Voltamos à normalidade de jogar títulos gigantes e cheios de estratégia. Dá para falar que estamos nos preparando para a batalha de Waterloo.

BOTECO VII: JOGABILIDADE! Garanta já seu ingresso!

Chega mais!

Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #76 e escute no seu player predileto

Participantes:

Caio Teixeira
Heitor de Paola
Henrique Sampaio

Assuntos abordados:

11 min. – Fire Emblem Fates: Birthright
34 min. – XCOM 2
40 min. – Plants Vs Zombies Garden Warfare 2
51 min. – Rapidinhas:
– Nintendo Direct
– Activion não terá stand na E3
1h12 min. – Longuinha: Tudo o que tá rolando com o Xbox
– Fable Legends cancelado e estúdio fechado (que deveria ser rapidinha)
1h36 min. – Emails

Música de Encerramento: Silicon – Personal Computer

Assine agora o nosso Patreon!

Envie perguntas para o email motherchip@overloadr.com.br

  • Gabriel Raposo

    Fire Emblem!
    Vamos lá ouvir você odiarem meus jogos favoritos <3

  • Gabriel Raposo

    Na verdade é bem pior a origem dos Rito de Wind Waker
    Eles são uma forma evoluída dos Zora, aqueles humanos-peixe de Ocarina of Time.
    POR ALGUM MOTIVO, quando o mundo todo ficou tomado por aquele mar, eles tiveram que viver na terra. Só sei que esse mar não tem mais peixes e é cheio de monstro, se isso ajuda a explicar alguma coisa.

  • Acho que o Wii U vai ser um ótimo console pra comprar daqui uns 3 anos por 500 reais e jogar seus OITO maravilhosos jogos. Ou vamos torcer para todos eles aparecerem no NX (que será o melhor console da história, com todo o poder pra eu nunca mais precisar comprar Sony ou Microsoft de novo).

    • El Luchador

      oieuahoeiuahoeiuahoeiuhaoieuhaoiuehhoeia

    • Roberto Goulart

      Eu li essa mesma frase alguns anos atras, mas troca Wii U por PSP e NX por PS vita.

      • Hahaha, sim. Estou brincando. Apesar de que o Vita é um console SENSACIONAL. Único problema é que fizeram apenas UM jogo bom para ele :((( mas acaba que funciona bem pra eu jogar todos os indies e PSX classics.

    • Caio

      Oito jogos maravilhosos? Que isso, tem mais cara. haha

      De cabeça eu lembro de Super Mario 3D World, New Super Mario Bros U, The Wonderful 101, Pikmin 3, Wind Waker HD, Mario Kart 8, Super Smash Bros U, Bayonetta 2, Hyrule Warriors, Captain Toad, Kirby and the Rainbow Course, Splatoon, Super Mario Maker, Fatal Frame 5, Yoshi Wooly World, Xenoblade Chronicles X, Runbow, Fast Racing Neo, Typoman,Twilight Princess HD e futuramente Pokken, Tokyo Mirage Sessions, Star Fox Zero, Paper Mario Color Splash e Zelda U. Isso só de exclusivos.

      Tem ainda indies – e indies exclusivos tbm – e outros thirds se vc não jogou em outros consoles.

      • Então, “maravilhosos” são “maravilhosos” mesmo. Não bons jogos.

        Splatoon, Mario Maker, Xenoblade, Zelda (se der tudo certo), Star Fox (duvido muito), Donkey Kong e talveeeez Bayonetta e Mario Kart, são os maravilhosos que posso citar. A maioria que você falou, PRA MIM, são bons jogos, não maravilhosos.

    • Fabiano

      Comprei um PS4 ano passado e já vendi, já que só joguei dois jogos “maravilhosos” nele (bloodborne e the witcher). Gostos variam muito…

      • É, mas a diferença é que os consoles estão em momentos diferentes de suas vidas. PS4 e Xbox One estão no início. Vai sair Uncharted ainda, e muita coisa boa, com certeza. Os melhores jogos das gerações nunca estão no início. Já o Wii U, por melhores jogos que tenha, já está sendo descontinuado pela própria Nintendo, que já está fazendo e quase lançando o próximo console. Não dá pra esperar muito mais dele. Já dos outros eu espero bastante.

        • Fabiano

          Eu não acho o ps4 um console ruim ou sem futuro, foi meu gosto por jogos que mudou muito nos últimos tempos. Eu vendi porque percebi no final do ano passado que jogava praticamente os mesmos jogos por meses (WiiU, binding of Isaac, hearthstone, monster Hunter e série souls) e vivia comprando jogos no lançamento a 200 reais só pra me manter atualizado, e jogava esses jogos por umas 2 horas e não voltava mais.

