youtube, quem sabe vendo eventualmente surgirem produções tais quais as que vemos no Netflix, ou ele se focará apenas em criações atreladas às celebridades do site?

Seja quais forem as respostas para isso, é um movimento bem importante e chamativo por parte do Youtube, um que, apesar de não descartar o modelo antigo, dialoga com a ideia de assinaturas que eliminam o padrão atual de publicidade na internet. Valerá a pena observar a recepção ao Youtube Red de perto.

 

  • No MotherChip da BGS o Teixeira tava perguntando pq os caras gigantes não se aliavam com o Youtube pra ganhar dinheiro… aconteceu!

  • Alisson André

    Isso explica as fotos que ele ficava postando sujo de sangue.

  • Vitor Valadares

    Um detalhe muito importante que escapou no post, quem assina o google music já vai estar assinando o YouTube red, sem acréscimo na mensalidade. Não sei se vai dar pra dizer qualquer coisa sobre a reação do público só baseado nos números, neste caso, visto que muita gente pode estar atraído pelo pacote, muito mais do que pelo possível conteúdo exclusivo.

    • Diogo

      Nossa! não sabia disso… Assinar o google music agora tem vantagens ainda maiores frente os competidores…

  • Juro que li “Red Tube”! Me sinto um sujo…

  • rodrigo

    que azedo…

  • Me lembro de um artigo da Meio&Mensagem sobre a atual situação do Brasil e as transformações que o mercado da Publicidade vai sofrer em decorrência a isso. A mudança de estratégia da Google não confronta apenas o mercado publicitário tupiniquim: é um atestado de que a publicidade na Internet, em escala global, ainda não atingiu as cifras bilionárias com as quais os veículos estão trabalhando.
    Por aqui ainda tem um ou outro blogueiro conseguindo tirar o salário mensal através dos cliques patrocinados, mas os retornos que o Marketing na Web vêm trazendo até agora para veículos com custos operacionais imensos, como a maior rede de streaming de vídeo do mundo, ainda não estão matando a fome dos anunciantes, ou atendendo às necessidades dos veículos. Em parte, isso é triste e preocupante, mas por outro lado, é claro que a publicidade na Internet não vai deixar de existir. Só precisa evoluir, como tudo na vida, e se adaptar à realidade do mercado.
    Mas é uma pena, eu gosto dos comerciais do YouTube. =<

  • É de fato uma proposta interessante, porém não me desperta o mínimo interesse em assinar esse serviço. Torço para que o YouTube invista em séries originais como tem feito o Netflix

  • Luk

    Aeee vou pagar pra ouvir o PewDiePie gritando