Enquanto o Rique vagava do sudoeste para o noroeste (ou esquerda e direita?), o Heitor foi ao teatro graças a sua vitória em uma micareta de quiz e o Teixeira se fixou na temática de “pessoas mordidas por coisas”.

Escute agora!

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #25 – Paixão e Fúria (mó título bom) e escute no seu player predileto

Participantes:

Caio Teixera
Heitor De Paola
Henrique Sampaio

Assuntos abordados:

3m – Filme: Livre
17m – Teatro: Paixão e Fúria
28m – Filme: Insurgente
51m – Filme: O Abutre
59m – Documentário: Atari: Game Over
1h13m – Série: Bitten
1h23m – Série: Z Nation
1h27m – Filme: Daybreakers
1h38m – Emails

Caso tenha interesse, assine o nosso Patreon!

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br ou para http://ask.fm/bilheteria

  • Felipe de Albuquerque
  • Vinícius Santana

    Acho melhor usar o Spotify pra publicar as Mixloarders. É só apertar um botão pra seguir e baixar a playlist pro celular

    • Puruluchu

      Deezer também sincroniza com um clique.

    • rodrigooliveira

      Lembro de ter sugerido pro Rique pelo twitter o Spotify também! É bem tranquilo de subir os arquivos e tudo mais.

  • Puruluchu

    Acho melhor pelo Deezer. O aplicativo mobile é mais amigável e o sistema inteiro é mais user-friendly.

  • Aracy

    Que caminho é esse to googlando aqui e não acho. Santiago – estados unidos? É isso mesmo?

    • Heitor De Paola

      Não, não. Um deles é o Caminho de Santiago (Santiago de Compostela). O outro é uma caminhada próxima à costa oeste dos EUA.

  • Eu comentei no patreon mas não sei se viram, usem o Podsnack ou o Cincopa, já usei os dois serviços, são pagos mas você pode subir os MP3 e aí fica livre de depender da biblioteca de um serviço ou de outro.

  • Explicando rápido a mitologia de Bitten:
    – eles se reproduzem de duas formas: quando um lobisomem tem um filho com uma mulher humana, se ele for menino, também será um lobisomem. Nada foi dito sobre o que aconteceria se fosse uma menina
    – Ao nascer, essa criança é levada para a “família”, sendo separada da mãe e nunca mais tendo contato com a mesma, para ser criado entre lobisomens e ensinado a controlar seus instintos
    – a segunda forma de aumentar a família é sendo mordido por um lobisomem (é preciso haver contato da saliva com a corrente sanguínea, para haver a “infecção”). Homens que são mordidos, se sobreviverem, viram lobisomens. As mulheres SEMPRE morriam, exceto a protagonista, que se torna a primeira “lobismulher” no mundo da qual os outros lobisomens tem conhecimento
    – Há basicamente duas “facções”: as “famílias”, cada uma comandada por um “alfa”; e os mutts, que são lobisomens renegados que foram expulsos das famílias ou nunca foram inseridos nela ao nascerem ou serem transformados
    – Eles se transformam livremente sempre que quiserem, não precisa ser na lua cheia e nem mesmo à noite, como ditam as lendas

    • Mas foi tudo o que falei….

      ..
      Não? =P

      • Mais ou menos. Eu também escrevi isso enquanto estava no meio da confusão de você tentar explicar e os outros ficarem interrompendo o tempo todo. Dei pausa e vim aqui 😀

  • Eriko Lima

    spotify!

  • Igor CSC

    Só queria deixar registrado que fui atropelado ouvindo esse podcast. Rá.

  • Mirella Braga

    Meu voto vai pro spotify (mas é um voto tendencioso, pois é o serviço que eu uso).

    Eu assisti o Housebound por causa da recomendação do Teixeira e, realmente, que filme legal!

    Queria deixar de recomendação o filme What We do in the Shadows, que é basicamente the office + vampiros. Não é o melhor filme de comédia do mundo, mas tem algumas cenas bem engraçadas e a ideia é muito boa.

  • fernando salgado

    Então, é proposital que o link de download leve para esse link bizarro http://mp3juices.se/search/+3Cstrong+3EBilheteria+20+2325+20+E2+80+93+20Paix+C3+A3o+20e+20F+C3+BAria+20+m+C3+B3+20t+C3+ADtulo+20bom+3C+2Fstrong+3E/page/1 Ou é so aqui que ele ta desabilitado?

  • Felipe de Albuquerque

    Eu conheci rock progressivo através do meu pai que ouvia bastante. Eu curto bastante Gentle Giant, Focus, Jethro Tull, Yes, King Crimsom
    Vou deixar esse álbum aqui
    https://www.youtube.com/watch?v=qOjikpmXQuI

    • Felipe de Albuquerque

      Heitor-senpai has noticed you!

  • Leonardo de Andrade Uepcoski

    Acho melhor usar o Spotify pra publicar as Mixloarders.

  • Sempre que escuto o podcast pulo a música do final, mas a dessa edição foi excelente hein? Gostei muito da música de encerramento <3

    • Grillo

      Qual seria o nome dela aliás?

  • Pedro Silva

    Quando o assunto foi o filme Bitten lembro que o Rique falou sobre essa palavra significar pinto em Alemão. Na verdade “bite” em francês que significa pinto rs. Em Alemão “bitte” é “por favor/de nada”, “bitten” seria “pedir” e ainda tem “bieten” que é “oferecer”, as duas últimas com pronúncia bem parecida.
    Ainda continuando no assunto língua (to empolgado), lembro quando o Heitor falou sobre amarelinha ter esse nome por causa do nome em francês. Na hora me lembrei de algo que aprendi no francês e que ajudou a entender a expressão em português melhor, embora eu não tenha certeza de que essa é a origem dela. Quando dizemos que sabemos algo de “cabeça” falamos que sabemos “de cor”, o que pra mim nunca fez sentido. Mas aí no francês aprendi que dizemos “par coeur”(de coração), o que fez todo sentido já que em inglês se diz “by heart”. Acho muito legal isso de relacionar expressões em diferentes línguas pra tentar achar um sentido haha.

    Ótimo cast aliás, abraços!

  • Randal Souza

    Porra, o Heitor só me fez perceber o quão ruim os filmes de Divergente são. Eu gosto muito dos livros (não são obras primas, mas são bons livros), até porque um dos pontos principais da série literária é justamente a jornada da protagonista. Um exemplo: depois do final do primeiro filme/livro, a Tris nunca mais segura uma arma, por causa do trauma. Isso vai acumulando com outras coisas, até culminar no final do terceiro livro, que fecha bem demais a série. E já está quase certo que o final do último filme será diferente do final do livro, porque rola uma polêmica muito forte entre os fãs, a maioria odeia o final original.

    • Heitor De Paola

      Nossa, não respeitaram isso nem um pouco nos filmes então. Não tem necessariamente ela matando alguém a sangue frio com uma arma, mas ela pega em metralhadoras e dá tiros de suporte em mais de um momento.

  • rodrigo

    o email pareceu uma esquete do Gus

  • Bruno Freire

    O documentário Atari: Game Over está disponível no Netflix agora: http://www.netflix.com/WiMovie/80042198?trkid=439131