Caçamos monstros tanto no 3DS quanto no Xbox One e o Heitor ainda teve tempo de desenterrar um Tetris obscuro.

Chega mais!

Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #23 – Monster Hunter 4 e Majora’s Mask e escute no seu player predileto

King of TokyoE caso tenha fica interessado pelo jogo de tabuleiro King of Tokyo, que comentamos no começo do podcast, você pode adquiri-lo com 10% de desconto através deste linkNa hora que você for fechar a compra é necessário colocar “bilheteria” no espaço do “Cupom Promocional“. O cupom tem validade até o dia 10 de março.

Participantes:

Caio Teixeira
Heitor de Paola
Henrique Sampaio

Assuntos abordados:

10m – Monster Hunter 4: Ultimate
38m – Broforce
51m – Evolve
1h01m – Tetris Battle Gaiden
1h10m – Sunset Overdrive
1h17m – The Legend of Zelda: Majora’s Mask 3DS
1h32m – Notícias
– Criador de The Stomping Land desaparece
 Anunciado novo Rock Band
– A saga de Driveclub na PS Plus
– Darkest Dungeon com vírus vagando pela Windows Store
2h – Emails

Garanta seu ingresso para o Mini Boteco Brawl e acompanhe as novidades da festa na página do evento.

Envie emails com perguntas e sugestões para motherchip@overloadr.com.br

  • Lucas Medina

    AEEE! Partiu alegria de Quinta 😉

  • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

    Me arrependi de ñ comprar Monster Hunter antes do meu console quebrar. Eu tinha um de psp só que ñ entendia nada.

    • Ed Araujo

      Eu tenho Expendabros e é um ótimo party game 4 jogadores, no melhor estilo “morreu passou”

  • FSalesPN

    O cara que joga granadas no Broforce é o macgyver.

    • Ed Araujo

      Tanto que ele não joga granadas, ele cria uma granada com um frango assado e uma dinamite kkkkkkk

  • Ed Araujo

    Só pra constar, eu sou o ouvinte que sugeriu levar coisas de RPG. O sisstema que eu mestro é muito simples e os personagens já vão estar prontos pra uma aventurinha rápida que eu já montei de antemão. Se alguem estiver interessado me avisa que ai eu já vejo se levo ou não.

  • Danillo Lange

    Rique, pra capturar monstros você tem que colocar Shock Trap ou Pitfall trap quando o monstro estiver BEM cansado (quase morrendo na verdade, é bem difícil saber o ponto no começo, tem uma armor skill Capture Guru que mostra quando ele ‘tá no ponto’) e quando ele cair na trap, você tem que jogar de 2 a 3 Tranquilizer Bombs nele (que você consegue combinando Tranquilizer + Bomb Casing), no mais ótimo cast, abraços.

    • rodrigo

      que Pokemon estranho e complicado é este?

    • crowsg

      Quando o monstro começar a fugir mancando pro ninho dele é basicamente certo que você vai conseguir capturar, só precisa tomar cuidado pra ele não dormir e recuperar vida demais.

  • Fernando Henrique

    Eu sei que o indicado pra se jogar ouvindo podcast é algum jogo Rogue Like ou com pouca história, como SuperMeat Boy, mas ultimamente faço isso com Dying Light hahahah!
    Que enredo chato esse jogo tem!

  • Antonio Carlos Bleck Bento

    Caras alguem pode por favor me informar qual é a musica que toca antes da parte de notícias ?
    Lembro de tela ouvido em algum joguinho flash de um CD-room da vida quando era moleque, bateu a nostalgia forte aqui.

    • Não sei qual é o nome da música, mas é de Streets of Rage 2.

      • Antonio Carlos Bleck Bento

        Vlw Teixeira 🙂 consegui achar pela soundtrack do game, o nome é go straight by the way

  • Platynews

    Jogos quebrados no lançamento, instalações … updates gigantescos …. o que é isso ?
    Eu e meu WiiU nunca ouvimos falar disso xD

    Essa rage (totalmente justificada) do Heitor só faltou a parte do Anton Ego “Eu não gosto de jogos, eu AMO jogos ! Se não for bom eu NÃO ENGULO”

  • Caio Favero

    Bem que vocês poderiam adicionar aos posts o nome da música que vocês usam pra fechar o programa

  • Victor Domiciano

    Po até que a última música do Tenacious D é legal – um cover de The Last In Line no album de tributo ao Ronnie James Dio. Fizeram até um solo de flauta!

