Enquanto Teixeira e Rique se degladiam sobre as mecânicas de Alien: Isolation (que você pode comprar no site oficial do jogo), Heitor corre atrás de fósforos para acabar com a festa estranha com gente esquisita de The Evil Within.

Também falamos de Spelunky, Gabriel Knight: Sins of the Fathers e notícias da semana!

Chega mais:

Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #07 – Alien: Isolation e The Evil Within e escute no seu player predileto

Participantes:

Caio Teixeira
Heitor de Paola
Henrique Sampaio

Assuntos abordados:

10m – Alien: Isolation
1h10m – Gabriel Knight: Sins of the Fathers 20th Anniversary
1h30m – Spelunky
1h34m – The Evil Within
2h02m – Notícias
2h13m – Emails

Envie emails com perguntas e sugestões para: motherchip@overloadr.com.br ou para http://ask.fm/motherchip01

  • Fernanda Moura

    o/ ouvindo

  • Fabiano

    Então tem treta Paião vs Teixeira? ô larica de chegar em casa logo…

    • Grillo

      “PAIÃO” demorou exatas 3 semanas para ser decodificado. Que broxada de apelido

  • Bruno Diniz

    Ouvindo e comprando Alien. PS: É melhor comprar por aqui ou caçar na vitrine? Abs!
    EDIT: Me.. não dá pra comprar direto do site do Alien, apenas por revendas =P

  • Michael Pereira

    Sobre o Alien-isolation. eu terminei, achei um jogo bem dificil, mas não travei nenhuma vez, eu explorava com bastante cautela mas não morri tanto. não uso detonados e curti a dificuldade do jogo, apenas gostaria de + uns orelhões para salvar em algumas partes. O jogo poderia ser um pouco + curto. tirando isso um ótimo jogo.

  • Rodrigo Soares

    Compro Alien para o PS3 mesmo ou espero pra jogar ano que vem no PS4? =/

    • Michael Pereira

      eu acho que vc deveria esperar pela versão do Ps4, tive a oportunidade de ver as duas versões e a iluminação na nova geração está de sacanagem. muito bonito.sem contar melhor framerate e tralalá.

      • Rodrigo Soares

        É, acho q esperarei mesmo.

    • Juan Bestagno

      Sem falar dos efeitos de fogo, joguei no PS3 e depois vi a versao do PS4 e uma lagrima caiu aqui .

  • Henrique Alves

    Frase quase solta do teixeira ao 52:35…só eu peguei? =X

  • Juan Bestagno

    Teixeira, o código que vc quer está em um computador do lado do cofre que vc precisa abrir. A vezes tem que ler os textos e o código está lá no meio

  • Fabiano

    Minha opinião: usar walkthrough é derrota do jogador, não do jogo

    • rodrigo

      Cara, acho bem valido viu, quando preciso uso sem peso na consciência, digo, é o mesmo que tu perguntar pro brother qual a sequencia de botões do fatality, dá no mesmo, você precisa de uma informação de algo a se fazer no jogo, e este não lhe oferece…

      • Fabiano

        Não é pra ter peso na conciência, é que sempre que eu usei detonado foi ou por incompetência em passar certas partes (alô Dark Souls) ou preguiça de procurar alguma coisa (estrelas verdes em Mario Galaxy 2). Mas acho super válido usar, ficar sem experimentar as partes boas de um jogo por uma parte mais chata pra mim é muito pior. #TeamHenrique

        • Rafael Ramiro

          Tendo em mente que você comprou o jogo para se divertir com ele, se o que te impede de seguir com a história/ambientação/gameplay que você está gostando é um puzzle chato ou falta de uma informação, go ahead and youtube.

    • Victor Domiciano

      Jogos que são quebrados, confusos, com problemas de game design e não explicam pra onde deve ir são válidos o walkthough. Até mesmo se empacar em uma fase apenas.

      Exemplo recente meu foi o famigerado Final Fantasy X-2 do Vita – um missão de obter 3 uniformes de soldados pra entrar numa mansão, porém diz o seguinte: “vai acha, procura em toda Spira” … … … isso que há 1 uniforme em uma região.

      Não vou ficar andando de forma lenta, com câmera travada, com random battle a cada 3 passos por mais de 20 localidades pra achar os benditos uniformes.

      Tempo é algo escasso ultimamente, e quando arranjo tempo ou fico no trânsito com portátil não vou me dar ao luxo de quebrar a cabeça por 2~3 horas em uma coisa simples e besta. Claro que há jogos que o mote dele seja a exploração e ou dificuldade (como Skyrim e Dark Souls) porém como a maioria é para contar uma história parte que está empacado são mais que bem vindas.

  • Juan Bestagno

    Terminei a dois dias Alien : Isolation , devo dizer que a experiencia foi muito positiva porem nao livre de problemas.
    Concordo com o Teixeira quando ele diz que o jogo tem problemas em sinalizar o que fazer ou para ir, um exemplo disso é quando uma localidade tem varios andares, e o jogo aponta para voce na forma de um circulo o lugar que voce precisa ai, o problema é que o jogo nao define o andar do seu objetivo dentro do mapa, e ao trocar de andares na visualizacao o circulo se mantem atraves do andares, dificultando saber aonde vc precisa ir.
    Tambem achei que o jogo se delonga demais em certas partes e as vezes coloca uma “gordura“ excessiva, criando sessoes dentro de objetivos que parecem mais fillers do que qualquer outra coisa.
    Outra coisa que senti falta de ser mencionado foi o fato desse jogar ser necessario jogar com headphones, porque o SOM E MUITO DO BARALHO, alem de ser uma ferrramente importante na hora de localizar os inimigos, principalmente o Alien, porque as reacoes dele dao a dica se ele te percebeu ou nao, assim como voce consegue ouvir quando ele saiu ou entrou em um duto de ar ou nao.

