O sci-fi The Last Night, mostrado na conferência da Microsoft, atraiu atenção não apenas por parecer legitimamente interessante, mas por conta de alguns tweets antigos de seu diretor, Tim Soret, com conteúdo anti-feminista e de apoio ao movimento GamerGate.

O fato do jogo potencialmente fazer comentários políticos e sociais aumentou a preocupação em torno de The Last Night. O jogo é ambientado no futuro e sugere que, como consequência de renda básica universal e da substituição do trabalho humano por inteligência artificial, as pessoas se tornaram apáticas, “definidas por aquilo que consomem”. E que seu protagonista seria um homem descontente com essa realidade.

“Eu sou contra o feminismo, porque ele está se tornando cada vez mais distorcido”, disse Soret, em junho de 2014. “Eu apoio o igualitarismo. Eu não me importo se for garoto, garota, alienígena.”

Posteriormente, ele defendeu o movimento GamerGate, associado a campanhas de ódio contra mulheres e minorias. “As pessoas do Gamergate lutam por integridade jornalística, debate honesto, transparência, inclusividade e igualitarismo.”

Com a polêmica, as companhias por trás de The Last Night se manifestaram, afirmando que não apoiam as mensagens originais de Soret. Ao Polygon, um representante da Microsoft disse que a companhia “não apoia comentários que falham em refletir nosso comprometimento à diversidade e à inclusão”.

Já a publisher Raw Fury, responsável pela distribuição de The Last Night, disse ter ficado surpresa com a descoberta, mas que acredita que os tweets não refletem mais a opinião de Soret. “Nós na Raw Fury acreditamos em igualdade, acreditamos no feminismo, e acreditamos que todos possuem o direito e chances iguais de buscar felicidade. Nós não trabalharíamos com Tim Soret / Odd Tales se nós acreditássemos que eles são contra esses princípios em qualquer aspecto.” Você pode ler o longo posicionamento da companhia neste post do Polygon.

Em seguida foi a vez do próprio Tim Soret se manifestar. Durante a conferência PC Gaming Show, na tarde desta segunda-feira (12), Soret subiu ao palco para se desculpar, afirmando que aqueles tweets não representam quem ele é atualmente e nem sobre o que será The Last Night.

Em seu próprio Twitter, ele também reforçou:

“Hora da controvérsia. Tudo bem. Vamos falar sobre o assunto, é importante.

1. Defendo completamente a igualdade e a inclusão.
2. De maneira alguma que The Last Night é um jogo contra feminismo ou qualquer forma de igualdade. Muitas coisas mudaram para mim nos últimos anos.
3. O ambiente fictício do jogo de fato desafia o progresso tecno-social como um todo, mas certamente não está tentando promover ideias retrógradas.”