Com a presença especial do cartunista Ryot, falamos do mercado atual de desenho, The One I Love, Pacific Rim e Vingador do Futuro.

Escute agora:

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #13 – Ryotiras e escute no seu player predileto

Participantes:

Caio Teixera
Heitor De Paola
Ryot

Assuntos abordados:

3m – Papo sobre quadrinhos e tirinhas no Brasil
27m – Filmes: Paranorman e BoxTrolls
47m – Filme: The One I Love
53m – Filme: O Vingador do Futuro
1h06m – Filme: Pacific Rim
1h17m – Emails

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br ou para http://ask.fm/bilheteria

  • Guilherme

    RYOT <3

  • Grillo

    Pensei que falariam da Comic Con XP. O OverloadBR não mandou um enviado especial pra lá?

    • Guilherme

      eu vi que o teixeira foi

    • Gravamos o podcast na sexta e eu só fui no domingo… =/

      • Grillo

        Ah, tenta comentar só um pouquinho sobre no Motherchip então ):

        • Heitor De Paola

          Na parte dos emails o Ryot fala do primeiro dia da feira.

          • Grillo

            Ah, então beleza 😀

          • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

            Spoiler do podcast 😛

  • The One I Love melhor filme mesmo com o Heitor contando quase o filme todo, ta. É o Inception dos filmes de terapia de casal.

    • Heitor De Paola

      Nossa, mas eu só falei da premissa que você encontra no trailer do filme.

      • Você estragou tudo Heitor. TUDO!

        • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

          Como vc pode fazer isso!?

          • poxa Heitor, não brinco mais

  • Fabiano

    Sem Henrique, sem spoiler

  • Douglas

    Essa manha de aproximar o braço que o Heitor falou funciona. Dos meus 14 aos 16 eu acho, era meu método principal pra saber se eu deveria “investir”.

  • Fernando Henrique

    Só eu não consigo me divertir vendo Pacific Rim?

    • Grillo

      Sim

      • Fernando Henrique

        Fala sério! O roteiro péssimo e feito a base de clichês!
        Eu entendo que é divertido e tals, mas é medíocre!

        • Grillo

          As vezes a gente só precisa de um filme de roteiro bobo e com clichês, mas BEM FEITO, para se divertir naquele sábado.

    • Felipe de Albuquerque

      Sim[2]

    • Victor Cardozo

      Sim[3]!

  • Kumal

    Sobre a espada do Gipsy Danger: O sangue dos Kaijus é tóxico pros humanos, por isso a preferência de armas de impacto sobre armas de corte, que espalham mais sangue.

  • Bruno Araujo

    O sotaque do Ryot é manero dimais sôr!

  • M_Tulio

    Porrãm! Excelente cast.

    =D

  • Grillo

    Heitor, você estava doente ou algo? Sua voz estava muito grossa, pensei até ser o Rique em alguns momentos.

    Acrescentando: acho que pior do que atores famosos dublando, são atores famosos escolhidos para dublar pois se parecem com os personagens.

    Exemplo – Em Big Hero 6, foram chamados:
    Robson Nunes para dublar o negro gordo
    Kéfera para dublar a menina branca magra de cabelos pretos
    Marcos Mion para dublar o cara branco com aparência de adolescente drogado e que fala manso

