As porteiras do Steam já não eram exatamente rígidas, mas em um futuro próximo elas praticamente nem existirão mais.

A empresa anunciou estar trabalhando no que chama de Steam Direct, um sistema que deverá estar ativo no final deste semestre e substituirá o Greenlight. Com isso, desenvolvedores poderão se auto-publicar na plataforma, diminuindo ainda mais as barreiras para que jogos estejam à venda no Steam. Ainda será preciso preencher uma “papelada digital”, realizar uma verificação da existência da empresa ou indivíduo e entregar documentos fiscais “similares ao processo necessário para se abrir uma conta bancária”.

A empresa justifica essa mudança argumentando que diferentes públicos procuram por diferentes coisas no Steam, tornando uma curadoria precisa um ato praticamente impossível. “Nós vemos pessoas passaram milhares de horas em um ou dois jogos, enquanto outras compram dezenas de títulos a cada ano e jogam uma porção de cada um. Alguns clientes ficam muito animados com jogos de estratégia 4X, enquanto outros apenas compram visual novels,” diz a empresa em seu blog oficial.

Diversas ferramentas foram desenvolvidas no Steam para garantirem que cada vez mais o público entre em contato com os jogos e desenvolvedoras que os agradam. A Valve argumenta que com tags de usuários, Discovery Updates, reembolsos, reviews de usuários e outras coisas mais, ela foi capaz aumentar o tempo médio que cada pessoa passa jogando no Steam. Não só isso, mas o número de títulos comprados por indivíduo dobrou. Através desses dados, a empresa acredita que está sendo capaz de fazer com que seus usuários encontrem aquilo que estão procurando, diminuindo o problema de um influxo muito grande de novidades subitamente na loja.

sso não significa que o sistema, exatamente do jeito que está, é perfeito. Na mesma entrada do Blog, a Valve diz que continuará a desenvolver ferramentas e aprimorar a descoberta.

Os desenvolvedores que fizerem o processo necessário para que se auto-publiquem terão de pagar uma “taxa recuperável para cada novo título que desejam distribuir, de forma a diminuir o ruído na fila de submissões”. Exatamente de quanto será essa taxa ainda não se sabe. “Nós conversamos com diversos desenvolvedores e estúdios sobre uma taxa apropriada, e eles nos deram respostas diversas indo de valores baixos como US$ 100 a outros altos como US$ 5 mil. Existem benefícios e malefícios em ambos extremos do espectro, então nós queremos recolher mais feedback antes de decidirmos um número.”

A bem da verdade é que é possível que, como consumidores, nem sintamos tanta diferença assim. Dezenas de jogos já aparecem nos lançamentos do Steam toda semana e, mesmo passando algum tempo na página de cada um deles, é progressivamente mais difícil separar o trigo do joio. Resta esperar para ver se as ferramentas da Valve se tornarão mais eficazes e se a experiência de navegar pela loja mudará radicalmente daqui alguns meses.

  • disqus_EIwxfU37Qg

    Com isso as curadorias parecem ficar cada vez mais importantes.

    E cadê as atualizações da página de curadores do Overloadr no Steam?