    Mas o que foi bizarro é eles terem ganhado o Grammy na categoria Best Metal Performance – tinha só Anthrax, Motorhead e Mastodon concorrendo com eles. Eu curto a banda do Jack Black e tals mas as outras são muito melhores … mas vai entender…

  • Vander Martins Fagundes

    Como fã de Monster Hunter desde os primórdios da série, preciso dizer que fiquei um tanto incomodado com a tentativa de “dizer do que se trata o jogo” pelo ponto de vista tão razo e sem conhecimento, inclusive com informações erradas sobre o funcionamento do jogo que foi falado nesse episódio. Entendo que é um jogo que impõe uma barreira de muitas centenas de horas para ser compreendido totalmente, mas se a intenção era somente apresentar o que acharam do jogo nas poucas primeiras horas seria legal deixar isso claro, ou se quisessem falar de fato do jogo que pelo menos chamassem alguem com alguma bagagem nesse que é sem dúvidas o jogo que me define como apaixonado por games.

    E esse não é o primeiro lugar que leio/ouço falar equivocadamente do jogo pela falta de conhecimento/experiência com a franquia, mas o overloadr é um dos poucos sites que me importo pois sempre confiei na galera que toca esse projeto.
    Me senti realmente mal em pensar o que passou na cabeça de pessoas que nunca jogaram algo da série com a descrição tão “boba” e desleixada acerca dessa série que é grandiosa no japão mas simplesmente “passa batido” aqui no ocidente.
    Gostaria que tivessem um pouco mais de cuidado ao falar de assuntos que não conhecem, é melhor reconhecer e explicar que as informações são baseadas em pouco conhecimento / primeiras impressões a passar informação de baixa qualidade ou mesmo errônea.
    Sou fã do site/podcasts mas como fanático da série Monster Hunter me decepcionei com a conduta “esse jogo não importa muito, vamos falar qualquer coisa” adotada nesse cast.

    • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

      A importancia que se da para um jogo vai de pessoa para pessoa. Em nenhum momento achei que eles tomaram uma conduta de vamos falar qualquer coisa.

      • Vander Martins Fagundes

        Se falar coisas erradas sem verificar, se tratando de um programa gravado não é falar qualquer coisa não sei o que é.

        • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

          Mas o objetivo do programa é falar sobre o que estao jogando e o que estao achando. Nao falar sobre todos os conteudos que o jogo oferece tim tim por tim tim. Ainda que o Heitor faz isso muitas vezes, ñ acho que seja o objetivo do programa se nao ficaria uma coisa monótona e chata.

          • Vander Martins Fagundes

            Não justifica o ponto de que falaram coisas ERRADAS sobre o jogo. Coisas que não existem, sistemas que funcionam diferente do que foi dito etc.

          • Thiago Nunes

            Bom, taí o espaço de comentários pra você corrigir tudo que eles explicaram errado.

          • Vander Martins Fagundes

            Eu não vou digitar um texto gigante aqui apontando tudo o que foi dito de errado e explicando sabendo que, na real, ninguem vai ler. E aliás, o trabalho de passar informações corretas é deles, não sou eu o jornalista. Mas para não parecer só um maluco implicante que está “inventando coisas”, vou destacar algumas das patadas que fui levando já nos primeiros minutos:

            1- O jogo NÃO te devolve os itens que você gastou se falhar a missão

            2- Os tickets que o Cook dá NÃO são para comida de graça. Servem tanto para fabricar alguns equipamentos como para aprimorar os ingredientes que ele pode usar.

            3- Só existem 2 tipos de armadilhas: pitfall trap e shock trap (ps: armadilha de fumaça doeu o cérebro ouvir)

            4- “O jogo não tem atributos”. O jogo tem dezenas de atributos que são aplicados através de jóias, onde você pode se aproveitar dos pontos que já tiverem no seu equipamento para ativar os efeitos deles em forma de skills passivas.

            5- A única arma sonora é a Hunting Horn, não existe essa outra BUZINA/SANFONA(meu deus do céu) mencionada. E a HH não possui ritmo, basta saber as sequencias de notas para tocar e causar o efeito. e NÃO! Ela não causa dano tocando apenas, é uma arma melee.

            Enfim, não vou ouvir novamente e continuar listando aqui… Só achei bizarro o tanto de coisa que foi dita sem conhecimento algum… E a imagem “boring” que foi passada sobre o jogo na questão do farm de equipamentos. Se fosse a respeito de um jogo mais famoso teria um exército defendendo aqui. Mas os jogos mais “importantes”(para eles) eles se preparam melhor para falar.

