Com nosso Caio Teixeira mais uma vez em terras estrangeiras, trouxemos a bordo nosso suplente oficial para conversarmos sobre o seriado do momento: Black Mirror. Entramos em discussões sobre cada um dos episódios, compartilhando as impressões díspares que tivemos. E claro, não se preocupe, não entramos em detalhes da história de nenhum deles, para não estragar a surpresa para quem ainda não assistiu. Fora isso, também tivemos tempo para falar sobre documentários que andaram ocupando nosso tempo, arrebatamentos de contentamento espontâneo e mais.


Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #99 e escute no seu player predileto

Participantes:

Heitor De Paola
Henrique Sampaio
Matheus Leston

Assuntos abordados:

0 min – contentamento espontâneo e comida
11 min – o ano está acabando
16 min – Série: Black Mirror
57 min – Documentário: Man vs. Snake: The Long and Twisted Tale of Nibbler
68 min – Filme: A Garota do Trem
73 min – Documentário: The Best of Enemies
83 min – emails

Música do final: Miloux – Pocket (Jono Das Stolen Cadillac Remix)

O Overloadr é um site movido a amor, a uma incrível comunidade e crowdfunding, especificamente via Apoia.se. Para entender por que deixamos o Patreon, leia nosso FAQ. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br

  • Vocês falaram que era meio exagerado, a questão das notas no 1 ep. do BM mas o governo da China ta fazendo algo muito similar com seus cidadãos… é sinistro..

  • FHC

    Alegria? Oq ser isso?

  • Curioso, tava ouvindo um Motherchip mais antigo, onde o Heitor menciona a ameaça de morte do Gabe Newell, e caiu como uma luva com o conceito do último episódio.

    Quanto ao epi 03 eu tô com o Matheus nessa, também gostei muito da narrativa.

    [possível leve spoiler]

    Digo, além do ponto que o Matheus disse sobre as pessoas com certeza taparem as webcams após assistir esse epi (principalmente por ser nossa realidade) sinto que houve ali sim uma construção de personagem, inclusive é interessante que o plot twist ao final leva você a repensar o perfil daquelas pessoas (tão diferentes na vida “real” e na virtual, um pai que se mataria pelos filhos, mas não exatamente confiável), observar as mesmas frágeis perante uma chantagem e até ver que, no caso do garoto, ele tinha uma vida ali, pessoas que o amavam, mãe, irmã, tudo dentro da “normalidade”, alguém livre de suspeitas e quase digno de pena.

    Talvez o que tenha mais me aterrorizado acima da questão espionagem foi o medo de conviver e lidar diariamente com diversos “Kennys”.

    [fim do possível leve spoiler]

    Abraços e parabéns pelo podcast!

  • Quando o Heitor tava falando sobre a bêbada chata, eu fiquei pensando se não é essa a ideia… pra mim pessoas embriagadas são sempre chatas.

  • Anderson Cardoso

    Ouvindo esse papo todo de Black Mirror só me deixou com vontade de assistir Além da Imaginação

  • Guilherme Bueno

    Eu penso um pouco diferente dos comentários sobre black mirror. Pra mim a série só usa tecnologia pra ampliar questões que já existem, o episódio do “Kojima” fala sobre medo, o primeiro sobre algo que já vemos com a necessidade de likes e eu sinto que eles não tentam dar uma resposta, logo não caem no moralismo. Eu concordo com o que o Beccari falou no anticast, que black mirror traz umas questões que a filosofia, por exemplo, sempre traz de forma não didática. A tecnologia é uma forma de falar disso, não a crítica, o VR foi uma forma do cara ver o medo dele (o que aconteceu com o pai eventualmente acontecer com a mãe)e as camadas daquilo é um pouco dele fugindo, não uma crítica a tecnologia, as empresas ou ao que ela tava fazendo. Não sei se me expliquei bem, mas enfim…

  • Antonio Marcelino

    Heitor falando que quem critica as sátiras de Black Mirror geralmente são as pessoas que mais se encaixam na sátira.
    Cinco segundos depois tá falando mal do episódio de realidade virtual hahaha

  • Antonio Marcelino

    Eu peguei o twist do terceiro episódio logo na primeira pista, daí ele não teve graça nenhuma