  • Ainda to escutando, mas deixa eu dizer: TEIXEIRA, CARAI! NÃO COMPARA O ALIEN ISOLATION COM DN FOREVER! DIZ QUE O JOGO PATROCINADO FALHA, MAS NÃO XINGA ASSIM!

    iauhaiuhiuhaiuhaiuhaiuhaiuhahu

  • Bruno Thomaz

    Eí !!! To com saudades do DOugão no cast!!! Chamem ele!!

    • Heitor De Paola

      Opa, como o Dougão disse no último GotR, ele está em um sabático. Ele está sempre convidado para gravar conosco.

      • Weslley Sousa

        E o Gus? Alguém chame o Gus Lanzetta haha.

  • Victor Domiciano

    Estou evitando pegar jogos de PS3 que saem no PS4 justamente pela diferença tanto gráfica quanto de sistema – em Shadow of Mordor o Nemesis System só tem no PS4, FIFA 15 com engine diferente ou mesmo Destiny só pelo gráfico. Até os mais básicos como Legend of Korra também evitei comprar.

    Como um amigo vai trazer de fora em dezembro tamo segurando as pontas.

    Essa nova geração o salto maior não será gráfico como foi PS2/PS3 mas em mecânicas – imagina um Fallout com as dinâmicas possiveis de mundo vivo .

  • mayk

    Fico muito feliz do projeto estar dando certo. Parabéns pelo patrocínio.

  • Fábio Alvarenga

    Fiquei em primeiro em duas das 5 últimas fases bônus de Dyad na PSN. Chupa essa, Henrique.

  • Renan M. Sampaio Motta

    The Evil Within. Cara, terror é um pouco relativo. Eu particularmente fico cagado jogando, primeiro pelo fato de ser um pouco difícil. Só pra pontuar, to no inicio, capítulo 3

    • Heitor De Paola

      O Capítulo 3, pra mim, foi o mais difícil de todos. Em parte por ser o começo e você não ter muitos recursos, em parte pelo jogo não explicar suas mecânicas. Mas eu diria que a partir daí fica progressivamente mais fácil.

      • Renan M. Sampaio Motta

        depois que ouvi vcs, voltando a jogar, senti que a facilidade estava vindo. Agora com “várias” armas.

  • Finalmente eu vejo meu irmão mais velho jogando um jogo do Alien que realmente causa tensão. Eu estava tenso vendo ele se esconder em um armário enquanto o Alien passava de um lado para o outro hahaha. Gostei de vocês não fazerem como muitos outros que só por que estão sendo patrocinados não tocam nos pontos negativos do jogo, parecendo que o tudo é um mar de rosas, pelo contrario, falam tudo de bom e ruim e deixam que o ouvinte decida se o jogo é bom e vale a pena ser comprado. Parabéns pela postura e que venham outros patrocínios.

  • Sobre a pergunta do nosso coleguinha no final, dizendo que o Xbox One está fadado ao fracasso no Brasil, eu tenho algo curioso a dizer. Recentemente fiz um trampo de pesquisa para apresentar a Microsoft Br justamente sobre a marca Xbox no Brasil. O resultado da pesquisa foi curioso. O Xbox não faz nada errado: ele tem preço mais barato que o concorrente (oficialmente), até então ele tem mais exclusivos de diferentes frentes e estes são melhores cotados em reviews, os serviços agregados são atraentes ao mercado brasileiro, etc. O problema é: Playstation é sinônimo de videogame no Brasil.

    A popularização do videogame no Brasil se deu por mérito da marca Playstation. Nos EUA, Xbox é uma marca forte pois foi um jogo exclusivo da mesma (Halo) que popularizou o multiplayer online em consoles de mesa (até então monopolizado pelos PCs). Essa realidade demorou mais para chegar ao Brasil, o que esfriou o renome da marca no mercado interno. Sinceramente, Xbox One em 2014 no Brasil é um produto mais vantajoso que o PS4 (mais exclusivos, mais barato, EA Access, etc, maioria dos jogos localizados para PTbr). Mas a marca Xbox não é sinônimo de diversão. E para mudar isso, A Microsoft vai ter que ser bem mais ousada nas atividades de marketing e relacionamento do que é hoje 😉

  • jprbessa

    Galera, o que houve que relançaram no feed e com 4 minutos a menos? Sem querer causar polêmica, mas achei estranho tirarem a parte inicial.
    Peguei o Spelunky na PSN Plus, mas deixei ele de lado. Mas depois do que vocês falaram fui sedento jogar. E qual não foi minha surpresa. Viciei nesse jogo! Até um amigo meu arrumou o jogo e jogamos, cada um em seu canto, e vamos conversando pelo Skype. Cada coisa nova que vemos e a cada morte rimos e nos irritamos. Duas frases ficam na minha cabeça: “Seja melhor!” (do irmão do Affonso Solano do MRG) e “Maldita ganância!” (eu mesmo sobre mortes estúpidas pra pegar mais recursos)
    Valeu aí pela indicação, galera!

  • Théo Matos

    “eu jogo melhor que vcs dois” Teixeira, Caio -> tá agarrado em Alien: Isolation.
    hehehe zueira gente, adoro vcs e to acompanhando TUDO. mas achei engraçado