Neste final de semana foi apresentado na PlayStation Experience o primeiro e belo trailer de gameplay de Final Fantasy VII. Um detalhe curioso anunciado pela Square Enix, que passou batido no evento, é que o jogo será dividido em partes, “com cada parte oferecendo sua própria experiência única.”

A companhia ainda não esclareceu o que isso significa exatamente. Uma possibilidade é que o jogo seja dividido tal qual Final Fantasy XIII, que recebeu três jogos fechados e independentes entre 2010 e 2014. Ou, talvez, siga a linha de Resident Evil Revelations 2, “fatiado” em cinco episódios, lançados com um intervalo entre cada.

Em entrevista à revista Famitsu, o diretor Tetsuya Nomura explicou a razão para dividir o remake em partes. “Se fôssemos tentar enfiar tudo em uma única parte, teríamos que cortar várias coisas e criar uma versão condensada de Final Fantasy VII. Mas não há por que fazer isso”, disse Nomura. “Por exemplo, jogadores vão poder explorar diferentes áreas de Midgar que não estavam no jogo original — se vamos refazer esse mundo, queremos adicionar áreas e detalhá-los com muito detalhes”.

“É claro que, talvez, algumas partes do original sejam cortadas por diversas razões, mas com toda a nova representação que estamos adicionando no game e o nível de detalhe que estamos incorporando, a quantidade geral de conteúdo vai aumentar. Tenho certeza que todos estão ansiosos sobre nossa agenda e queremos que todos joguem o mais rápido possível, também. Essa é outra razão pela qual estamos tomando essa decisão”.

Final Fantasy VII Remake, em desenvolvimento para PlayStation 4, ainda não possui previsão de lançamento. A versão original, contudo, foi disponibilizada na PSN para o PlayStation 4, e está com 30% de promoção (na loja americana) até dia 13 de dezembro.