    • Fabiano

      Não se esqueça do Bussunda dublando o Shrek

  • Giovanni Romanelli

    Então pessoas, sei que vocês não são especialistas em nada, assim como nos lembram sempre, mas creio que devido ao assunto tratado me sinto obrigado a complementar os caros senhores:
    Neon Genesis Evangelion é algo complicado. Levantar o assunto automaticamente cria debate pois aqueles que gostam amam a obra de todo o coração e quem não gosta odeia do fundo da alma. Creio que devido ao nível de conhecimento da obra dos participantes, muitos detalhes ficaram obscuros e podem ter causado confusão afastado alguns ouvintes do tema.
    Esclarecendo detalhes: ‘Neon Genesis Evangelion’ foi uma animação original para tv produzida pela Gainax e dirigido por Hideaki Anno de 26 episódios exibidos entre 1995 e 1996 (os dois últimos episódios são aquela bagunça de existencialismo pós-moderno devido à completa falta de orçamento, e podem e devem ser desconsiderados [ou pode ser como eu e vê-los como uma viagem mental foda e pronto]); o filme ‘The End of Evangelion’ de 1997 foi feito para completar a série de tv e deve ser visto como a verdadeira conclusão da história, e em minha opinião o considero a masterpiece de Hideaki Anno e meu filme de animação favorito (tive a impressão que pelo menos alguns de vocês não tinham conhecimento deste filme, recomendo fortemente a todos, seria legal ouvir uma conversa sobre ele no bilheteria, mesmo ele sendo tão controverso quanto a própria série); o filme ‘Death & Rebirth’ é metade um recap dos 24 episódios da série e metade preview do filme ‘The End of Evangelion’, já que ele foi exibido no japão em antecipação ao lançamento dele, é praticamente inútil, a não ser que vocês queira recapitular os acontecimentos da série e subverter as expectativas antes de assistir ‘End of Eva’; o Mangá foi publicado entre o início da produção do anime (é o mangá que adapta o anime e NÃO o anime que adapta o mangá) e 2013(sim todo esse tempo) e foi desenhado por Yoshiyuki Sadamoto(character designer do anime), é uma adaptação do anime e do filme ‘End of Eva’ com algumas alterações, explicações e liberdades baseadas na visão do Sadamoto da obra, os desenhos são fantásticos e é bom ler se quiser um entendimento melhor mastigado e pausado da trama, além de possuir um final que quase chega a ser “alegre”; os filmes Rebuilds são reimaginações da história em 4 filmes: [SPOILERS] Evangelion 1.0 – basicamente um remake dos 6 primeiros episódios(até o epi. da sniper) com leves mudanças aqui e ali / Evangelion 2.0 – compressão de todo o resto da série, enquanto brinca com as suas expectativas baseadas na história original e termina acabando o mundo!…só que não / Evangelion 3.0 – tem um timeskip de 14 anos, tá tudo uma merda, se você achou que tava “direto ao ponto” até agora então aqui volta a ser Eva, pelo menos eles pegaram uma direção e estão tentando algo novo, o que eu aprovo / o quarto e último filme é a conclusão prevista para 2015. [/SPOILERS] na minha opinião o único aspecto em que os Rebuilds superam o original é no visual pois eles são mais mal escritos, menos profundos, levantam menos questionamentos, os personagens não são desenvolvidos em sua maioria e se apoia no seu conhecimento prévio de quem eles são, possuem muita ação desnecessária, muito fan service desnecessário e só devem ser vistos APÓS se assistir o original, pois é apenas segunda visão da história.
    por fim após todo esse texto enorme, só peço que todos dessem uma chance a obra em sua plenitude, nem que seja pra dizer que viu, não gosta e por que. Eu poderia passar horas falando respeito mas mesmo depois de escrever tudo isso não sou capaz de escrever tudo. A obra nem de longe é perfeita, tem problemas de orçamento, de narrativa, de roteiro e sim, é muito críptica em certos pontos, mas, para todos aquele que dizem “Eu não entendi nada” eu digo: isso é algo que exige que você pense, interprete e preencha as lacunas, ela não vai te dar todas as respostas, e eu creio que muitas pessoas(fãs ou não de anime) entram sem ter esse mindset para assistir, ou já pensam que não vão entender nada e não gostar mesmo, sendo que para mim, assistir ‘The End of Evangelion’ não é diferente de assistir ‘2001: uma odisseia no espaço’.

