Desenvolvedores independentes possuem cada vez mais autonomia e liberdade na publicação de seus jogos em consoles. Se por um lado isso traz uma maior diversidade nas plataformas da Sony e da Microsoft, alguns títulos “peculiares” acabam passando pela peneira. Mas quando o canal PlayStation no YouTube passa a publicar trailers de títulos de qualidade deplorável, a dúvida que fica é: estariam as plataformas PlayStation virando um repositório de jogos obscuros bizarros e amadores, tal como é o Steam atualmente? Se sim, isso é algo bom?

O mais impressionante é que há jogos independentes realmente bons no Steam que não recebem o mesmo destaque que esses jogos receberam ao terem seus trailers (horrendos, diga-se de passagem) publicados no canal do PlayStation no YouTube. Eu tive que me certificar de que eu não estava em um canal falso, tamanha foi minha surpresa ao ver ambos os títulos abaixo carregando o selo “PS” no canto superior esquerdo.

Life of Black Tiger é uma conversão de um jogo free-to-play para celulares Android que roda a aproximadamente 20 frames por segundo. Já Skylight Freerange 2: Gachduine é um RPG possivelmente criado por um adolescente de 15 anos sem muita noção de anatomia e muito tempo livre.

Ninguém é obrigado a jogá-los, é claro. Quanto mais abertura aos desenvolvedores independentes, mais democrático se tornam os ecossistemas controlados pela Sony e a Microsoft. Mas quando títulos como estes passam pelo filtro do PlayStation, a pergunta que fica é: ainda há alguma curadoria na aprovação de jogos para consoles ou a porteira foi mesmo escancarada, bem como parece ter acontecido com o Steam?

Não é a primeira vez que vemos jogos que beiram o amadorismo sendo lançados no PlayStation 4. Em 2015, para a nossa surpresa, Toro e Yasai Ninja, que malemal operavam devidamente, chegaram ao console da Sony. Renderam algumas risadas aqui no Overloadr. Um outro caso é My Name is Mayo, um jogo sobre tocar incessantemente um pote de maionese para obter recompensas. Dentro de alguns minutos, é possível obter um troféu de platina, e essa parece ser a única razão para quem alguém queria comprá-lo.

De qualquer forma, eu não vejo isso como algo puramente ruim, afinal, o jogo está lá para quem quiser jogar, nem que seja para gravar um vídeo para o YouTube com a chamada “ESSE SÓ PODE SER O PIOR JOGO DO MUNDO”, o que parece ser exatamente o que os desenvolvedores desejam ao publicá-los. Mas se a Sony for incapaz de manter o controle dos jogos que entram em sua plataforma, o que garante que o mal que acomete atualmente o Steam, em que muitos jogos recém-publicados são automaticamente engolidos pelo mar de títulos medíocres e desaparecem na multidão, não se estenda ao PlayStation?

Oras, quem eu estou enganando? Eu confesso que estou doido para jogar isso aqui:

Skylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: GachduineSkylight Freerange 2: Gachduine
  • Jean Felipe

    Não sei, a publicação no canal é bem bizarra, mas talvez possa ser só uma piada

  • Thiago

    Ah pára, o character design do Skylight Freerange 2: Gachduine é bem… é… então… bonitinho?

  • Daniel

    10/10

  • José Cordeiro

    Talvez uma forma da Sony chamar atenção pra si depois do lançamento do Switch?

  • Guilherme Gondin

    Possíveis futuros shuffles?

  • Não parece, mas, vai que é bom

  • Fortes concorrentes ao GOTY reverso

  • José Cordeiro

    Pode ser também pra colocar na PS Plus em breve