Em produção há mais de seis anos, jogo brasileiro Distortions deve chegar até começo de 2017

Distortions, antes conhecido como 1 Carnaval de Distorções, poderia ser considerado o Duke Nukem Forever brasileiro, se não fosse a dedicação de sua equipe em sempre mostrar o progresso de sua produção, seja em seu site oficial, seja nas redes sociais. Apesar do longo período de desenvolvimento, o projeto, criado pelos paulistanos Thiago Girello, Ricardo de Britto, Cadu Cipolla Luca, uma equipe flexível, além de múltiplos colaboradores ao redor do País, incluindo Thais Weiller, da JoyMasher, Amora, da MiniBoss e Eduardo Lamhut, da BitCake, vem tomando forma a cada dia que passa.

“Em sua fase embrionária, em meados de 2010, foram muitos estudos de tecnologia, conceituação”, diz Girello, líder do projeto. “Reformulamos a produção de uns dois anos pra cá. Criei uma produtora nova, a Among Giants, para agilizar o trabalho. A ideia do projeto sempre foi simplificar e melhorar.”

Com o projeto reformulado e o desenvolvimento fluindo, a ideia da equipe é lançá-lo entre o fim de 2016 e começo de 2017. Abril será um mês importante para a equipe: além de um novo trailer, que dará início a uma campanha de divulgação, o jogo será levado ao Greenlight, onde a Among Giants buscará aprovação para o lançamento de Distortions no Steam. Além disso, entre junho e julho, a equipe pretende fazer um beta test, que vai determinar quando o jogo poderá ser efetivamente lançado.

No último vídeo de gameplay, acima, divulgado nesta quarta-feira (3), a equipe mostra detalhes de uma das regiões do jogo, composta por uma floresta e uma caverna. “O jogador está indo atrás de uma partitura, que permite que ele crie barreiras, que no vídeo são usadas para bloquear inimigos e troncos que estão vindo no rio contra a correnteza.”

Além das partituras, a protagonista precisa encontrar as páginas de um diário, escrito por um autor misterioso, o qual guia sua jornada. Com seu violino, a garota é capaz de realizar invocações e magias. Algumas dessas habilidades especiais envolvem tocar as notas em uma sequência específica, em um minigame musical, como é apresentado no vídeo. Distortions também brinca com a ideia de mundos paralelos coexistindo no mesmo lugar, com a garota sendo capaz de navegar por estes planos.

A primeira parte do jogo será linear, com outras duas partes abertas, que permitirão que o jogador escolha o que fazer em seguida.

Segundo Girello, Distortions também receberá uma versão para PS4, desde que haja uma boa recepção no PC, onde chegará primeiro.

A equipe agora corre contra o tempo para aprimorar alguns aspectos de Distortions, como as animações, câmera, o minigame musical e a performance geral do jogo, para a divulgação do primeiro trailer oficial.

Veja também:
– A indústria brasileira de videogames em 2015