    • Fabiano

      Ótimo o seu comentário! Me poupou de escrever tudo isso eu mesmo. Só gostaria de acrescentar mais uma coisa:
      O que eu enxergo como genialidade em Evangelion é na união de tantos estilos díspares em uma única obra. Lembrem-se do quão divididas são as categorias de mangás no japão, com shonen, seinen, shoujo, gekigá, salaryman, etc. Eva chegou em 1995 trazendo robôs gigantes, romances colegiais, teorias de cospiração, terror, comédia, ou seja, várias características de estilos mais for fun, e incluiu personagens extremamente depressivos e perturbados e uma história que nunca te pegava pela mão em momento algum. Isso acabou se tornando meio que um padrão em mangás posteriormente: basta observar que One Piece é praticamente Dragon Ball com personagens com passados muito tristes, o mesmo se aplicando a Naruto, Bleach, Fairy Tail, entre tantos outros. E isso causa um estranhamento muito grande para desavisados, pois você vê algo extremamente leviano por muito tempo, e quando fica mais profundo acaba parecendo meio forçado por não combinar com a cena anterior. É preciso assistir com isso em mente, senão vai ficar parecendo muito pretensioso do que realmente é.

      • Giovanni Romanelli

        se algo mede o impacto de NGE é a influência deixada por ele.
        é possível ver a marca de Eva em toda Tsundere a lá Asuka, em toda garota introspectiva de cabelo de cor esquisita querendo ser Rei(quase virou arquétipo), plots supostamente sérios e violência usada de forma gratuita pra dar um ar de maturidade onde não há e o maldito fan service, usado em NGE com propósito e como ferramenta pra caracterizar personagens, agora sendo posto em tudo com o único objetivo de apelar mais e mais.
        Mas fazer o que não se pode culpar NGE e outros clássicos animes dos anos 80/90 pelo estado estagnado de hoje em dia assim como não se pode culpar Half-Life pelas atrocidades feitas em nome do realismo e linearidade dos shooters modernos ou culpar Watchmen e Cavaleiro das Trevas pelos quadrinhos dos anos 90.

        • Fabiano

          Não sei se deixei claro, mas acho que a influência de Eva foi positiva, e não negativa. Os animes que eu citei podem não fazer o seu gosto, mas eu os considero ótimos exemplos de mangás que eram de um gênero puramente juvenil que deu uma certa amadurecida após evangelion. E existe fórmulas de sucesso, sim, mas olhar para aventuras genéricas da Jump e achar que toda uma indústria está estagnada é ver novela e achar que dramaturgia também está.

          • Giovanni Romanelli

            Não, de forma alguma, também acho que a influência foi positiva.
            Mas assim como há coisa boas, existe uma legião de mediocridades lotando temporada atrás de temporada.

  • Gilson Ríspoli

    Onde arranjaram munchkin Hora de Aventura? Amazon? Viagem? Quero pra ontem para aumentar a coleção

    • Heitor De Paola

      Olá Gilson,

      Foram amigos que importaram, mas infelizmente não sei dizer através de qual site.

      • Gilson Ríspoli

        Obrigado. Perguntei para saber se existia um caminho mais fácil e recomendado 🙂
        Vou caçar na Amazon e/ou ver se alguem já importou por aqui,. Tentando não levar uma ‘facada’ … Valeu

  • Radoc Lobo

    Sobre a espada em Pacif Rim.
    O sangue de Kaiju é muito rico em amônia, então a ordem é evitar ao máximo a contaminação do mar.
    Se vcs pensarem, os russos nem tem armas além dos punhos e os demais só usam armas de fogo qnd o monstro ta na cidade.
    Com exceção do Cryson Tiphoon que fode a porra toda mas, por usarem lâminas, vão pra linha de frente bem mais distante da cidade.

  • Bruno Araujo

    O ódio por Evangelion pelos fãs de anime, vem muito de ele junto com Akira ter criado a imagem do típico anime idolatrado pelos críticos ocidentais, que definem um bom anime pelo apelo “adulto”, tramas complexas e filosóficas, abordar sexo e violência etc. Muitas dessas opiniões são feitas de forma superficial e automaticamente desclassificam o restante das obras orientais.

    E também recomendo para o Heitor dar mais uma chance e ir atrás do anime Nana, não sei se já assistiu.