          • Ah tá, aí sim eu concordo 100%. Estou quase nessa também hahaha

    • Tomara que todos sejam acessíveis no NX

  • Márcio Barbosa

    Engraçado eles fazendo mistério da novidade, sendo que foi dito o que era na transmissão do old teixeiras. XD

    • Por isso que se você acompanha tudo o que fazemos, você é o mais bem informado! =D

      • Márcio Barbosa

        E olha, eu nem tenho tanto o costume de ver as lives que vcs fazem, mas essa The Old Teixeiras eu curti bastante. XD

    • Henrique Tavares

      poooo

      conta aí pfvr

      • tem no twinter tb

      • Márcio Barbosa

        ah, mas já tá tão perto de sair, só esperar e ver.

  • El Luchador

    O papo de vocês fluiu lindamente neste episódio.
    Parabéns! : )

  • El Luchador

    Se for pra ficar atualizando hardware de consoles, então compro um PC de uma vez.
    ._.

  • Márvio

    Venho em defesa de Plants vs Zombies Garden Warfare 2

    Gostei da análise do Heitor sobre o jogo, muitas das coisas que ele falou são verdades. Como a busca de salas em outras modalidades, ou que apesar de ter estes desafios single player eles são apenas firulas para complementar o conteúdo do jogo. Mas um comentário dele eu discordo completamente que é a sensação de que após algumas horas de jogo você enjoará e largará o jogo de lado. Eu não jogava absolutamente nada online, até que a EA deu o primeiro jogo na PSX de 2014, e eu resolvi experimentá-lo. Passado 1 ano e alguns meses depois este foi um jogo que sugou muitas e muitas horas minhas neste tempo. Tanto é que o platinei no PS4, PS3 e Xbox One. Tenho facilmente mais de 1000 horas gastas em todas as plataformas juntas, e ainda continuo jogando-o. Não comprei o segundo ainda, porque não adquiro lançamentos, e no momento estou desfrutando das 10 horas disponibilizadas para assinantes de EA Access. Sei que podem haver opiniões diferentes, mas do mesmo jeito que para o Heitor o jogo pode não ter um apelo grande para continuar jogando, um FIFA ou COD para mim eu possuo o mesmo desinteresse.

    • Márvio

      Outra coisa também relacionado ao Xbox One é que ao menos aqui no Brasil, eu vejo muitos usuários em grupos, fóruns e afins evitando de comprar títulos da EA, pois em um breve futuro eles estarão disponíveis “gratuitamente” através do EA Access. Talvez este seja um motivo de não encontrar tantos jogadores em salas na américa do sul.

  • Marcelo Amorim

    Olá! Nesse episódio do Motherchip e em outros passados vocês comentam sobre a velocidade de uso da nova dashboard do Xbox One e eu sempre fico um pouco encucado sobre a experiência de vocês em relação a ela. Não sei se interpretei direito as reclamações sobre a dashboard, mas eu tenho uma experiência oposta com a nova dash, na questão propriamente de velocidade, ela é bem melhor que antiga que era bastante lenta e pra mim foi satisfatória a melhora.

    Não sei se isso é possível mas já pensaram que essa lentidão que reclamam possa ser um problema específico do aparelho de vocês? Vocês foram o único site que conheço que analisaram a nova dashboard como sendo mais lenta na execução de tarefas em comparação com a antiga e que relataram demoras tão grandes para tais tarefas. Isso me fez pensar que poderia ser um problema pontual.

    Abraços.

    • Marcelo

      A dashboard nova é realmente mais rápida que a antiga, mas o login ainda é muito lento.

    • Márvio

      Também não compreendo esta reclamação deles. Para mim a dash funciona perfeitamente.

  • Fantástico o Caio falando sobre Fire Emblem.

  • Rafa Jonatas

    no Plants vs Zombies Garden Warfare 2 tem opçao de mudar para server USA no xone . sempre lotado

  • Caio

    Sobre COD, o Ghosts não é o menos vendido não. O “menos vendido” é o World at War com 15 milhões enquanto o Ghosts apesar do fracasso pelos jogadores vendeu 19 milhões e está acima Modern Warfare 1 que vendeu 15 milhões. 😛

    Em relação a Sega, eu acho que ela está em um bom momento sim. Localizou o Yakuza 5 pra cá, vai lançar Yakuza 0, Yakuza 6 e o remake do Yakuza 1, além de remaster do Valkyria Chronicles e um novo VC. Claro, essas são as duas franquias que mais gosto dela além de Sonic.