          • Vander Martins Fagundes

            E mais. que PIADA: “taí o espaço de comentários pra você corrigir tudo que eles explicaram errado”

            Quer dizer que agora é só eles falarem qualquer bosta, porque são os ouvintes que tem que se dar o trabalho de vir até aqui escrever as coisas certas? Deprimente ler isso.

          • Thiago Nunes

            Acho que você está confundindo as propostas. Se fosse hard news ou um artigo do site especializado em Monster Hunter (tipo um detonado ou guia do jogo), te dava total razão, porque aí as consequências de uma informação passada errada são mais prejudiciais e vão contra a proposta do artigo ou da notícia. Mas no Mothership eles falam de coisas que eles estão jogando e, na maioria das vezes, nem fizeram pesquisa sobre (e, na minha opinião, nem tem a obrigação de fazer). Monster Hunter 4 não é o primeiro e acho difícil ser o último jogo que eles falarão algo errado (e tanto o Henrique quanto o Caio disseram com todas as letras que não manjam nada de Monster Hunter). Mas até aí, o pior que pode acontecer com essas informações erradas é alguém jogar e comentar “pô, não tinha nada a ver com que eles falaram”. A vida segue.

            Acho que é o esperado no formato do programa e, se algum ouvinte achar que é importante corrigir uma informação passada errado, ele tem esse espaço. Tudo de boa.

            E claro, se você acha que “na real, ninguém vai ler” (eu li), é porque a informação já não era útil ou interessante o suficiente em primeiro lugar.

          • Luiz Augusto Pereira Rodrigues

            Totalmente de acordo. Só achei o Rique meio agresivo respondendo o comentario.

          • riquesampaio

            Creio que deixei bem claro que eu tinha aproximadamente em torno de 12 horas de jogo, o que, sendo você tão entendido na série, deve saber que é o suficiente para ter contato com as mecânicas principais e ter um bom feeling do jogo, mas não um conhecimento pleno sobre todos seus sistemas de combate, itens, armas etc. Nunca foi minha proposta também, ao falar sobre ele, dar esses detalhes aprofundados. A ideia foi apresentar o jogo àqueles que não conhecem (o próprio Heitor e o Teixeira, inclusive), dando a perspectiva de alguém que jogou alguns jogos da série casualmente. Aposto para você que abordá-la com muito mais profundidade o deixaria muito mais “boring”, uma vez que apenas os jogadores especializados poderiam entender.

            Sobre informações erradas: depende de como você as interpreta. É um jogo enorme, puramente mecânico e repleto de sistemas e subsistemas, bastante difícil de memorizar e descrever. Dito isso, eu não sei todos os nomes e funções dos itens (aposto que você também não), posso ter confundido algumas coisas (como confundi a bomba tranquilizadora, que por alguma razão eu chamei de “armadilha de fumaça”, com uma armadilha per se, pois sabia que era um item usado em missões de captura). Outras foram coisas que meu amigo com quem jogo (e conhece bastante de Monster Hunter) me mostrou, comentou ou explicou, então posso ter interpretado errado as informações dele.

            De qualquer forma, eu não trato jogos na base do fanatismo e sempre evito disputas de conhecimento sobre séries. Não tenho o menor interesse nisso. Meu fascínio por jogos é puramente por suas experiências e acho que fui capaz de transmitir a minha. Se soei confuso ao falar sobre Monster Hunter 4 para você que é um “jogador avançado”, isso é reflexo da sua própria curva de aprendizado, que é bastante íngrime.

          • Vander Martins Fagundes

            Achei legal responder aqui esclarecendo, só preciso discordar do “aposto que você também não”. Fui um dos colaboradores da maior página brasileira sobre monster hunter até o momento em que o pessoal não teve mais tempo para manter atualizada. Mas minha dedicação aos jogos nunca diminuiu, portanto sim, conheço as funções de todos os itens do jogo. Mas o mais importante mesmo foi o reconhecimento de que foram ditas muitas coisas erradas ainda que com a justificativa do desconhecimento pelos participantes. Parabéns de qualquer forma, por não ignorar simplesmente.

          • Tiago Ribeiro Xavier Cordeiro

            Acompanho o trabalho do pessoal do site desde as 10 primeiras edições do GoTR. Gosto pra caralho do pessoal, mas na maioria dos podcasts eu sinto a mesma sensação de descomprometimento com a pesquisa sobre o jogo em pauta.

