Sexo grupal e party games certamente possuem algumas coisas em comum. Ambos possuem regras a serem cumpridas e dinâmicas sociais: uma certa coreografia que envolve espontaneidade, cumplicidade e comunicação, mesmo que ela não se traduza verbalmente. Quando todos entram na mesma sintonia, assumindo seus papéis de forma voluntária, o prazer coletivo é potencializado. O que torna Genital Jousting fascinante é justamente o fato de que ele é um party game bem humorado sobre sexo grupal e seu conjunto de dinâmicas.

O conceito de Genital Jousting (cuja tradução literal seria Justa Genital, tal como o esporte composto por dois cavaleiros armados de lança, que tendam derrubar um ao outro de cima de seus cavalos), surgiu durante a Berlin Minijam, realizada no final de 2015. Alguns desenvolvedores, dentre eles Evan Greenwood e Jarred Lunt da Free Lives, estúdio por trás de Broforce (um multiplayer cooperativo regado a testosterona) queriam experimentar a ideia de um jogo multiplayer em que os jogadores perseguiam uns aos outros para penetrá-los.

A ideia foi traduzida na forma de um jogo que consiste em uma arena, na qual de quatro a oito piroquinhas (ou piroconas) coloridas tentam se enfiar no orifício uns dos outros, localizado exatamente atrás de suas bolas. O objetivo de cada jogador é penetrar no buraquinho dos outros jogadores, mas ser penetrado também garante pontos aos envolvidos. Ou seja, basicamente, perde aquele que não come e nem dá — pobres voyeurs. Não está claro se a autopenetração garante pontos, mas considerando que o jogo é sobre a dinâmica social do sexo, e não o ato solitário, eu concluiria que não.

O sistema de pontos em si esclarece que todo ato sexual representado ali é consentido, mas a equipe quis reforçar a ideia, colocando a mensagem “press up to consent” (pressione para cima para consentir) na tela inicial, em que os jogadores entram na partida. Cada um deles ganha seu próprio pinto colorido, aqui representados com roupinhas e adereços, que certamente ajudam a desconstruir qualquer sinal de seriedade ou realismo.

genital-jousting-

O tamanho dos cacetinhos varia a cada partida, e quanto maior o comprimento, mais frouxos são seus movimentos, o que torna difícil a penetração — que sempre que ocorre, vem acompanhada de um anúncio, ao melhor estilo arcade.

Em entrevista ao site Kill Screen, Evan Greenwood, explica por que o jogo não traz a representação de vaginas e, consequentemente, do sexo feminino — o que torna o sexo em Genital Jousting exclusivamente gay. “Tornar o pênis em algo bobo e imbecil funciona bem por que a masculinidade normalmente é retratada como poderosa e bem sucedida. A mesma piada não se traduz perfeitamente para vaginas.”

Genital Jousting está sendo desenvolvido para PC e está previsto para Abril de 2016. Seu site oficial deve trazer mais detalhes sobre ele em breve.

  • Janitor Charmiguel
  • Rafael Pradella

    TEM que ter esse jogo no Sexta Show dessa semana!

  • Essa GIF é fantástica!
    Pra mim é isso que deus vê quando olha pra terra, ou os aliens, depende da sua religião.

  • Amanda

    Tô rindo demais aqui, que maravilha

  • Gabriel Raposo

    regreto nada

  • Gilmar Souza

    Citando Serginho Malandro para explicar esse jogo em uma só frase: “Meu pipi no seu popô, meu popô no seu pipi”

  • Tais

    consigo imaginar o rique se rachando de rir enquanto escrevia essa bela notícia, lol