Depois de um breve hiato de duas semanas, o Bilheteria volta com o melhor do que podemos oferecer: indagações sobre coisas mundanas e comentários sobre filmes de terror baratos – ainda que um dos filmes que vimos nesta semana seja realmente bom. Ah, e com o Teixeira como host!

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #93 e escute no seu player predileto

Participantes:

Heitor De Paola
Henrique Sampaio

Caio Teixeira

Assuntos abordados:

6m – Siriri, cupim e traça
13m – A mudança do Rique
39m – Filme: O Homem nas Trevas e filmes claustrofóbicos
52m – Série: segunda temporada de Narcos
58m – Filme: Exorcistas no Vaticano
69m – Filme: Hush (e uma pitada de Quem Somos Nós e O Segredo)
77m – Emails

Música do final: Kurt Weill (Teresa Stratas) – Youkali: Tango Habanera

Migramos para o Apoia-se! Para entender por que deixamos o Patreon, leia nosso FAQ. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br

  • FHC

    Sempre que o Heitor fala da relevância do banheiro, lembro da importância que eles tem nos filmes do Hitchcock e como os grandes momentos dos filmes acontecem dentro deles. É algo que o Zizek fala no filme dele, em como o banheiro é um dos locais mais íntimos do nosso dia a dia e é um ótimo lugar para apresentar mudanças psicológicas.

    • Ele fala isso no Perverts Guide to the Cinema né? Assisti três vezes e ainda não saquei nem metade daquele bagulho.

      • FHC

        É nesse mesmo. Isso foi uma das poucas coisas que gravei já que metade do que ele fala é complicado demais pra entender. Quero rever de novo agora que já vi outros filmes que ele cita, mas sempre esqueço.

  • Jonathan Menegalli

    Alguem ja falou que o matheus tem a voz parecida com a daquele cara que faz reviews de espadas no youtube? não? ok, desculpa.

  • Rodrigo Pillotto

    Parabéns a quem escolheu as músicas do episódio, sensacional!

  • Bruno Araujo

    Rique, você tá morando na Kasato Maru? Eu vivo passando por ai porque tem um amigo que mora lá, e de dentro dá pra ver e ouvir o pessoal que fica por ali na rua