    Então, sobre o Kirby, a Nintendo – e Hal Laboratory que também é dona da franquia – sempre lançaram bastante jogos do personagem. Nos anos 90 por exemplo tinhamos dois ou três kirbys por ano, só nos anos 2000 que o ritmo diminuiu e tinha um Kirby por ano. Como a franquia é sempre muito inovadora em gameplays, nem dá pra repetir a fórmula tanto já que os jogos 2D de plataforma do Kirby geralmente demoram bastante a sair. O que mais sai são essas experimentações.

    Em relação ao Wii U, é óbvio que é um fracasso comercial mas o console possui uma biblioteca muito boa na minha opinião. Tenho o Wii U faz dois anos e tenho mais de 20 jogos contando físicos e digitais.

  • Sobre aquela questão do UWP. Com essa arquitetura, o código rodar nas diferentes plataformas Windows, como citaram no podcast. No caso também vem para adicionar segurança ao Windows, rodando os app do UWP num ambiente sandbox (os aplicativos rodam num ambiente isolado ao sistema, de uma maneira simples). Ambiente sandbox no caso que já acontece em iOS e Android. Ou seja, aquela velha arquitetura Win32, os famosos .exe que instalam e você pode ir lá em Arquivos de Programas e mexer em algo dele já estão fora de contexto.

    O que o Tim Sweeney fala por abrir a arquitetura UWP seria justamente dá essa facilidade que o Win32 tinha de você ir lá no site e baixa seu .exe, os arquivos podendo ser editados(mods). O sideload no caso é dá a opção de você pegar um app UWP fora da Microsoft Store, já que você não pode ir lá no Baixaki e baixar um app UPW e instalar como um exe. MASSS mesmo com o sideload ativo por padrão no sistema, ainda não é tão fácil quanto um instalador.

    É um pepino que a Microsoft vai ter que resolver, abrir um pouco a mão do seu ambiente controlado e “seguro”.

    Update: Segue outra declaração do Tm Sweeney http://venturebeat.com/2016/03/10/epics-tim-sweeney-heres-how-to-keep-windows-an-open-platform/

  • Flauber Vieira de Melo

    Sobre a discussão proposta pelo aluno de Biologia (espero que ele leia esse comentário, inclusive).
    Sou professor de Geografia e no meu trabalho de conclusão de curso eu tratei justamente do tema que lhe interessa, o uso de videogames na prática de ensino. Porem, não só como recursos ativos (onde o aluno de fato controla o jogo) como também recurso passivo (tal qual um filme/documentário).

    Já existe essa discussão e até a aplicação, porem de forma bem tímida. (existe inclusive programas do MEC envolvidos nisso, porem, com jogos bastante limitados e já com orientação próxima a um “Serious Games”.

    É um assunto a ser discutido, inclusive as observações expostas no podcast são bem pertinentes, sobre a proporção de conteúdo relevante ao ensino em comparação as distrações de entretenimento, além da questão de indicação etária.

    • Marcelo

      O problema de se usar jogos em sala de aula é que os jogos acabam sendo aplicados de forma comportamentalista, utilizamos já esperando um resultado, o que não é bom, e quando temos um jogo educativo é pior, não são jogos interessantes, em geral parecem muito com os applets em javaque foram muito utilizados em física na metade da década passada.

      • Flauber Vieira de Melo

        Te entendo muito mas acho que depende tanto da disciplina como do método. É previsível que o professor ja aplique o método esperando um resultado em específico, mas, também é possível que o planejamento seja feito afim de desenvolver justamente a particularidade dos alunos. Depende muito do tema.

  • Jonathan Menegalli

    Então, sobre usar games na educação existe um problema que é o que se encontra quando se usa qualquer produto comercial em educação: Os alunos precisam comprar ou a escola precisa fornecer os jogos e sairia muito caro comprar Assassins Creed para uma turma de 30 alunos e do outro lado seria anti-ético da parte da escola incentivar os alunos a comprarem produtos de entretenimento de massa que já possuem campanhas fortíssimas de marketing voltadas para o publico da faixa etária de 10 a 14 anos.

  • Pedro Guilherme

    Ainda bem que jogaram esse balde de água fria nas minhas expectativas do novo fire emblem, já que nem tenho como jogar ele agora. Pelo visto o definitivo vai ser o Awakening mesmo, onde os personagens são carismáticos e embora a história seja simples, ela tem os seus grandes momentos.

  • Barata

    só passando pra informar que a banda Lolitas Suicidas ou Suicide Lolitas ainda não existe…