          • Thiago Nunes

            Eu compreendo o sentimento de “porra, nadaver o que eles disseram sobre jogo x” e como isso pode até ofender ou chatear os fãs do jogo x, mas, por outro lado, não é como se eu ouvisse Mothership pra ter informações exatas e precisas sobre aspectos do jogo. Pra isso tem wiki e gamefaqs da vida.

    • Calma, mano. É um jogo, não um way of life.

      • Vander Martins Fagundes

        Isso depende muito, para mim não é só mais um jogo. Mas isso não vem ao caso, meu ponto foi somente sobre a quantidade de equívocos ditos no programa. Se isso reflete positiva ou negativamente, vai de quem ouve. Mas o Rique já respondeu aqui, um tanto “irritadinho” até, mas ao menos respondeu e reconheceu.

        • Entendo perfeitamente que você fique incomodado pelos erros quanto às mecânicas de um jogo que gosta tanto (o que poderia afastar algumas pessoas de conhecerem algo que você acha legal) e não querendo entrar em atestações da qualidade desse (pelos trailers e descrições, me parece divertido).

          Só achei estranho porque no post você soou ter ficado muito mais irritado com o fato do Rique não ter “visto a importância” do jogo, de como ele é grandioso etc. Não quero me meter na sua vida pessoal, mas acho que é saudável repensar seus gostos, não necessariamente pra deixá-los, mas pra que informações contrárias (ou erradas) não te afetem tanto, porque você transpareceu muito isso no comentário (se você não estava assim etc, peço desculpas).

          Enfim, vá em paz e aproveitemos os joguinhos.

  • Ives “Hywes” Aguiar

    BATTLE GAIDEN MELHOR TETRIS

  • Tiago Ribeiro Xavier Cordeiro

    Existem teorias de que o Majora’s Mask se passa em uma pós morte do Link, que é o mesmo do Ocarina of Time. Faz muito sentido: https://www.youtube.com/watch?v=7S1SVkysIRw&ab_channel=TheGameTheorists

  • Vander Martins Fagundes

    Enfim, como já era esperado de qualquer crítica que se faça num site “panelinha”, onde a empatia aos participantes está a cima do que é produzido. Todos os comentários que vieram responder meu questionamento quanto falta de preocupação com informações corretas foram somente: “dane-se suas correções, aqui a proposta é falar qualquer coisa, mesmo que sejam erradas, deal with it” (incluindo o próprio Rique) defendendo os erros ao invés de apoiar que seja produzido algo de melhor qualidade. Então só resta não seguir mais o site, porque afinal, segundo os fanzoides aí, eu é que estou errado e deveria aceitar que a proposta é realmente “falar qualquer coisa” nesse programa.

    • Thiago Nunes

      Achei meio simplista tu reduzir todos os comentários respondendo seu questionamento nessa única frase jocosa de que “dane-se suas correções, aqui a proposta é falar qualquer coisa, mesmo que sejam erradas, deal with it” (até porque li suas correções e elas seriam muito úteis se um dia eu me importasse com a franquia Monster Hunter!)!

      Mas entenda a diferença de propostas e contexto (na minha percepção que pode estar errada, lógico):

      O Rique errando informações básicas de mecânicas do jogo enquanto escreve o DETONADÃO MONSTER HUNTER ULTIMATE 4 SUPER DICAS após ter jogado mais de 280 horas e pesquisado para escrever = ERRO GRAVE.

      O mesmo Rique errando explicações de mecânicas no podcast Motherchip após ter jogado 12 horas do Monster Hunter Ultimate 4, puxando da memória das experiências que ele teve no jogo = COMPREENSÍVEL.

      Não precisa assumir essa postura defensiva, ninguém aqui está te atacando, ou dizendo que você deveria aceitar e bater palma para todo o conteúdo do podcast e do site. Relaxe e, caso não esteja mais seguindo o site, até mais!

  • Estava desatualizado com os podcasts daqui, só fui terminar de escutar hoje.

    Sobre o Majora’s Mask, só uma pequena correção do que o Heitor falou. Na verdade existem pessoas preocupadas com a queda da lua sim, há alguns diálogos que demonstram isso. Em especial, se você for no gabinete do prefeito logo no começo do primeiro dia, existe uma briga entre os soldados de Clock Town e os organizadores do Carnaval, em que o primeiro grupo quer cancelar o evento para garantir a segurança de todos e o segundo diz que é bobagem.

