Neste último domingo (10), o canal do Youtube Debuglive compartilhou uma entrevista muito interessante na qual relata os trabalhos de James Laird-Wah – também conhecido como Dr Abrasive – em conseguir crackear o sistema de DRM do Sega Saturn.

O Saturn é uma plataforma notória pela complexidade de sua arquitetura que, além de apresentar dificuldades na época para o desenvolvimento de seus jogos, também se tornou um desafio para aqueles que, anos depois, desejavam compreendê-lo e desvendá-lo para tirar proveito dele. Isso envolve aspectos óbvios e conhecidos como emulação – que hoje em dia tem soluções boas, mas não perfeitas -, assim como alguns buscados com menos frequência, como acesso ao chip de som do Saturn. Foi justamente assim que começou a empreitada de Laird.

Todo o processo teve início em 2013, quando Laird percebeu que para poder fazer uso pleno do chip de som do console ele teria de ter acesso a um mod chip, dificilmente encontrado, e gravar CDs para o Saturn ler. Trata-se de uma série de passos complicados e largamente inacessíveis, o que o fez decidir compreender os bloqueios do aparelho e fazer uma engenharia reversa, de forma a burlá-los.

Um dos desafios relacionados ao DRM do Saturn está no fato de que seus discos têm uma marca física na parte mais de fora dos CDs, uma espécie de ondinha. Isso não tem como ser reproduzido por gravadores de discos caseiros e, de acordo com o que é explicado por Laird e por relatos de pessoas que já tentaram o mesmo, não se trata de barreira facilmente contornável. O que o Dr Abrasive fez foi entender como era a checagem desse sistema feita pelo drive de disco e, em seguida, desenvolver um programa que permitisse que os dados fossem enviados ao console via USB.

O resultado é que, com o que ele possui agora, você pode ripar o conteúdo de um disco original de Saturn para o seu computador, passá-lo para um USB e fazer com que o console o leia perfeitamente, mantendo em geral até os mesmos tempos de loading originais. Isso é especialmente interessante porque é comum que os drives de disco do Saturn parem de funcionar. Com a solução desenvolvida por Laird, esse problema passa a ser mitigado.

Sega Saturn

Sega Saturn

Junto disso, Dr Abrasive compartilhou todas as suas descobertas feitas através dos anos cavocando o código do antigo aparelho da Sega com os desenvolvedores da Yabause, de forma que eles possam melhorar a qualidade dos emuladores que existem do console. O chip e código criados por Laird não estão sendo vendidos ou tendo sua estrutura compartilhada com outras pessoas. Ainda existem alguns ajustes a serem feitos até que isso passe a ser acessível publicamente.

Ao explicar por que passou tanto tempo com esse projeto, Laird diz que “é por duas coisas. Um é pelo aspecto do arquivamento. Eu gostaria que as pessoas pudessem confiar que esses sistemas continuarão a funcionar. Com solid state systems completamente substituíveis isso, quem sabe, possa acontecer para sempre. E a outra coisa é que eu queria dar possibilidades às pessoas que gostariam de explorar mais a capacidade desses sistemas.”

Essa não é a primeira vez que que as fortes proteções do Saturn são derrubadas. O Rhea já existe há alguns anos e permite que jogos sejam lidos através de um flash card, porém sua instalação não é considerada simples, fato que torna a conquista de Dr Abrasive tão chamativa.

Com isso, não há como não mencionarmos a legalidade de todo o assunto. Quando estamos falando de emulação ou de maneiras de jogos funcionarem em consoles sem ser através de seus discos estamos entrando no âmbito da pirataria ou, no mínimo, de uma área cinza cuja moralidade é muitas vezes questionada. O próprio trabalho de Laird, pelo que é explicado, poderia ser usado sem problemas para que títulos de Saturn fossem compartilhados e rodados sem empecilhos, bastando que eles fossem colocados em um drive USB (não há proteções para você ripar os discos). Ao mesmo tempo, são trabalhos como esse que garantem a preservação desses jogos, muitas vezes sendo só por conta de esforços de tais comunidades que conseguimos até hoje experienciarmos certos títulos.

Mais do que isso, a engenharia reversa de Laird ajudará a preservar especificamente a capacidade de que títulos ainda sejam jogados nativamente em um Saturn, algo que, por conta da morte dos drives de discos, é progressivamente mais difícil. Além de um purismo respeitável, isso abre espaço a diferentes possibilidades em certas cenas, como a de speedrunners. Por conta disso, mesmo que haja um pé na ilegalidade, nos sentimos confortáveis em falar sobre o assunto.

A entrevista é bastante fascinante e, se inglês não for um problema, recomendo que você a veja por inteiro.

  • Paulo Henrique

    O SS mais barato quea chei aqui no BR é 450 reais no mercado livre.

  • Infelizmente está fora da legalidade. É triste isso. Todos ganhariam se as empresas facilitassem o acesso a seu acervo e dessem ao menos uma permissão a esse tipo de pessoa para trabalhar com seus hardwares..

  • Diego Augusto

    Eis um console que eu gostaria de ter tido…

  • Bruno Thomaz

    Eu tive um desses…. E sinto muita saudade e arrependimento de tê-lo vendido pra comprar um PS1… To pensando seriamente em procurar algum pra comprar…. Joguei muuuuuito!