Em 2015, quase 3 mil jogos foram lançados no Steam. Poncho foi um deles, e é provável que você sequer sabia de sua existência — bem como a da grande maioria desses jogos. Isso não significa que ele é um jogo ruim. Pelo contrário, Poncho é um charmoso jogo de plataforma que evoca certas qualidades de títulos lançados para a geração 32-bit, mesclando mundos 2D com navegação em 3D, além de lembrar um pouquinho Fez. E mesmo com tais qualidades, uma sucessão de eventos fez com que Poncho fosse amplamente ignorado, levando seus três criadores a arcar com dívidas de milhares de dólares, perder uma casa, kits de desenvolvimento da Sony e viver um ano inteiro em depressão.

O postmortem escrito por Daniel Hayes, co-criador de Poncho e co-fundador da Delve Interactive, e publicado recentemente no site oficial do jogo, não é exatamente uma leitura agradável: o texto aborda com bastante franqueza as alegrias e as dores da equipe durante o desenvolvimento de seu primeiro jogo independente: uma campanha fracassada no Kickstarter, um estande mal localizado em um evento de games, as frustrações de se trabalhar com uma publisher e o desespero de ver o projeto que consumiu os últimos quatro anos da sua vida afundar no oceano de jogos que é o Steam atualmente.

A história de Poncho não é muito diferente de tantas outras que ouvimos de desenvolvedores independentes — muitas delas, eu mesmo venho explorando aqui no Overloadr, nos links que você lê abaixo –, e, por isso, as lições aprendidas pela equipe de Poncho são tão valiosas para qualquer um que pretende lançar um jogo independente ou está tentando encontrar seu próprio caminho nesse meio.

Algumas das lições aprendidas por Hayes são:
– Não abandone seu emprego
– Você provavelmente não fará muito dinheiro. Não arrisque suas finanças por anos entrando em débito e apostando todas suas fichas no projeto.
– Não lance seu jogo em novembro
– Publishers não farão com que magicamente as pessoas falem sobre seu jogo. Se esta é a razão para que você esteja procurando uma, não o faça.
– Não dê cópias de seu jogo a youtubers com muitos assinantes que as solicitarem. Se você receber um pedido de um youtuber que possui um milhão de assinantes, fique alerta. Youtubers populares não solicitam keys. Se você der a eles uma cópia, seu jogo pode estar por todos os sites piratas e de torrent dentro de uma semana.

Poncho não rendeu à equipe um tostão, apesar de suas quase 20 mil cópias vendidas apenas no Steam (segundo o Steam Spy), e seu último ano de desenvolvimento é descrito por Hayes como “o pior de sua vida”. Apesar de tudo, ele diz que seu desenvolvimento valeu a pena. Além de realizarem um sonho, que era lançar um jogo no Steam e em consoles, Hayes se lembra de uma garotinha que sempre retornava ao estande de um dos eventos que eles participaram para jogar Poncho, seu jogo favorito da feira. “Aquilo fez todo o estresse valer a pena, mesmo que por um momento.”

Mesmo voltando à vida de empregado, a equipe não dispersou. Ao fim do postmortem, Hayes anunciou um novo jogo da Delve Interactive, que curiosamente parece ser resultado de seu medo de ser despejado e morar na rua: Change, um jogo de sobrevivência sobre pessoas sem teto.

O drama do desenvolvimento de Poncho explicita a dificuldade que é desenvolver jogos de forma independente, bem como a necessidade de se manter próximo à comunidade de desenvolvedores e aprender com as experiências vividas por quem já trilhou o caminho que você deseja trilhar.

Leia também:
As dores e alegrias da carreira indie no Brasil, por cinco desenvolvedores
Afinal, o que aconteceu com o jogo brasileiro The Light of the Darkness?

  • Kiliano Lopes

    Fiquei até com dor no coração por não ter comprado na summer sale. vou ver agora 🙁

  • Hernesto Vautero

    Lendo os comentários do Post Mortem, em certo momento a publisher decide comentar para se defender do aspecto vilanesco que o texto deixa a entender sobre eles, e isso abre a porteira para que os desenvolvedores também falem mais abertamente a respeito. Vale a pena ler, eles acabam entrando em tantos detalhes que eu realmente tenho medo que possam sofrer repercussões legais.

  • Arthur Leandro Kurz

    eu tenho um jogo o facebook que tinha 10.000 usuários mensais, mas ai o facebook mudou as politicas e não sei o que acontece pois caiu pra quase nada os acessos, meio na cara que o facebook quer que eu pague anuncios