    E eu sempre achei MM bem melhor que OoT 😛

    • Heitor De Paola

      Sim, você tem razão. E no terceiro dia existem pessoas no bar e no rancho aceitando fim. Mas ainda acredito que no “espírito” geral as pessoas que encontramos não reconhecem propriamente o que está para acontecer, o quanto que a lua está se aproximando. O contribui muito ao clima do jogo.

      • Sim, com certeza. Acredito que a questão de ser três dias “apenas” é técnica, mas esse desenvolvimento de “pessoas ignorando a lua caindo no primeiro dia” e “pessoas aceitando a morte no terceiro dia” é muito bem feito dentro disso. Aliás, até hoje me pergunto o que aconteceu com o Aonuma de MM, porque mesmo eu gostando dos Zeldas posteriores, ainda espero um jogo da série que resgate essa coisa de ter inúmeras histórias secundárias que acabam sendo mais interessantes até mesmo que a principal.

  • Armoderic

    Excelente episódio! um pouco atrasado mas só comentar algumas coisas:

    Acredito que uma razão de estarmos vendo alguns jogos terem lançamento problemáticos está tanto no fato que talvez mais que nunca temos muita mais pessoas produzindo jogos, principalmente agora com kickstarters e early acess e outras coisas, ao mesmo tempo que a produção de jogo em si vem se tornando mais complexa. Além que estamos acompanhando muito mais de perto e muito mais rápido.

    Como ainda não há muitos diálogos a respeito do que exatamente ocorre quando as coisas saem errado só é possível especular (não ficaria surpreso se fossem as mesmos erros se repetindo) às vezes eu tenho a leve impressão que o pessoal pula demais em projetos grande demais e cedo demais e lá pelas tantas percebem que não vai dar ou não tem vontade de continuar. Em níveis mais alto é bem mais difícil imaginar, pode ser desde problemas de coordenação até coisas humanas, tipo uma pessoa sair da equipe (isso aconteceu no Empire Total War, onde se não me engano a pessoa responsável pelo AI teve que sair por motivos pessoais e eles tiveram que achar outra no susto, deu problemas no jogo)…

    Sobre desanimar, bom podem haver várias razões, o mais perto que tive disso foi a tempos atrás e não era nada ligado a jogos em si, mas um pouco de stress devido a estudos. Outras coisas que acho podem causar desanimo vão desde o modo que se joga (digo no sentido de horas diretas e algumas vezes até maneira/estilo que se joga), os tipos de jogos, motivos pessoais, ect…

    Eu meio me acostumei a variar bastante os jogos que jogo (estranho dizer isso) a cada vez, evito jogar direto a mesma coisa (digo em horas/sessões seguidas), do umas pausas (principalmente antes de algum patch/expansão, fiz isso agora pouco com o Europa Universalis IV, sabendo que o a expansão El Dorado iria sair, dei um tempo e ai quando saiu a vontade de jogar era alta, assim, mesmo com quase 330 horas, segundo o steam, não sofrei de burnout com com o joo).

    Mesmo com coisas negativas acontecendo, uma coisa que concordo é que nunca foi uma indústria/cena tão vasta e variada com uma tendência (apesar dos pesares) de melhorar (porém, dado a natureza do twitter e partes da internet, é por vezes fácil cair em uma visão limitada e perder a “big picture” eu não digo no sentido de ignorar coisas importantes, pelo contrário, mas de não só ver aquilo e perder a perspectiva).

    Sobre jogos bons para jogar ouvindo podcast, normalmente eu sempre jogo Europa Universalis IV (inclusive estava jogando esse quando ouvi), Crusader Kings II, Dominions 4 e às vezes Mount & Blade.

  • O Cara

    Depois de ouvir alguns podcasts me deu uma vontade de comprar um wii u, no caso compraria em Portugal, tem alguma solução em relação o bloqeio regional ?

  • Douglas von Sohsten

    uhauahuahuaha caraca… que medição de tamanho de pinto foi essa nos comentários? uhauhauahuha

    Fiquei imaginando o fanboy de Monster Hunter com camiseta e caneca na frente do PC escrevendo que ELE SABE SIM, porque tem centenas de horas de jogo e sabe TODOS os nomes dos itens pq ele foi colaBOOOOORIIIIIING!!!

    Aff gente… q bizarro… esse cara precisa de uma vida… alguém tem uma ae pra empresatr pra ele?