O brasileiro Distortions ganhou um trailer bastante dramático

Após aproximadamente seis anos de desenvolvimento e um longo processo que culminou na criação do estúdio independente paulistano Among Giants, o jogo Distortions recebeu um anúncio mais consolidado e um novo e dramático trailer.

Descrito pelos seus criadores como um “psicodrama musical”, o jogo em terceira pessoa segue a jornada de uma violinista em um mundo surreal parado no tempo. Co-existindo paralelamente a este, há uma realidade consumida por tons brancos, que também pode ser acessada pela protagonista.

Ao tocar seu instrumento, o que é feito em de minigame musical, ela é capaz de manipular fisicamente o cenário ao seu redor. As habilidades também servem para interagir com as criaturas hostis que habitam esse mundo, incluindo um enorme ser gigante.

Veja também:
– Em produção há mais de seis anos, jogo brasileiro Distortions deve chegar até começo de 2017
– Afinal, o que aconteceu com o jogo brasileiro The Light of the Darkness?

A saga, dividida em capítulos, é uma alegoria a relacionamentos e tem como referência jogos como Shadow of the Colossus e Silent Hill 2 e os filmes Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças e Once (Apenas Uma Vez). O primeiro episódio está previsto para o primeiro trimestre de 2017, inicialmente para PC.

  • Lucas Freitas

    Achei o trailer beeeem confuso.Parece interessante e espero que seja bom, todo apoio aos developers

  • Paulo Henrique

    É… então ta.

  • Yuri Ortin Elste Bileski

    A história me lembrou um pouco de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”.
    Quanto ao visual, eu tenho a impressão de que o jogo ficaria mais bonito sem os desenvolvedores abraçassem de vez uma estética low poly ao invés de buscarem uma qualidade de ponta que não é alcançada e acaba gerando um uncanny valley

  • Stéffano Rossi Coelho

    parece ser interessante, mas talvez tenha ficado “épico” demais?

  • É o estilo de jogo que não gosto muito, mas admiro muito o esforço dos devs. Trilha sonora e visual estão legais. Achei um pouco (na opinião bem respeitadora) durinha a moça, o rigg dela faltou alguma coisinha. No mais o cenário, música e ideia estão interessantes. Torçamos para que seja um sucesso.