Resolvemos exercitar nossos músculos jovens durante o feriado para descobrir que não os temos mais. O que foi traduzido em uma ressaca de três dias. Parabéns para nós.

Mas não é só de coisa ruim que vivemos: o Overloadr vai fechar uma sala de Capita América: Guerra Civil para assistir com vocês! Compre aqui seu ingresso (que já inclui pipoca e refrigerante) e vamos assistir todos juntos!

Escute agora!

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #76 e escute no seu player predileto

Participantes:

Caio Teixeira
Heitor De Paola
Henrique Sampaio

Assuntos abordados:

1 min – Feriado e ressaca
8 min – Festa CCBB
18 min – Quadrinhos do Heitor: Pílulas Azuis, São Paulo Cidade dos Mortos, A Ameaça do Barão Macaco e O Clube dos Monstros dos Bairros Distantes
34 min – Atividade Paranormal: Dimensão Fantasma
54 min – “emails”

Música de Encerramento: Bonobo – Stay the Same

Caso tenha interesse, assine o nosso Patreon!

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br ou para http://ask.fm/bilheteria

  • FHC

    Posso confirmar que o Talvez é negar educadamente

  • O que aprendemos hoje: atividade paranormal é tipo zelda

  • Leandro

    Existe a possibilidade de subirem o podcast em zip também? Tem rede que bloqueia o mp3.

    • Anderson Cardoso

      Dica: Quando o navegador apresentar o “salvar arquivo onde…” troca a extensão .MP3 para .TXT e após o download volta pra o original.

      Abs,

      • Leandro

        To ligado, mas infelizmente esse truque não funciona 🙁

  • To triste: Heitor disse que não tem e-mail mas semana passada mandei um sobre filmes legendados e dublados D:

    • Anderson Cardoso

      Putz eu também vivo mandando e-mail e nunca leem!

  • Bruno Leao

    Em inglês tem a expressão tummy farts ou belly farts que ilustra o que o Henrique não conseguiu explicar e corrobora com o Heitor quando ele diz que são como peidos.

  • Lucas Sant’Ana

    Heitor está louco, “talvez” é “talvez”.
    Se você não vai você marca não. Assim é em todos os rolês que marcam por Niterói (RJ).

  • Teixeira, recomendação para você que citou fanzines/zines: Feira Plana, Feira Tihuana e principalmente a Ugra Zine Fest (tipo de evento que acho que vocês todos deveriam colar em algum ano). Outra recomendação é que a Ugra hoje em dia tem uma loja na Rua Augusta (https://ugrapress.wordpress.com/), justamente voltada para zines e quadrinhos com publicação independente. Hoje eu sinto essa área em expansão sinceramente, eu colaboro para a zine Prego e hoje o pessoal montou a própria loja voltada para o meio também.

    E recomendo ouvirem Rico Dalasam mais a fundo, o cara é assumidamente gay e tá criando toda uma cena e quebra de paradigmas dentro do rap nacional, tem bastante material legal dele.

  • Diego Gomes de Oliveira

    Só vim pra dizer que o Heitor é louco. Se você não que ir em algo, você marca “não”. Talvez é um “vou ´pensar” ou “depende do meu humor no dia”.

  • Rodolfo da Silva Carvalho

    Concordo com o Heitor. Eu uso o Talvez do Facebook para dizer não educadamente. Meu ciclo de amigos sabe o que o meu talvez significa.

  • Jumento Deus

    Cara, achei Carol um filme próximo do insuportável. Nunca vi personagens tão superficiais! A relação da mãe (Blanchet) com a filha é super forçada, a relação das duas mulheres é de dar sono e a reação das personagens ao redor com a relação homossexual das duas me parece muito branda para o que aconteceria, de fato, na época. É um filme sem conflito e em um andamento que não convence, tentando ser poético com sua lentidão, mas terminando apenas por ser sonolento. Filmes lentos podem ser ótimos, mas esse filme tenta se garantir na imagem (a fotografia dele é excelente), valorizando a ótima caracterização de época e o contraste de tons amenos com cores mais vivas, principalmente o verde e vermelho mais intensos, mas ainda assim achei um grande equívoco essa escolha, pois não sustenta o roteiro fraco. Podia cortar, pelo menos, 30 minutos de filme que não faria diferença. Se posso recomendar um filme ótimo, assistam Olmo e a gaivota, da diretora brasileira Petra Costa. Acho que vocês vão gostar.

  • Lucas Matias

    Talvez é o não dos covardes huehuehuehue brbr xD

  • Fabiano Castro

    Overloadreiros, não seria melhor colher perguntas de outras formas além de email? Poderiam criar um tópico no Facebook, ler twitts ou comentários do site pra perguntas e feedbacks de programas anteriores. Email já é meio fora do dia a dia de muita gente, e entrar nele especificamente pra mandar uma pergunta pode afastar muita gente. Já o site e as redes sociais a gente já acessa todo dia, pra mandar uma mensagem fica muito mais prático.

    • Anderson Cardoso

      e outra os comentários no site e nas redes sociais aumentam ainda mais os indicadores pro site e-mail o sujeito nem se dá o trabalho de dar View! eu mesmo nem sei que alguns podcasts têm site porque baixo do feed direto, aqui ainda entro por conta dos textos se não fosse por isso nem entrava!

  • Thiago Nunes

    “Talvez” 80% das vezes é “Não”.

    Eu apostaria uma boa grana em qualquer teste com alta amostragem com a baixissima porcentagem que “Talvez” se concretizaram em “Sim” na vida de qualquer pessoa.

  • Cesaeer

    Bora mandar e-mail!

  • Bruno Araujo

    como posso estar procedendo para seguir os overloadeans no Snapchat?

  • Bruno Araujo

    Então, o rolê do “talvez”, eu sempre preferi não responder quando não queria ir, ao invés de colocar não ou colocar talvez. Mas tem algo que as pessoas fazem que é pior: confirmar mas não ir, acho desnecessário.

    • Anderson Cardoso

      é isso ai eu já acho mau-caratismo por parte do envolvido se não vai nem confirma!

  • Francisco das chagas

    bagunça fantasma foi foda

  • Anderson Cardoso

    Caras, segue indicação de um ótimo podcast só ..SÓ de filmes B e Trash de terror e similares
    http://www.td1p.com ou http://www.nicolascage.com.br o Podtrash!

    Abs,

  • FSalesPN

    Lembro de uma vez no GotR que o Heitor contou uma história vergonhosa. Era sobre ir em um aniversário de uma menina e que derramou um molho na mesa.

    * cometário atrasado. Só escutei agora.