  • Antonio Marcelino

    Tal qual o Heitor eu só vi Evangelion depois dos 20 mas ao contrário dele eu gostei. Não tanto da história, mas o que me encantou foram as questões metanarrativas, de produção, design e estrutura mesmo. O herói que é completamente inepto e nem um pouco preparado para ser um herói, a conspiração que é tão secreta que é executada sem nunca ser exposta, o design lânguido dos EVAS, com aqueles corpos maaaaaagros e raquíticos. Tudo isso muito foda. A tal cena do elevador é muito bem resolvida porque aproveita a economia de animação que eles tinham de fazer pra mostrar, visualmente, a total falta de química entre as duas personagens. tem também a cena onde o Shinji fica em dúvida se mata ou não um monstro e fica dois minutos mostrando ele parado decidindo com a mão na garganta do outro. São uns momentos, pequenos detalhes, muito bem resolvidos. Tem várias boas cenas, uma boa produção, uma direção muito bem pensada, mas realmente o roteiro, tanto o enredo geral quanto os diálogos, são beeeeeeem fracos e daí é foda né assistir 24 episódios por coisas que não são a história com a história atrapalhando ali
    https://www.youtube.com/watch?v=5FQjPUOCHXk

    • Antonio Marcelino

      E eu também odeio o quão anime ele é. Sério mano, joga fora esse fanservice bosta, essas piadas com bêbado, essas coisinhas

  • Fabiano

    Heitor, que outros animes você diz que acabam como Cowboy Bebop?

  • Mirella Braga

    Caramba, que surpresa legal o Ryot no bilheteria. Adoro o trabalho dele e a participação no podcast foi muito boa, espero que ele volte. 😀

    Quanto a Evangelion, acho que aquele vídeo do final dublado em português de portugal (com todos falando “parabains”) é uma contribuição para a humanidade tão grande que apaga e compensa o final ruim e sem sentido.

    PS: Heitor estava claramente cumprindo a cota de spoilers do podcast na ausência do Rique.

    • Heitor De Paola

      Eu? Que spoiler que eu dei?

      • Mirella Braga

        Você contou praticamente o filme inteiro, Heitor! Haha

        • Heitor De Paola

          Eu juro que não, isso é só a premissa, algo que você encontra no trailer. Tem bem mais do que isso nele.

          • Mirella Braga

            Ok, então. Vou confiar. Haha
            Eu tinha ficado curiosa para assistir, mas se tem ainda mais do que você comentou agora eu fiquei realmente interessada. Tentarei ver esse fim de semana.
            Obrigada pela resposta (e pela dica do filme) 😀

  • OfudouMyou

    esqueçam a discussão sobre evangelion, cês tão perdendo a pérola que foi dada a vocês na leitura de email: matt fraction; pqp, leiam sex criminals (ao leitor que indicou: cara, parabéns!), é muito foda. e mais, é do fracfion o melhor quadrinho americano seriado atualmente: hawkeye… sim, isso mesmo, o gavião arqueiro (nunca imaginei ! )… eu NÃO curto quadrinhos de heróis, mas hawkeye do fraction e o daredevil atual estão valendo a pena. sex criminals é muito legal.

    • Caramba, que surpresa! Eu to lendo Sex Criminals (e tá sendo inacreditavelmente foda) e comecei a ler Halkeye. To adorando e não sabia que era do mesmo autor!
      Uma dica é Loki: Ragnarok & Roll.

      • OfudouMyou

        pois é! tem de rolar uma pressão aí pros overlordes lerem

    • Alexandre Barbosa da Silva

      Hawkeye é excelente. O estilo do Matt Fraction é muito único. Casanova também é ótima. Recomendo tudo que já li dele. Ainda não li Sex Criminals, vou correr atrás!

      • OfudouMyou

        cara, você já chegou na história do cachorro (do Hawkeye)? que é mudo, só pelo ponto de vista dele? cacete, aquilo é genial!

        Casanova é de quem e sobre o quê? É mesmo a história do personagem histórico? É ficção?

        • Alexandre Barbosa da Silva

          Sim, já li o capítulo do cachorro, é incrível mesmo! A arte do David Aja é simplesmente perfeita para a ideia do Fraction para o capítulo (aliás, a arte dele é maravilhosa sempre… o que são aquelas capas?).

          Casanova não é sobre o personagem histórico, é sobre um cara que é tipo um agente secreto que abandonou a organização para a qual trabalhava. Acontecem umas coisas na família dele (que também são agentes) e ele tem que resolver umas paradas. Quase tudo é spoiler, por que a HQ é muito doida, com um humor muito nonsense que volta e meia me fez rir só depois de alguns segundos. Está saindo no Brasil pela Panini em edição de luxo (embora seja meio cara) e a arte é dos irmãos brasileiros Gabriel Bá (primeiro volume) e Fábio Moon (segundo) e a colorização é da também brasileira Chris Peter (Astronauta Magnetar) . É cara mas sempre aparece em promoções na Saraiva e no Extra. Eu paguei 26 reais no primeiro volume e valeu totalmente a pena. Recomendo!

  • Marcos Neguéti

    Muito manêro mesmo Teixera. Na hora que você falou eu fui atráz.

    https://www.youtube.com/watch?v=fZ6voOV0eDU

    D+!

  • Sobre a bilheteria de Pacific Rim, não foi horrível. Foi a melhor bilheteria de uma IP nova no ano, principalmente fora dos EUA.
    http://www.slashfilm.com/pacific-rim-grossed-more-worldwide-than-any-other-live-action-original-film-this-year/
    http://screenrant.com/pacific-rim-box-office-highest-grossing-movie-new-ip-2013/

  • Os Podcasts de vocês são os melhores de TODOS, tanto o Bilheteria quanto o Motherchip. Principal motivo: vocês não falam só de games ou só de filmes, falam de VÁRIAS coisas. Até conselho amoroso vocês dão hahaha! Parabéns, estarei com certeza num próximo Boteco Overloadr. Abs.

  • Alexandre Barbosa da Silva

    Vingador do Futuro é sensacional. Discordo profundamente dos participantes, no entanto, no que se refere a comparação entre Asimov e K. Dick. As obras de Phillip K. Dick são filosofia pura (ele era formado nisso e pirava muito em áreas específicas da filosofia) e em geral dificílimas de adaptar fielmente por que ele simplesmente viaja muito em questões de realidade e existencialismo (por isso os filmes normalmente são muito diferentes das obras dele). Já o Asimov, nas coisas que eu li dele (por que o filho da mãe tem obra pra caramba), foca muito mais na questão científica mesmo, em psicologia social e em tecnologia, embora tenha sim, sua pá de questionamentos espalhados pelas obras.

    Só adicionando sobre o comentário do Heitor sobre The One I Love: O filme não foi dirigido pelo mesmo cara que Safety Not Guaranteed (um filme que eu gosto muito, mas acho que é mais pela Aubrey Plaza do que pelo filme em si haha), que está fazendo o novo Jurassic Park (Jurassic World), mas por um diretor aparentemente estreante. De qualquer forma, achei muito bacana a ideia e agradeço a indicação, assistirei assim que possível!

    Quero mandar também um salve para o Ryot, ótima participação, e ele finalmente me fez ter vontade de ver Paranorman , que sempre me chamou a atenção só pelo visual, mas de acordo com o comentário parece que tem algo a mais ali. Assistirei em breve também. Conhecia o Ryotiras mas não acompanhava, pretendo começar a partir de agora!

    Também re-assisti Pacific Rim recentemente e nossa, como é bom. Gostei muito mais do que da primeira vez que vi. Como um blockbuster pipocão, é um grande filme. Mas sério, Ryot, que você não gosta dos filmes do Hellboy? Nem do segundo? Acho Hellboy 2 excelente, e com certeza um dos filmes mais impressionante visualmente do Del Toro, perdendo apenas para O Labirinto do Fauno.

    Da história de Evangelion nem vou comentar nada (dá preguiça só de pensar), mas recomendo aos participantes que leiam o mangá, que explica mais claramente alguns pontos e desenvolve melhor muita coisa. Além disso, recomendo que leiam sobre a história da produção do anime original e sobre o estado emocional de Hideaki Anno na segunda metade do anime e as coisas que ele teve que fazer pra levantar grana pra finalizar a série. É bem interessante, e explica muito do por que de o anime terminar daquele jeito.

    Fora isso, ótimo podcast como sempre, me diverti muito. Mas façam o Henrique aparecer mais no Bilheteria! Sempre gosto muito das coisas que ele indica, mas ele anda faltando muito haha.

  • Rafael Rigon Maier